Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Você tem dificuldades para ganhar adeptos aos seus projetos? Em ser assertiva em suas negociações?

Você não está sozinha!! O traço de personalidade que os psicólogos chamam de empatia descreve o quanto você está motivada para se dar bem com outras pessoas. Pessoas empáticas, em geral, são percebidas como sendo gentis, simpáticas, cooperativas e harmoniosas. No entanto, se você é muito agradável, esse comportamento às vezes pode impedi-la de manter seus próprios interesses.

Sempre que pedimos algo no trabalho, corremos o risco de receber um “não” como resposta. Há também a possibilidade de desagradar ou incomodar a pessoa que estamos fazendo o pedido. Para evitar isso, muitas vezes podemos nos esquivar de fazer questionamentos para não incomodar.

Isso pode ser um grande problema!

Algumas pesquisas sugerem que as pessoas agradáveis, por vezes tidas como “boazinhas” ou “super legais”, tendem a ganhar menos dinheiro do que pessoas agressivas (mesmo considerando o fato de pessoas agressivas perderem seus empregos com mais frequência). E em papéis de liderança, pessoas passivas demais podem não ser tão boas em conseguir para suas equipes todos os recursos de que precisam.

Então, o que você pode fazer para ser mais assertiva, mesmo quando não for da sua personalidade fazê-lo? Preparei abaixo algumas dicas!

Dicas para ser mais assertiva no trabalho:

1. Saia da defensiva

assertiva

 

Você precisa efetuar algum pedido? Precisa advogar em causa própria, mas não para de pensar no “não”? Respire alguns minutos, controle a ansiedade e mantenha o foco no resultado que você precisa obter. Existem diferentes maneiras para se obter um sim. A primeira delas é a forma como você formula seu pedido. Seja precisa e pontue com firmeza os motivos pelos quais você deve ter sua solicitação atendida.

Frases defensivas como “um tipo de”, “uma espécie de”, “tecnicamente” podem parecer “embromation” e reduzir a credibilidade do seu discurso. Frases defensivas e uma postura corporal retraída fazem você parecer menos confiante e impedir que você consiga obter o que deseja.

Por exemplo, quando dizemos a alguém que uma análise está “praticamente feita” ou “mais ou menos feita”, estamos afirmando que a análise não foi feita e que não temos certeza dos números que estamos apresentando.

Alguns hábitos linguísticos comprometem nossa credibilidade e podem ser um verdadeiro tiro no pé. Seja o mais direta e objetiva possível. Afirmações como “Eu preciso …” ou “Eu quero …” normalmente irão levá-la muito mais longe. Os tomadores de decisão na sua organização não poderão ajudá-la, a menos que você indique claramente o que precisa. Para ser bem sucedida explique por que tal solicitação é tão importante, sem rodeios. Mesmo que você receba um não no primeiro momento, provavelmente será melhor vista e poderá receber ajuda no futuro.

2. Trate seu pedido como uma primeira impressão

assertiva

As pessoas são influenciadas não apenas pelo conteúdo de certas declarações, mas também pela confiança com que são apresentadas, e o mesmo é verdadeiro com os pedidos.

Todas as lições que aprendemos sobre como conhecer novas pessoas também se aplicam quando estamos pedindo algo. Recentemente escrevi um artigo aqui no Superela, com dicas para causar uma boa impressão. Já sabemos que olhar as pessoas nos olhos e dar um aperto de mão firme ajudam. Use sua inteligência emocional de forma a influenciar seus interlocutores. Fale de forma clara e audível, faça contato visual e aja como se você esperasse cooperação com eles.

Atualmente à frente da Vittude, startup da qual sou fundadora, preciso fazer pedidos bem delicados. Uma das minhas atribuições enquanto CEO é captar investimentos. Para conseguir atenção e até mesmo um horário na agenda de um investidor, preciso ser extremamente direta. Em um e-mail, por exemplo, comunico apenas o necessário, duas ou três linhas no máximo. Falo quem sou, o que faço, digo que quero falar com ele ou ela sobre investimento e pergunto se pode me receber tal dia e hora. Sim, já mando a minha disponibilidade e aguardo a resposta. Para algumas pessoas, isso pode parecer agressivo, mas é a forma mais assertiva de fazer. Aprendi com o tempo!

Em uma apresentação, também preciso ser simples e rápida, preciso de tanto, para ser usado em x,y e z ações e ao final de tantos meses teremos esse resultado. Em geral, tenho de 3 a 5 minutos para convencer o investidor a prosseguir para um segundo passo comigo, por isso, não há espaço para enrolar.

Talvez um excesso de gentileza faça você adotar uma abordagem mais casual. Por favor, resista a esse desejo. É importante projetar a expectativa de que seu pedido será levado a sério. A confiança pode aumentar as chances de que ele seja realmente.

