Receba nossos e-mails incríveis
NOVO App Clube Superela!! ♥
Pergunte e converse anonimamente
Amor Sexo Autoestima Corpo Vida Carreira & Finanças Beleza Estilo Vídeos
Escreva seu texto
Receba nossos e-mails incríveis

Leia temas do seu interesse:

/

[+18] A RUIVA DO METRÔ

Jose Lucio

Colunista Superela

Mais textos

Era só mais um final de tarde comum. A noite já acariciava os prédios de São Paulo e eu, como sempre, distraído, passava os olhos pelo telefone enquanto esperava o metrô. Dois passos à frente e resolvo olhar para o lado, sem querer acabo esbarrando em alguém.

-Desculpa!

-Não, imagina moço, a culpa foi minha.

Disse a ruiva arrumando o cabelo atrás da orelha e curvando o olhar tímido, enquanto a luz da estação ressaltava as sardas em sua face, que mais pareciam gotas de chuva em um botão de rosa branca. Entramos no vagão e era como se pudessem explodir uma bomba ao meu lado que mesmo assim eu não ligaria. Eu já estava hipnotizado pela moça com a inocência mais perversa que eu conheci em toda a minha vida.

– Então, o que você faz da vida? Perguntou.

– Escritor, respondi.

– Nossa, nunca conheci um Escritor, que legal. E escreve sobre o que?

– Sobre o que eu vivo. Ou sobre experiências que eu gostaria de ter vivido. E você o que faz da vida?

– Me deixou curiosa agora. Eu estudo enfermagem. Estou no 5º semestre.

– Hm, Enfermeira? Quer dizer que gosta de cuidar das pessoas?

– Gosto. Disse ela, mais uma vez arrumando os fios atrás do ouvido.

Perguntei se era solteira e ela me respondeu que sim, retribuindo o questionamento. Fiz sinal de positivo com a cabeça. O ar do ambiente estava gelado, mas o meu sangue corria tão quente quanto a cor madeixas da chapeuzinho vermelho, que de ingênua só tinha a risada.

– Está indo pra casa?

– Sim, eu disse. Mas estou a fim de uma cerveja. Topa?

– Pode ser! Quem sabe eu não me torne inspiração para um texto seu? Em meio a gargalhadas desconfiadas.

PARTICIPE: Subindo pelas paredes. É normal?
PARTICIPE: Encontro com o boy – dicas

Já havia escurecido. Descemos na estação da Consolação e seguimos até o bar mais próximo. 2 cervejas depois e muita conversa jogada fora, ela me indaga:

– Qual o seu nome? Ainda não perguntei isso. Estou na rua com um desconhecido!

– Lúcio, prazer! E o seu? Espera, deixa eu adivinhar. Antônia? Seus olhos estão me dizendo que você se chama Antônia. Acertei?

– Não, Lívia. Também acho Antônia bonito, mas me chamo Lívia, respondeu com um sorriso.

Curvou os ombros sobre a mesa, virou o copo de cerveja em um gole e me indagou:

– E ai escritor? O que mais meus olhos te contaram?

Agora toda a inocência já havia descido goela abaixo, junto com a bebida, e era ela quem me comia com os olhos.

Respondi com a mão na nuca e a minha língua na dela, brincando de provocar o instinto animal que estava dormindo naquele corpo até então.

– Vamos para outro lugar que eu te conto.

O tesão já marcava a minha calça e não tínhamos mais pra onde escapar. Enquanto nos amassávamos, tropeçando nas cadeiras do estabelecimento, entramos no banheiro feminino e ela trancou a porta na mesma velocidade em que abriu meu zíper e abocanhou meu pau, sedenta. Peguei-a por um punhado de cabelos e a levantei com os braços, enquanto a escorava na gélida parede de azulejos brancos que se confundia em meio a sua cor.

A saia preta preferiu não atrapalhar e caiu sozinha enquanto eu apertava seu seio esquerdo e chupava o outro fugidos de um decote cavado. Em seguida, adentrei-a sua caverna doce e úmida com a minha boca enquanto ela gemia e apertava minha mão tão forte que as unhas chegaram a rasgar a minha pele. Coloquei-a sentava sobre o meu colo, sem tirar o sapato. Ela se movimentava como uma exímia amazona. Vai e vem, na engrenagem perfeita do meu movimento com o dela. Era como se atrás daquela porta, tivéssemos deixado todos os problemas, o pudor e todas as gentilezas.

– Me fode, me fode gostoso. Vai, não para. Ela sussurrava quente ao pé do meu ouvido ao mesmo tempo em que suas unhas abriam caminho pelas minhas costas.

Eu a levantei sobre o meu corpo. 1, 2, 3, 4, 5, 6. Era encantadora a forma como ela explodia de prazer. Gozamos de forma tão prazerosa que acabamos perdendo o equilíbrio e caímos sentados no chão. Com o peito já suado, minha corrente de prata contrastava com o vermelho suave do cabelo dela. Era como se fosse o sol batendo na janela qualquer de um prédio. O final da tarde que morava no corpo dela esvaiu toda a minha energia.

Nos limpamos, saímos dali e pagamos a conta. Ainda meio amarrotados, ela me deu um beijo de despedida, sacou um sobretudo da bolsa e foi embora, envolta pelo casaco como se ele fosse a própria noite. Negou-se a me dar o telefone ou esboçar qualquer sorriso que pudesse me convidar para qualquer outra coisa, mesmo a contra gosto da dona. A enfermeira sabia a doze certa para anestesiar aliviar o desejo e tornar o pouco de saudade que ela havia deixado em veneno.

Nunca mais a encontrei por aí, mesmo passando pela estação sempre que possível. Talvez ela só quisesse algumas páginas dos meus cadernos. E quem sabe, ela fosse mais má e atriz que o lobo esperto que eu sempre me gabei de ser.

Receba no seu e-mail dicas/textos sobre Sexo ♥

MAIS: SEXO É UM ATO POLÍTICO. EMPODERE-SE!
MAIS: [+18] MIRELLA: A MULHER QUE SORRI COMO O DIABO

Imagem: pinterest.com/superelaoficial


Área especial sobre Orgasmo Feminino

Sabia que a gente tem uma área especial sobre Orgasmo Feminino com muitas dicas, técnicas, fotos e vídeos?

Veja uma prévia do que espera por você

Você ainda poderá participar do nosso grupo fechado no Facebook e tirar dúvidas com uma Sex Coach, além de falar sobre o assunto com outras mulheres!

Vamos nessa? 😉

Acessar o especial Orgasmo Sozinha

Jose Lucio

Colunista Superela

Mais textos

Leia temas do seu interesse:

/

Leia temas do seu interesse:

/

E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada!

Recebemos seu pedido de cadastro e enviamos a você um email com o link para você confirmar o recebimento dos nossos emails.

Por favor, acesse seu email e click no link de confirmação.


Click aqui para voltar ao site.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES conteúdos do Superela.
Você vai adorar ❤
Vamos ser amigas? :)
Warning: Unknown: Failed to write session data (wincache). Please verify that the current setting of session.save_path is correct (D:\local\Temp) in Unknown on line 0