Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Encontrar uma pessoa que abala nossas estruturas – de maneira positiva, é claro – entre tantas que esbarram com a gente dia após dia durante nossa caminhada não é algo que acontece toda hora. São tantos desencontros que “a busca” parece interminável, mas quando finalmente encontramos alguém que nos tire o fôlego, que faça nossas pernas tremerem, que prenda o pensamento um dia inteiro e ainda venha com o bônus de um beijo bom e uma conchinha que se encaixa perfeitamente, parece que travamos. Ficamos com medo e inventamos as desculpas mais mirabolantes possíveis para correr feito loucos para o lado contrário. Parece que o nosso sensor de sobrevivência começa a apitar como se dissesse: “não se apaixone, é uma armadilha!“. E muitas vezes nós ouvimos, mesmo que inconscientemente.

Simplesmente deixamos ir aquela pessoa que poderia ser o futuro amor da nossa vida porque o trabalho consome toda a energia, porque a gripe pegou de surpresa, porque a faculdade tá muito corrida, porque nos finais de semana finalmente é dia de descansar e encontrar os amigos e ficar trancado em um quatro por quatro em plena luz do dia – a não ser que seja por conta de uma puta ressaca, não parece uma ideia favorável no auge dos 20 e poucos anos, não é?

Copos de vodca com energético ao som de uma música alta que não dá pra identificar ao certo se é boa ou ruim parecem muito mais interessantes do que beber vinho barato em uma caneca de plástico, olhando uma puta lua na laje com uma boa companhia? Daquelas que o papo flui gostoso independente do assunto, pois com ela até cirurgia digestiva vira razão para risadas incontroláveis e noites memoráveis.

nãoseapaixone

Porque o medo de que aquele olhar que parece apaixonado espere mais do que podemos oferecer se instala como um vírus que vai tomando conta de tudo e daí é que ele – o medo – se instala de vez e não dá chance para as várias possibilidades que poderiam vir além de um olhar apaixonado. Às vezes nem é tudo isso que você imagina, talvez seja apenas um bem querer, uma vontade de estar junto sem se importar se é dia de semana, se o quarto é pequeno, se tá calor demais e o ventilador tá quebrado, se dormiu no meio do filme ou se está entrando água pela janela no meio da noite. Então fugir parece a solução mais viável – e mais segura. O medo de tentar fazer com que dê certo parece te proteger como um escudo dos possíveis futuros aborrecimentos da vida de casal. Com isso, você vai apenas mergulhar um pouco mais no vazio da solidão.

Quem se importa com esses detalhes quando a vontade de estar perto é maior do que a vontade de ir embora? Por que seria melhor valorizar um vestido colado ou um perfeito delineado ao invés de um cabelo bagunçado e um lençol amassado no dia seguinte? A verdade é que não existe dia ruim, trânsito, distância, gripe, maremoto ou tempestade quando existe vontade. Porque como sempre digo e insisto em repetir: quem quer arruma um jeito, quem não quer arruma desculpa e perde momentos e pessoas incríveis pelo medo de se entregar.

Se apaixonar é como saltar em uma piscina gelada: no começo parece assustador, mas depois você vê que se não tivesse pulado, teria perdido toda a diversão. Se arriscar em uma paixão arrebatadora às vezes é bom, não tem contra-indicações, revigora e pode te tirar do marasmo. É deixar acontecer ao invés de inventar porquês, é parar de inventar desculpas e ser o motivo do sorriso bobo no meio do dia de alguém agora, antes que esse alguém se canse de esperar e simplesmente vá embora pra deixar pra trás apenas o arrependimento de tê-la deixado passar…

Imagem: Pinterest

@ load more