O que você procura?

Globeleza vestida. Se você acompanhou a internet no último domingo, dia 8, com certeza viu essas duas palavras rechearem a timeline. Pela primeira vez na sua história, a Globo criou uma vinheta do Carnaval, com a sua tradicional Globeleza, em que a dançarina Erika Moura aparece vestida e não mais nua com o corpo pintado e cheio de glitter.

Pode parecer uma coisa mínima, mas a vinheta já foi considerada uma das melhores da história da emissora pelos internautas, e tudo isso por um motivo muito simples: não só ela deixa de colocar o corpo feminino como um destaque, como também celebra tantas outras culturas brasileiras.

Ter uma Globeleza vestida mostra como evoluímos quando o assunto é o feminismo – por mais que pareça não existir uma ligação entre as duas coisas. Se a ideia é vermos homens e mulheres como iguais e não mais termos as mulheres como inferiores e apenas como objetos que estão presentes apenas para servir aos prazeres do outro, é, sim, um motivo de comemoração ver a dançarina mais famosa do país com roupas – e o melhor, de diferentes comprimentos e estilos.

Aqui no Superela, nós já falamos inúmeras vezes, e de muitos jeitos diferentes, que o corpo feminino é apenas da mulher. Isso significa que ela é a única que tem direito e poder de decisão sobre o próprio corpo. A relação com a Globeleza vestida é que, ao invés dela ser colocada para o público como um objeto sexual, um corpo a ser cobiçado pelos homens e invejado pelas mulheres, ela é apenas mais uma representante da nossa cultura. A emissora mostra, assim, que ela não exige mais que uma mulher tire a roupa para representar algo que marca um país inteiro, entende? Ou seja, ela coloca o poder de decisão sobre o corpo na mão da mulher mais uma vez.

E, a partir disso, entramos no segundo ponto desse texto: a importância da combinação da Globeleza vestida com outras culturas. O Brasil é um país enorme e muito diverso e acreditar que o samba carioca como o conhecemos é unanimidade por aqui é, no mínimo, uma ingenuidade. Por isso, é preciso celebrar as diferentes formas de comemoração e de folclore que marcam o nosso território, passando pelo frevo e pelo Bumba meu boi. É uma questão de representatividade. Quem não samba, mas dança frevo vai se sentir representado ali.

2017 mal começou e já provou ser um ano incrível. Uma Globeleza vestida é um passo e tanto para uma luta de décadas, que não quer mais ver a mulher e o seu corpo meramente como objetos sexuais, sobre os quais qualquer um – menos ela própria – tem poder.  Fora que o talento de Erika, que representa todas as danças brasileiras, fica ainda mais em evidência e merece mais espaço ainda. A sua beleza é apenas mais um traço que representa o nosso país.

Com uma vinheta como essa, dá até mais vontade para celebrar o Carnaval, você não acha? Você gostou da nova vinheta com a Globeleza vestida?

Imagem: Reprodução/Rede Globo


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)