Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Por mais espiritualizada, calma, easy-going-budista que a pessoa seja, existem aqueles momentos que a gente sai do sério né? Sabe aquela circunstância em que você está histérica, com muita raiva do seu chefe ou daquele seu amigo mala que já passou de todos os limites ou precisa achar aquele documento específico em dois minutos pra levar no centro da cidade (na hora do rush) em algum lugar que fecha em 15 minutos? Desesperador né? Então, se você reparar, SEMPRE tem um que vem “Calma, respira fundo. O que você está sentindo? Observa a sensação.”

OI??? Eu não sei vocês, mas eu ouvia muito esta terceira frase “Observa a sensação” (não sei se é porque sou neta de psicanalista e desde pequena convivi nestes meios de comportamento e arte que prezam e incentivam a auto-observação), mas NUNCA entendia essa maldita frase! Pelo amor de Deus, se você está com raiva a última coisa que você quer ouvir é isso! Você quer matar o primeiro que vier pela frente ou a própria pessoa que tá dizendo isso! Não quer observar @#$%&* nenhuma! Então a gente quer sentir aquilo ali até gastar (isso pra não entrarmos no mérito da TPM). Pois bem, o problema é que na maioria vezes isso não gasta, e sim, desgasta! Você perde grande parte da sua energia e, vem cá, adianta alguma coisa?

Foi num retiro de silêncio de 10 dias, onde não podía ler, escrever, ouvir música, ter relações sexuais, mímicas, contato visual ou qualquer outro contato que não fosse comigo mesma, que descobri o sentido desta frasesinha! Depois das 12 horas diárias de meditação (técnica de respiração do 1º Budah, Sidarta Gautama), a noite acontecia uma palestra com o guru Goenka, e numa dessas ele contava sobre a diferença entre ação e reação sob as situações de fortes sensações e emoções. E é atraves desta explicação que vou compartilhar pequenas dicas poderosas com vocês:

1. Respire

Parece abstrato e chato, mas as consequências são reais. É tanta correria que a gente se esquece da importância de respirar fundo. Já viu um bebê que está chorando e vai para o colo da mãe e para? Quando ele deita no peito da mãe, começa a ouvir os batimentos cardíacos e começa a respirar junto com ela. Quando você respira seu corpo oxigena o cérebro, o deixando turbinado, você se acalma e começa a ver a situação mais nítida e, ao mesmo tempo que fica relaxada, também fica sutilmente atenta.

2. Observe a situação

O que é real? O que está acontecendo aqui? Vai adiantar eu ficar esperneando, me criticando ou descontando no outro? Vou continuar sem controle disso ou vou tomar uma providência? Observe-se!

Dúvida: Como superar a insegurança?

Dúvida: Tenho muitos planos, mas minha insegurança me impede.

3. Analise e faça sua escolha

Ação é diferente de reação. Quando você reage, você está reagindo a alguma coisa, ou seja, se estiver num momento de raiva, euforia ou tristeza, você alimenta esses sentimentos (e os sentindo, no modo automático) e eles crescem deixando você sem o controle de si própria. Quando você age, você tem consciência e pode fazer escolhas: vou continuar fazendo esta cena ou vou curtir a situação consciente de que eu estou no comando? Não tem nada mais chato do que ficar de vítima da circunstância! Se não tá dando certo, chorar não vai adiantar (sou a favor de chorar e desabafar, mas ficar se lamuriando não vai levar ninguém a lugar nenhum). Quando não enxergamos a situação repetimos diversas vezes esse comportamento e ficamos num ciclo vicioso que acaba se refletindo em varias áreas da nossa vida.

4. Tome iniciativa

Agora que você já tem consciência e livre arbítrio, pode olhar a situação de outra perspectiva, não vai se deixar afetar tanto, vai agir muito mais rápido alinhando cabeça e coração sem precisar mandar seu chefe para ir Conchinchina ou tirar as calças pela cabeça até ficar exausta quando não achar algum documento. Você simplesmente toma uma atitude diferente da que está tendo. Você fica muito mais eficaz, não perde tempo e energia, conquista seus objetivos mais facilmente e ainda sobra tempo para ajudar o outro. Assim podemos ter razão (consciência) e sermos felizes.

Dúvida: Eu sinto que minha confiança evaporou quando saio com determinada turma de amigos, é normal?

Dúvida: Pq eu sinto que minha amiga compete comigo a todo tempo?

Foto: www.pinterest.com/superelaoficial

@ load more