Receba nossos e-mails incríveis
NOVO App Clube Superela!! ♥
Pergunte e converse anonimamente
Relacionamento Sexo Autoestima Corpo Trabalho&Dinheiro Beleza Estilo Entretenimento Girl Power!
Escreva seu texto
Receba nossos e-mails incríveis

Leia temas do seu interesse:

/ / / / /

Finalmente uma mulher como protagonista em Doctor Who. Mas por que isso importa?

Marcela De Mingo

Colunista Superela

Mais textos

Jodie Whittaker. Mesmo que você nunca tenha ouvido falar sobre essa atriz, com certeza viu o seu nome pipocar nas redes sociais no último domingo, dia 16. Isso porque ela foi anunciada como a nova protagonista da série Doctor Who, uma das mais clássicas e tradicionais da BBC e um marco na cultura geek.

Pode parecer algo comum ver um nome ser anunciado para o elenco de uma série. Acontece todos os dias. Porém, com Jodie Whittaker é diferente. Com Doctor Who é diferente. Quem não conhece a série precisa entender que essa é uma atração que, entre indas e vindas, está no ar há 54 anos. E todos os protagonistas até agora foram homens.

Acontece assim: Doctor Who acompanha um ser de outro planeta, chamado Timelord, que acredita ser o único restante da sua espécie. Ele criou para si a função de ‘doutor’, ele ajuda as pessoas como pode, universo afora, viajando na sua Tardis. Para isso, ele conta com acompanhantes, que, na maioria das vezes, são mulheres. Agora, porém, parece que o jogo virou.

O 13º doutor é, na verdade, uma DOUTORA, e isso é incrível porque mostra como o mundo está, de fato, mudando. O doutor de Peter Capaldi, o último a interpretar o personagem, teve muitas falas que indicaram que esse seria o próximo passo e é, mesmo, um motivo para comemorar.

Doctor Who e os gritos de ‘who run the world? GIRLS!’

Para nós, que já somos adultas, ver essa mudança acontecer é incrível porque estamos vendo a história acontecer bem diante dos nossos olhos. Mais incrível do que isso, porém, é que existe toda uma geração de meninas e meninos que estão crescendo com uma outra referência de gênero, bem diferente da nossa.

Para toda uma nova geração, a Mulher Maravilha é a heroína com a maior bilheteria do Brasil para filmes de super-herói, superando alguns clássicos como Batman, Homem-Aranha e Os Vingadores. Para essa mesma geração, o filme d’Os Caça-Fantasmas é inteiro protagonizado por mulheres. Essas crianças também vão ver um filme sobre 11 homens e um segredo só com mulheres. E agora um Doutor que também é mulher. É uma mudança de paradigma, percebe?

As mulheres estão tendo mais espaço e isso é incrível. Incrível, principalmente, porque não significa que as crianças estão aprendendo que as mulheres são melhores que os homens, apenas que homens e mulheres têm igual importância no mundo. Acontece que, até agora, essa importância era inexistente porque o masculino sempre foi mais importante que o feminino.

Essas mulheres que estão fazendo sucesso no cinema e ajudando a redefinir a sociedade como a conhecemos, estão sendo tão amplamente reconhecidas porque estão recebendo o destaque que merecem só agora, em pleno 2017.

É óbvio que, no caso de Jodie Whittaker, muitos fãs da série chiaram – principalmente os homens. É de se esperar que eles achem que uma mulher como protagonista não faz jus à série e a sua proposta. Como uma fã gigantesca de Doctor Who, posso dizer que fiquei animadíssima para voltar a ver a série, justamente por causa dessa protagonista. E imagine quantas mulheres vão começar a assistir por esse mesmo motivo.

Foram 54 anos de série até agora e um mínimo de 12 atores (fora participações extras e especiais além série) a interpretarem o papel. Porque a escolha de uma mulher seria motivo de tanta discórdia, se não pelo fato de ser uma mulher? Ela tem a mesma profissão que os demais e, com certeza, talento o suficiente para o papel.

Os homens que choram têm uma visão muito limitada das coisas. Para eles, é uma  ofensa uma mulher interpretar um papel historicamente masculino. Eles falaram que a série vai ficar ‘cheia de sutiãs’ e ‘altamente emotiva’, mas isso é apenas a perpetuação de um estereótipo, de que as mulheres são inferiores, menos capazes e muito mais ligadas ao emocional do que os homens. E o que é isso, se não uma visão machista do mundo? E você lembra que o machismo rola solta no mundo geek, né?

Então, sim, a gente comemora a escolha de Jodie Whittaker como o 13º doutor. E vamos esperar ansiosamente pela sua primeira aparição no especial de fim da ano, em dezembro. Ficamos mais felizes ainda pela possibilidade de público que essa escolha vai trazer e por toda a geração que já nasce cantando como Beyoncé: who run the world? GIRLS!

Imagem: Reprodução / Doctor Who


O que você achou da escolha de Jodie para o papel principal em Doctor Who?

 

Marcela De Mingo

Colunista Superela

Mais textos

Leia temas do seu interesse:

/ / / / /

Leia temas do seu interesse:

/ / / / /

E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada!

Recebemos seu pedido de cadastro e enviamos a você um email com o link para você confirmar o recebimento dos nossos emails.

Por favor, acesse seu email e click no link de confirmação.


Click aqui para voltar ao site.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
OS MELHORES conteúdos do Superela
uma vez por semana no seu email!
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)