3. Tenha um bom motivo para o pedido

assertiva

Você ficaria surpresa com quantas pessoas esquecem dessa dica. Não precisamos dar uma explicação longa e prolongada sobre o motivo pelo qual estamos pedindo determinados recursos, mas uma argumentação clara da necessidade ou do propósito da solicitação é fundamental para ser assertiva.

Uma boa razão (não apenas qualquer motivo) também ajuda a reforçar o caso para sua solicitação. É sempre útil para que as pessoas entendam não apenas o que você quer, mas porque você quer.

O truque, no entanto, é manter seu pedido curto. Quando você diz de forma simples e objetiva o por que seu pedido importa, as pessoas assumem que você realmente pensou nisso. Se enrolamos ou somos prolixas ao estruturamos nossa argumentação, muito provavelmente nossa solicitação parecerá apenas uma bobagem e não teremos a atenção devida.

4. Lembre-se: o NÃO você já TEM

assertiva

Quando preciso pedir algo, sempre parto do princípio que o “NÃO” eu já tenho e parto para a ação. Não tenha medo de ouvi-lo, isso faz parte do jogo.  Vocês não fazem ideia da quantidade de nãos que já recebi. O mais importante é manter o foco e a objetividade. E se receber um não, use a resposta como aprendizado para a próxima tentativa. Reflita, onde poderia ter sido melhor? Como posso fazer na próxima vez? Tenho melhorado o meu discurso com base nos feedbacks dos primeiros contatos. A cada não, analiso as perguntas e respostas que recebi, avalio genuinamente se consegui responder tudo que me perguntaram, e trabalho para refinar a cada dia os argumentos utilizados.

Não se esqueça que as pessoas que atuam como guardiões de recursos sabem que seus colegas vão pedir-lhes coisas. Parte do trabalho de gerenciar uma equipe é determinar como alocar esses recursos. Os gerentes desses papéis esperam ter que gerenciar esses pedidos.

Isso significa que você não está fazendo nada inadequado quando se aproxima de alguém com um pedido. Isso também significa que eles geralmente não ficarão irritados com você se eles tiverem que dizer “não”.

É provável que seus colegas estejam fazendo o melhor para gerenciar os recursos da organização. Em outras palavras, não é pessoal!

Se isso ajuda você a tornar-se mais assertiva, lembre-se de que seus gerentes e supervisores não se sentem incomodados ao pedir que você faça as coisas. Então, você não deve se sentir mal em solicitar os devidos recursos para seu trabalho.

Toda organização tem metas que seus membros da equipe são responsáveis ​​por cumprir. Não pedir o que você precisa dificulta  o atingimento das suas metas. Nesse sentido, evitar o debate ou as solicitações provavelmente será a pior coisa que você pode fazer por você!

5. Procure um coach

assertiva

Tradução: muito a aprender você ainda tem.

A dificuldade em argumentar e influenciar as pessoas ao seu redor está realmente incomodando e comprometendo seus resultados no trabalho? Um processo de coaching pode ajudá-la a trabalhar pontos como suas crenças limitantes, autoestima e até mesmo técnicas de influência. Um bom coach poderá conscientizá-la de aspectos do seu comportamento que atrapalham seu sucesso. Particularmente gosto muito de técnicas de “role play”, que nada mais são do que adotar um formato de teatro. Simulações, onde é possível treinar, em ambiente controlado, determinadas situações que surgirão no ambiente de trabalho. Em trabalhos de grupo, essa técnica é super eficaz. Teatros de feedback e teatros de vendas, por exemplo, ajudam, e muito, a praticar e otimizar a nossa capacidade de influência.

Por fim, recomendo a leitura de um livro que também pode ajudá-la. Como Chegar ao Sim – A Negociação de Acordos Sem Concessões, do Willian Ury. Este livro oferece uma estratégia comprovada, concisa e detalhada para se chegar a acordos mutuamente aceitáveis em toda negociação – quer envolvam pais e filhos, vizinhos, empregadores e empregados, cliente e empresas, inquilinos e diplomatas. O livro diz como: separar as pessoas do problema, concentrar-se nos interesses e não nas posições, trabalhar junto para criar opções que satisfaçam às duas partes e obter êxito na negociação com pessoas que são mais poderosas, recusando-a a ceder às pressões ou a recorrer a truques sujos.

Imagem: Dimex Photography


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Qual conteúdo você gostaria de ver no Superela?
A gente escreve sobre o que você quiser e ainda manda no seu email :)
Obrigada!
Recebemos sua sugestão.

Hey, você já conhece o Clube Superela? Lá você pode perguntar o que tem vontade anonimamente :)