O que você procura?

Se você usa o Twitter com certeza viu uma hashtag que levanta uma discussão muito pertinente para o mundo atual: #precisamosfalarsobreaborto. A legalização do aborto é um tema que gera discussão e polêmica desde sempre, mas a questão vai muito além de ser a favor ou contra, é de direito sobre o próprio corpo.

Por isso, o ONG Think Olga, os grupos Gorda & Sapatão, Ativismo de Sofá e o site Justificando criaram a hashtag para promover, por 24 horas, uma discussão sobre o tema nas redes sociais, contando com transmissões ao vivo com a participação de profissionais da área, outros coletivos feministas, como o Lugar de Mulher, e a secretaria-adjunta de direitos humanos da Prefeitura de São Paulo. E por que hoje? Porque neste dia 28 de setembro acontece o Dia Latino-Americano pela Descriminalização do Aborto, ou seja, um dia em que o assunto é levantado para acabar com a visão de que aborto é crime.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, no país acontecem mais de 1 milhão de abortos clandestinos por ano, o que tornou o procedimento um problema de saúde pública: muitas vezes, as mulheres se submetem à tratamentos que são uma verdadeira carnificina e que colocam em risco as próprias vidas. Não à toa, por aqui essa é a quinta causa de morte mais comum entre as mães.

No Brasil, de acordo o Código Penal definido em 1940, o aborto somente é permitido em casos de estupro, anencefalia (quando o feto não desenvolve o cérebro) e risco de vida da mulher. Ainda assim, é comprovado que o fato de o aborto não ser legalizado no Brasil não impede que ele ocorra.

A questão é que muitas mulheres que recorrem ao procedimento ilegal não têm condições financeiras de recorrerem à uma clínica particular e que faça um tratamento com o mínimo de segurança para a mulher. Por isso, é comum ouvirmos casos de mulheres que ficam com sérias sequelas, precisam ser internadas ou morrem por conta da forma como o procedimento é feito.

Um ponto que muitas pessoas insistem em discutir é quando o feto já é considerado uma vida: é no momento da fecundação ou depois que todos os membros estão desenvolvidos? E, em um país católico como o Brasil, a questão da religião tem um peso grande, de forma que o papel histórico da mulher de ser responsável por gerar e cuidar da família é um fator determinante.

https://www.facebook.com/quebrandootabu/videos/1206176759438709/

Independentemente dos motivos ou justificativas. O Estado, ou seja, o governo, precisa pensar na população de forma laica, não ligada à religião e presando o seu bem, acima de tudo – e usar a crença ou questões pessoais para discutir um tema que é de saúde pública já não é mais aceitável a essa altura do campeonato.

Outro ponto importante é: legalizar o aborto não torna a prática obrigatória para ninguém. Pelo contrário, apenas coloca na mesa a opção de escolha da mulher – e o que ela quer fazer com o próprio corpo. Ser obrigada a gerar um filho apenas por questões sociais e religiosas não é saudável para ninguém, nem para a mãe e nem para a criança.

Toda mulher merece ter o direito de escolha sobre o que quer fazer com o próprio corpo, ter um filho ou não ter um filho, abortar ou não abortar, e é por isso que o tema ser tratado de forma isenta pelo governo é tão importante. A questão vai muito além do gênero e do que os homens acreditam ser o papel da mulher sociedade. É uma questão de direito sobre o corpo, algo que, se os papéis fossem trocados, jamais se tornaria um tabu tão grande.

Superela quer que você também pense sobre o assunto e participe da discussão: o que você acha sobre legalizar o aborto?

Imagem: Pinterest


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Qual tema você gostaria de ver aqui?
A gente escreve sobre o que você quiser e ainda manda no seu email :)
Obrigada!
Recebemos sua sugestão.

Hey, você já conhece o Clube Superela? Lá você pode perguntar o que tem vontade anonimamente :)