O que você procura?

Ao buscar a palavra “homofobia” no Google, o que aparece logo é seguida é: “no Brasil”. Segundo dados levantados pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), no ano passado foram mortas 343 pessoas LGBT no nosso país. O grupo faz esse levantamento há 37 anos, e em 2016 o resultado foi o mais alto até então. Isto quer dizer a cada 25 horas, a homofobia faz mais uma vítima no Brasil. Se você pensar que em 1990 a homossexualidade era considerada uma doença, não parece que avançamos tanto assim.

homofobia-02

Mas, será que uma pessoa heterossexual pode ajudar no combate à homofobia? A resposta é sim. Atualmente os movimentos sociais levantam muitas discussões. Por exemplo, de vez em quando a gente bate na tecla que homem não pode ser feminista. Então não seria a mesma coisa para o movimento LGBT? A resposta para esta pergunta também é sim.

É que acontece o seguinte: a gente diz que não pode porque os homens não sabem o que passa uma mulher; assim como os heterossexuais não sabem o que passa um homossexual. Você, hetero, nunca será hostilizado por andar de mãos dadas, por dar um abraço ou um beijo em quem você ama. E isso é só o começo. Isso não significa que você não possa ter empatia pela causa e faça o principal de tudo: reconheça seus privilégios.

Após muitos anos de descriminação, é dever dos privilegiados (heterossexuais, brancos, cisgêneros, homens…) dar voz às minorias. É por isso que existem canais específicos para a mulher, por exemplo, como esse site lindo que você está lendo. Para que a gente tenha liberdade de debater temas que por muito tempo nos foram proibidos. Com essa reflexão, surge a necessidade de diferenciarmos identidade de luta. Ou seja, você não precisa ser algo para lutar a favor deste grupo. Desde que você respeite uma coisinha chamada lugar de fala.

O lugar de fala ou lugar de fala significa que a pessoa que sofre preconceito fala por si, como protagonista da própria luta e movimento. No caso da luta contra a homofobia, é preciso deixar que as pessoas LGBT ocupem seus postos de liderança e mostrem o caminho do movimento de acordo com as suas vivências. Afinal, ninguém mais adequado do que quem já passou pela experiência de sofrer homofobia para saber como combatê-la.

No dia a dia, existem pequenas coisas que você pode fazer para ajudar o universo LGBT. Primeiro, lembre-se de que essa sigla possui quatro letras por um motivo. Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transsexuais. Ou seja, não está liberado “aceitar um, e o outro não”. Em segundo lugar, não fique com receio, nem sempre seus amigos gays querem te pegar. Nem mesmo os bissexuais.

Em segundo lugar, nunca, de maneira alguma apoie um homofóbico. Principalmente se for na política, já que eles podem tomar decisões cruciais para a vida de certas minorias. Você tem mesmo é que botar a cara no sol para proteger as manas! Sejam elas conhecidas ou não. E por último, não crie estereótipos dos seus amigos gays. Nem todo mundo curte Beyoncé e bater cabelo… mas se você me chamar eu vou, hein?

 


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