O que você procura?

dona flor e seus dois maridos

Divulgação

Baseado no clássico de Jorge Amado, Dona Flor e Seus Dois Maridos, livro homônimo, parece não se cansar de ter sua história adaptada para diferentes versões. E ainda causa muito ‘furdunço’ por onde passa.  A versão dirigida por Pedro Vasconcelos (O Concurso), protagonizada por Juliana Paes, Leandro Hassun e Marcelo Faria, traz uma versão que aborda um longo caminho de quebra de tabu pela frente. Um caminho necessário e que, de forma didática, percebemos a responsabilidade maior da direção, que é não se afastar do propósito do filme: emancipação feminina e liberdade sexual.

Flor é uma professora de culinária apaixonada pelo esposo, um fanfarrão chamado Vadinho que, devido aos excessos, morre precocemente. O tempo se passa e algum tempo depois Flor se casa com Teodoro, um pacato farmacêutico da cidade. Flor é uma mulher cheia de vida, jovem e que apesar de ter vivido uma vida bastante intensa ao lado de Vadinho, sente a necessidade de prosseguir naturalmente. Mas, insatisfeita, traz o espírito de Vadinho de volta. Mas é a aí que começam os questionamentos: o espírito de Vadinho realmente voltou ou ele é uma manifestação da necessidade de Flor de se libertar sexualmente? Felizmente, há espaço para as duas suposições.

O longa traz Juliana Paes demonstrando uma Flor ingênua e que pouco a pouco vai se libertando das amarras sociais, as mesmas que dizem não para o seu desejo. Para sua força interior e para tudo que a define como mulher comum, normal, passiva dos surtos de intensidade e calor que habita em todas nós.

dona flor e seus dois maridos

Divulgação

A maneira como Pedro Vasconcelos leva a história torna a discussão do filme bastante relevante e atual, mesmo sendo uma história que se passa em 1940, porém, algumas falhas devem ser pontuadas.

Vamos lá!

É muito tênue a linha entre romantização da violência doméstica e o comparativo entre uma relação intensa sexualmente falando, mas infeliz no dia a dia e o inverso, feliz no dia a dia e inexistente na cama. Ou seja, é como se abrisse um ponto, o da violência doméstica, e depois ele ficasse lá aberto, sem ter sido tratado novamente com objetividade. Na verdade, a sensação é exatamente o inverso, já que as sequências trabalham a saudade e a falta que o falecido faz, como se a vida com ele tivesse sido perfeita em todos os aspectos. Relacionamento abusivo fellings total.

E aí eu levanto o questionamento: mesmo se tratando de uma história que se passa nos anos 1940, não seria papel do cinema tratar essas questões? Nesse caso, o cinema poderia funcionar como uma ferramenta de prática social?

Veremos mais na frente.

Outro ponto de observação é a direção de fotografia e a trilha sonora. A fotografia repete algumas vezes a mesma técnica de contraluz quando aborda os protagonistas Flor e Vadinho, sempre em cenas românticas e enfatiza demais o olhar erotizado da personagem de Juliana Paes. Aliás, nudez é algo bem comum durante todo o filme, e tudo bem, a questão que eu levanto é como essa nudez é transmitida para o público.

No caso do Marcelo Faria, é sempre uma nudez natural, planos abertos e sem foco de efeito sensorial, efeito de luz ou câmera deslizando lentamente pelo seu corpo. O que é exatamente o contrário do que acontece com a Juliana Paes. E é aí que entra o ponto da trilha sonora, sempre repetindo Maria Bethânia cantando  “É o amor” , ou seja, olha a receita: a mesma música, luz praticamente natural e muito contraluz, câmeras deslizando no corpo da Juliana fazendo com que o espectador sinta aquela cena com mais intensidade.

Bom, se você pensou em uma versão mais apimentada de uma novela da globo, acertou em cheio!

dona flor e seus dois maridos

Divulgação

O segundo e último ponto em relação à trilha é relacionado ao Leandro Hassun, que diferente da atuação da Juliana, não convence no papel de Teodoro. Ele se esforça, mas a trilha parece querer se aproveitar da veia cômica e logo estamos vendo o mesmo Leandro Hassun e suas caras e bocas novamente. Aquele mesmo do Domingo à tarde ou do Zorra Total. Pois é, não convence! Porém, se a ideia era trazer um ar cômico, funciona. É como se ele fosse o núcleo cômico da novela. Ou melhor, do filme.

Por fim, vale destacar uma crescente a partir do terceiro ato e é aí que toda a mensagem do filme vai fazendo sentido. Sim, no final das contas, o filme é uma ferramenta de prática social. Ele coloca a Dona Flor em um papel que poderia ser de qualquer mulher, a dualidade entre o que somos ou queremos ser na maioria das vezes contra o que a sociedade exige de nós. O papel é mostrar que essas realidades podem coabitar na realidade de qualquer mulher.

Ou seja, Dona Flor e Seus Dois Maridos de 2017, dirigido pelo Pedro Vasconcelos, é diferente das versões anteriores justamente por isso: por dialogar diretamente com o universo feminino e trazer uma mensagem baseada na ideia de que em cada uma de nós vive o bom e o ruim, mas que a busca pelo equilíbrio é o mais importante no final das contas.

Assista ao trailer aqui!

Ficha técnica:

Título: Dona Flor e Seus Dois Maridos (Original)
Ano: 2017
Direção: Pedro Vasconcelos
Estreia nacional: 2 de Novembro de 2017
Gênero: Comédia/Romance
Nacionalidade: Brasileiro
Roteiro: Jorge Amado; Pedro Vasconcelos
Produtores: Marcello Ludwig Maia, Marcelo Faria e Pedro Vasconcelos
Elenco: Juliana Paes, Leandro Hassum, Marcelo Faria, Cassiano Carneiro, Dandara Mariana, Duda Ribeiro, Fábio Lago, Haroldo Costa, Nívea Maria…

Imagem: Divulgação/Dona Flor e Seus Dois Maridos


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Qual conteúdo você gostaria de ver no Superela?
A gente escreve sobre o que você quiser e ainda manda no seu email :)
Obrigada!
Recebemos sua sugestão.

Hey, você já conhece o Clube Superela? Lá você pode perguntar o que tem vontade anonimamente :)