Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Em tempos de crise, não existe um grupo ou outro que precisa prestar atenção em dinheiro: todos parecem ser afetados, de uma forma ou de outra. Porém, quando se fala em finanças é verdade que o gênero – isto é, feminino e masculino – ainda tem um peso e tanto.

Acredite ou não, as mulheres lidam com alguns problemas relacionados a dinheiro que os homens simplesmente não precisam nem pensar. Para eles, é esses gastos ou problemas simplesmente não existem, enquanto para elas é apenas parte da cultura que privilegia o masculino e vê a mulher como inferior.

1.Diferenças de salários

Uma das maiores brigas da causa feminista é a diferença de salários entre homens e mulheres. Segundo a Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe, as mulheres podem receber até 25,6% menos do que os homens pelo mesmo trabalho. Isso significa que, por exemplo, para cada 100 reais que um homem ganha, uma mulher recebe em torno de 83,9 reais.

No Brasil, a situação é ainda mais preocupante. De acordo com a Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico, um estudo liberado no final do ano passado mostrou que, dentre 46 países, o Brasil tem a maior diferença entre os gêneros. Por aqui, o salário de uma mulher com educação superior completa representa apenas 62% do salário de um homem com a mesma escolaridade.

2.A famosa ‘taxa rosa’

Essa é polêmica (e com razão): você sabia que paga uma taxa especial – entenda um valor a mais – toda vez que compra um produto considerado feminino? Pois bem. Um estudo feito pelo Departamento de Consumo de Nova York, nos Estados Unidos, mostrou que os artigos considerados ‘para mulheres’ (pense em shampoos, produtos de depilação, maquiagem, roupas e até brinquedos infantis) tem um custo até 7% maior do que os produtos masculinos.

A maior diferença fica justamente com os produtos de higiene básica: um preço 13% acima do normal para os produtos femininos. E isso, claro, não é exclusivo dos Estados Unidos. É fácil simplesmente ir a uma farmácia e compara o preço de gillettes para homens e mulheres e comprovar que, realmente, ser mulher é muito mais caro do que se imagina.

3.Mais gastos com a saúde

Saiba: se ganhar salários menores e ainda pagar a mais por produtos do dia a dia não é o suficiente, as mulheres ainda gastam até 40% a mais por serviços de saúde nas Américas, segundo a ONU.

A questão é que as mulheres gastam milhares de dólares (e reais) com métodos anticoncepcionais e produtos relacionados à saúde feminina (como absorventes). Não só isso, mas o fato das mulheres engravidarem e, consequentemente, precisarem de um acompanhamento maior nessa época, faz com que o valor do seguro saúde seja mais alto.

4.O poder do relacionamento abusivo

Um relacionamento abusivo pode acontecer de diversas maneiras – a agressão física é apenas uma forma – e, verdade, ele também pode afetar os homens. Porém, é fato que as mulheres são maioria quando se fala nesse tipo de situação e uma artimanha muito usada para controla-las é o dinheiro.

Em casos de relacionamento abusivo, é comum o homem controlar a conta bancária do casal, ou da mulher caso cada um tiver a sua, e manter a rédea curta na forma como ela usa o dinheiro.

Até mesmo por isso, muitas mulheres têm dificuldades de saírem de um relacionamento desse tipo, já que, sem acesso a qualquer dinheiro que seja, elas não se sentem capazes de abandonar o lar.

Imagem: Pinterest

@ load more