Receba nossos e-mails incríveis
NOVO App Clube Superela!! ♥
Pergunte e converse anonimamente
Amor Sexo Autoestima Corpo Vida Carreira & Finanças Beleza Estilo Vídeos
Escreva seu texto
Receba nossos e-mails incríveis

Leia temas do seu interesse:

/

Deixe o meu cabelo em paz!

Tamara Pinho

Colunista Superela

Mais textos

Quando eu tinha 12 anos, minha mãe chegou em casa e me viu toda vermelha porque eu tinha pintado o cabelo com papel crepom. Nesse momento ela disse que se eu queria pintar o cabelo que fizesse direito e me levou no salão. Desde então já fui ruiva, loira, morena, loira de novo, já pintei o cabelo de verde, de roxo, já tive cachos, muitos cachos, mas há mais de 10 anos eu tenho cabelos “lisos”.

Sim eu não escondo de ninguém que sou escrava da chapinha e que já cheguei atrasada em alguns lugares porque precisa de arrumar o cabelo antes de sair. Raras são as pessoas que já viram meu cabelo “natural” – porque nem eu mesmo lembro como ele é. Se me perguntarem qual a cor dele, acredito que seja um castanho claro, mas saber mais do que isso já é forçar a barra.

Quando eu comecei a usar o meu cabelo liso, foi uma escolha minha, não foi influência da TV ou de amigos. Foi porque eu queria e gostava de me ver assim.  Hoje em dia estamos vencendo a ditadura da chapinha, o que eu acho ótimo, pois já vi muitas pessoas que fazia escova, progressivas e afins apenas por vergonha do seu cabelo natural.

Deixe o meu cabelo em paz! 2

O problema é que muitas pessoas não entendem que ter o cabelo liso, seja por procedimentos químicos, por chapinha, por qualquer coisa, pode ser uma escolha pessoal. Do mesmo jeito que não temos que impor que o certo são os cabelos lisos, temos que respeitar quem escolhe isso (leia sobre isso aqui).

Há pouco mais de um ano eu estava em um salão que frequento desde nova, quando a cabeleireira, que sempre me atendeu, ficou durante todo o procedimento tentando me convencer a deixar o meu cabelo natural. Desde então, nunca mais voltei la.

O que ela não entende é que a escolha de ter o cabelo liso, de fazer progressiva, de secar, de passar chapinha, de pintar, de descolorir, de pintar de preto, ou de fazer qualquer outra coisa é minha – e só eu sei o que eu sinto em relação a ela.

O meu cabelo, liso, cacheado, azul, rosa, qualquer cor, qualquer forma, é meu, então quem deve saber como deixar ele sou eu. Se eu quiser cortar ele, as pessoas podem dizer sua opinião, mas isso não quer dizer que eu vá escutá-las.

Deixe o meu cabelo em paz! 1

Então deixem o meu cabelo em paz! Se eu escolhi que ele vai ser assim é porque eu me sinto bem com ele assim. Deixem o cabelo de todo mundo em paz! Não é porque estamos vencendo a ditadura da chapinha que todo mundo é obrigado a soltar os seus cachos. Que fique claro que eu acho cabelo cacheado lindo, mas no meu cabelo sou eu quem decido o que é melhor fazer. E todo mundo deveria seguir isso também. Não tenha vergonha do seu cabelo, não tenha vergonha de sair com ele molhado, mas também não tenha vergonha de dizer que você prefere fazer progressiva todos os meses. Tenha orgulho do seu cabelo do jeito que ele é, porque só você sabe o que ele significa para você.

Imagem: Pinterest

Tamara Pinho

Colunista Superela

Mais textos

Leia temas do seu interesse:

/

Leia temas do seu interesse:

/

E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada!

Recebemos seu pedido de cadastro e enviamos a você um email com o link para você confirmar o recebimento dos nossos emails.

Por favor, acesse seu email e click no link de confirmação.


Click aqui para voltar ao site.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES conteúdos do Superela.
Você vai adorar ❤
Vamos ser amigas? :)
Warning: Unknown: Failed to write session data (wincache). Please verify that the current setting of session.save_path is correct (D:\local\Temp) in Unknown on line 0