O que você procura?

“O verdadeiro caráter de uma sociedade é revelado pela forma como ela trata suas crianças.”

É com a frase de Nelson Mandela, um dos grandes pensadores de nossa época, que o médico Daniel Becker abre seu TEDx, de nome “Crianças, já para fora!”. A palestra, de junho de 2015, vai de encontro com um um tema bastante atual: a polêmica dos estabelecimentos childfree ou “livre de crianças” em sua tradução literal.

A jornalista Carol Patrocínio já falou sobre o termo em seu texto: Na internet virou cool odiar crianças. O que deu errado na nossa sociedade? (você ler na íntegra aqui).

“Começou como um movimento que pretendia questionar a obrigação social de ter filhos que é imposta a todas as pessoas. No Brasil (não sei como é no resto do mundo), o movimento foi se modificando e hoje fala sobre não gostar de crianças, como se isso fosse uma coisa normal e aceitável — imagina falar que não gosta de pessoas negras ou com deficiência? A descrição da página Somos Childfree, desde 2015 no Facebook e que hoje une mais de 91 mil pessoas, é: “Página CHILDFREE pra quem NÃO quer ter filhos E/OU não curte bebês e nem crianças. Sejam bem-vindos!”. “Não curte bebês e nem crianças”. Não curte um grupo específico de PESSOAS.”

Quando um restaurante ou hotel se diz childfree significa que o local rejeita a entrada de crianças, muitas vezes em respeito à tranquilidade dos demais clientes. O debate voltou a ganhar força depois que a internauta Debora Oliveira publicou uma foto da placa do restaurante Underdog, em São Paulo.

A post shared by @underdogbar on

Se fizermos um recorte para analisar as crianças mais pobres do país, seguindo a teoria de Mandela nós temos um péssimo caráter. Muitas delas sequer têm direitos básicos como saúde, educação, moradia e na maioria dos casos, são expostas à violência desde pequenas. Por outro lado, segundo Daniel, até as crianças mais privilegiadas são maltratadas pela sociedade.

Na palestra, ele fala sobre “os sete pecados capitais contra a infância” e como os pais podem fazer para melhorar a convivência dos filhos em sociedade. Apesar de os problemas passarem por diferentes questões como parto, amamentação e até passeios ao shopping, em síntese, o médico reforça que as crianças de hoje em dia precisam de mais presença e precisam desesperadamente ser compreendidas e isso vale tanto para os pais quanto para os estabelecimentos.

Opiniões das mães sobre o Childfree

A Carina e a Camila tiveram que voltar a trabalhar antes de terminar a licença maternidade. Apesar de eu só ter conversado com duas mães, essa é a realidade da maioria das mulheres no Brasil. As duas tiveram muito apoio das avós, mas também é sabido que nem todo mundo tem esse suporte.

A Manoela, filha da Carina, hoje com 20 anos, era uma criança esperta, mas bem levada. Em casa, seu esporte preferido era escalar as estantes e ela era o terror das lojas de decoração. A solução que Carina encontrou para inserir a Manu em sociedade foi seguir os conselhos do pediatra e respeitar os limites da criança. “A criança sente o frio do ar-condicionado, ouve muito o barulho. E na verdade, se a criança tá chorando tanto assim é que ela queria estar em outro lugar”, afirma.

Já a Ana Clara nunca deu muito trabalho para a Camila. Mesmo assim, ela tentava adaptar os programas de acordo com as necessidades da Ana. Quando foram para a Disney, ela fez o roteiro fora da agência e decidiu ir aos parques dia sim, dia não. Outra família que estava no mesmo hotel, se programou para ir aos parques todos os dias da viagem. A criança? Reclamou de cansaço.

As mães concordam que o bom senso deve ser um grande medidor na hora de decidir os locais adequados para os filhos. “A grande questão é que as pessoas sempre julgam: se você está em uma festa com som alto com o bebê, te acham relaxada. Se você não vai à festa por causa do bebê, te acham superprotetora e fresca. Então, o negócio é fazer o que você acha certo e ponto final”, disse Camila. Já sobre os lugares em que há mesmo a restrição de childfree, a Carina acha que tem que respeitar as regras do lugar.

Segundo o doutor Daniel, é importante dar limites, mas os pais devem fugir da superproteção: “A gente sabe que a importância dos limites e do ‘não’ são formas fundamentais de amor, que a gente precisa dar pros nossos filhos e a gente está perdendo essa oportunidade. Ao invés disso, a gente faz o que os americanos chama de “helicopter parenting“. A gente se interpõe entre a experiência dos filhos e o mundo, fazendo com que eles justamente não tenham experiência da vida e não tenham mecanismos de lidar com a frustração, dor, dificuldades e certamente a vida vai entregar para eles mais tarde”.

Você pode ver a palestra na íntegra logo abaixo:

Imagem: Instagram


E qual a sua opinião sobre o assunto? Já conhecia o termo Childfree? Comente abaixo:

 


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Qual conteúdo você gostaria de ver no Superela?
A gente escreve sobre o que você quiser e ainda manda no seu email :)
Obrigada!
Recebemos sua sugestão.

Hey, você já conhece o Clube Superela? Lá você pode perguntar o que tem vontade anonimamente :)