Receba nossos e-mails incríveis
NOVO App Clube Superela!! ♥
Pergunte e converse anonimamente
Amor Sexo Autoestima Corpo Vida Carreira & Finanças Beleza Estilo Vídeos
Escreva seu texto
Receba nossos e-mails incríveis

Leia temas do seu interesse:

/

Síndrome da Abelha Rainha e a competição feminina

Ana Canosa

Colunista Superela

Mais textos

Mais conhecida no ambiente de trabalho, a síndrome da abelha rainha diz respeito as mulheres com sucesso profissional, que normalmente exercem cargos de liderança, mas que não se interessam em cooperar com outras mulheres, chegando, às vezes a infernizá-las. Em ambientes de trabalho predominantemente masculino, uma abelha rainha não vai favorecer o desenvolvimento profissional de uma colega – normalmente, se isolam e são pouco colaborativas.

Sua competitividade é direcionada às outras mulheres, movidas pelo inconsciente desejo de afastar uma feminilidade que ela julga incompatível com o sucesso profissional. Trocando em miúdos: na tentativa de minimizar os efeitos psicossociais que as mulheres podem sofrer em ambientes masculinizados marcados por desigualdade de gênero, como o assédio sexual, barreiras na progressão de carreira e exclusão das redes de informação, desconsideração de ideias e opiniões, estresse, desigualdade salarial, entre outras, procuram se proteger adotando um “modelo masculino”, também bastante estigmatizado, afastando de si traços considerados “femininos”.

Para as abelhas rainhas, colegas que, de alguma maneira, privilegiam a vida familiar e amorosa tanto quanto a profissional, ou que são preocupadas com bem-estar dos outros no ambiente de trabalho, são encaradas como frágeis e menos competentes. São chefes que não desenvolvem empatia com os sentimentos de outras mulheres, dobrando, inclusive, a sua carga de trabalho e exigindo cada vez mais. Uma abelha rainha acredita que se ela for “feminina” (ou o que se considera socialmente) ela perde oportunidades na carreira e por isso tenta anular o fato de ser mulher.

São as relações de trabalho com abelhas rainhas que reforçam uma crença social de competitividade destrutiva entre mulheres. Quantas vezes você já ouviu que é melhor ter “um chefe homem”, que as mulheres são mais cruéis, fofoqueiras, traidoras e pessoas com quem você não pode contar? Mito. Inverdade. Existem estudos que demonstram que ambientes de trabalho predominantemente femininos (sem abelhas rainhas) tendem a ser mais agradáveis e igualitários.

Mas de onde vem essa crença no tal “gene da maldade feminina”?

competição feminina 1

Assista Cinderela que você vai entender: mulheres aprenderam a rivalizarem, umas com as outras, para serem as escolhidas dos homens. Perseguem características de gênero delineadas pela cultura para se enquadrarem em um feminino que conquiste algo: seja um bom casamento, uma projeção social, financeira ou profissional. Então, se é para vencer a disputa e ser a “escolhida no baile” vale tudo: ser bondosa, generosa, prendada e linda; seduzir mas não se deixar tocar, saindo correndo à meia-noite plantando o desejo no outro.

Como se não bastasse ter tanto trabalho assim em se moldar a um modelo asfixiante de embotamento criativo, vale também cortar os próprios dedos ou calcanhares para tentar calçar enfim o sapatinho de cristal que não é seu (lembra das meias-irmãs de Cinderela?), o símbolo máximo da castidade feminina (tão frágil que só algo do tamanho certo cabe lá dentro).

A madrasta de Cinderela é uma verdadeira abelha rainha, assim como a da Branca de neve. Diminuíam e humilhavam aquelas que mais se aproximavam de um modelo desejado, tramando toda a sorte de crueldade.  Uma versão machista da mulher que tinha “algum” poder e que só beneficiava um grupo: o dos homens.

Enquanto as mulheres se estapearem por razões que for, seja de ciúmes pelos homens que supostamente acreditam que tem, seja pelas ideias que defendem e se contrapõem, seja pelo modo de vida, religião que professam ou orientação sexual diferente, estaremos todas aprisionadas e perdendo a melhor parte da vida: a colaboração, o fortalecimento e o aprendizado que podemos ter uma com as outras. Uma vida sem “missão”, que não favoreça só você, mas que também impulsione o outro, definitivamente, não vale a pena. Vamos nos unir!

 Imagem: Divulgação

 

Ana Canosa

Colunista Superela

Mais textos

Leia temas do seu interesse:

/

Leia temas do seu interesse:

/

E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada!

Recebemos seu pedido de cadastro e enviamos a você um email com o link para você confirmar o recebimento dos nossos emails.

Por favor, acesse seu email e click no link de confirmação.


Click aqui para voltar ao site.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES conteúdos do Superela.
Você vai adorar ❤
Vamos ser amigas? :)