Receba nossos e-mails incríveis
NOVO App Clube Superela!! ♥
Pergunte e converse anonimamente
Amor Sexo Autoestima Corpo Vida Carreira & Finanças Beleza Estilo Vídeos
Escreva seu texto
Receba nossos e-mails incríveis

Leia temas do seu interesse:

/ /

Meu corpo, minhas regras. Não deles!

Luisa Rodrigues

Colunista Superela

Mais textos

Meu corpo, minhas regras.” Àqueles que condenam essa frase, peço que separem 5 minutos de seu dia para ler esse texto. Coloque seu preconceito na gaveta, seja humilde, esteja aberto a novas ideias. Tente entender o lado da mulher. Se você for homem, se coloque no lugar dela.

meu corpo, minhas regras

💃 Leia gratuitamente nosso novo eBook de autoestima: 18 formas de dizer “Eu sou incrível!”. Faça o download agora aqui »

A mulher, por um tempo, sequer sabia o significado de “meu corpo, minhas regras”

Quero que você pare por um segundo e reflita sobra a maneira como o corpo feminino vem sido tratado. Na maioria das vezes, seja pela publicidade, pelos filmes, pela indústria da moda ou até mesmo pelas pessoas, nosso corpo é alvo de objetificações.

Nossa resistência e saúde física não é levada tão a sério. Nossa “fragilidade” abre portas para abusos como o estupro, por exemplo. E nós fomos educadas, por anos, a não comentar sobre isso. E a culpa, em pleno século 21, ainda acaba sendo “nossa”.

Nunca conseguimos ser, plenamente, donas de nossos próprios corpos

meu corpo, minhas regras

O termo “meu corpo, minhas regras” é relativamente novo. Afinal, há tempos não somos donas de nossos corpos. A mulher que está gorda não pode querer isso, que automaticamente é desleixada. A modelo que já pesa menos que duas de mim tem que ficar um dia antes de atravessar a passarela sem comer absolutamente nada, do contrário a roupa não cabe. A atriz é obrigada a emagrecer quase sempre para fazer um filme.

meu corpo, minhas regras

O corpo feminino sempre recebeu ordens, e a única situação onde não houve qualquer tipo de pecado com relação à gestação foi Maria, que engravidou de Jesus ainda virgem. O correto para uma mulher é engravidar apenas depois do casamento, uma união oficializada aos olhos de Deus. Antes disso, ela deve permanecer pura. Ou seja, até a decisão de quando engravidar não é dela, mas da sociedade.

Tudo o que o homem pode, a mulher nunca pôde

meu corpo, minhas regras

A violência contra a mulher e o machismo se tornaram naturais. Por muito tempo ninguém se escandalizava quando falavam que mulher era burra e só servia para pilotar o fogão. Quando queremos mostrar nosso corpo, somos mal faladas. Vazam nudes do Stênio Garcia e sua esposa e, é claro, a internet atacou a esposa. A mulher que afirma “meu corpo, minhas regras” é praticamente rechaçada.

Porém, graças a Deus, esse tipo de comportamento está mudando. E devemos isso ao Feminismo. Mas não é dele que vou falar hoje.

Belas, recatadas e do lar

meu corpo, minhas regras

Desde pequenas, somos ensinadas a não ter prazer, a não mostrar o corpo e não ter amor próprio o suficiente. Quem sai de qualquer uma dessas linhas se torna a culpada de seu próprio estupro, por exemplo. Além disso, meninas que têm seus nudes vazados, por exemplo, sofrem tanto com a pressão dos comentários que acabam entrando em profunda depressão, ou até mesmo tentam suicídio.

meu corpo, minhas regras

Agora, pense no homem. Pense no poder que a sociedade confere a ele. A mulher só engravida se ELE não usar a camisinha. Ele pode ter o corpo que quiser, e pode trair também porque é de sua natureza. Pode transar a hora que quiser porque isso faz dele um garanhão. Ele sim sempre pôde falar “meu corpo, minhas regras“.

Até pouco tempo atrás, ele podia bater em sua esposa porque o jantar estava demorando para ficar pronto. Ele podia forçar o sexo antes de dormir porque homens precisam que suas esposas o satisfaçam diariamente. E de vez em quando, nem elas bastam. O marido que passa aids para esposa porque a traiu não acredita que ele foi o portador. O namorado que engravida a menina pergunta “quem é o pai”, porque acha que ela transou com outro, ou acredita que a responsabilidade não é dele.

meu corpo, minhas regras

Pais podem abandonar seus filhos, a história já comprovou que isso é normal. A mãe que abandona pode até ser presa, dependendo das circunstâncias. Um homem que não quer ter filhos pode pular de casamento em casamento, e inclusive deixar a responsabilidade nas mãos da esposa. A mulher que não quer ter filhos está negando uma graça divina que é a capacidade de gerar uma vida.

O corpo é dela. A sensação é dela. E as regras deveriam ser também.

meu corpo, minhas regras

A mulher engravida. O homem não. Ela passa mal, o corpo passa por mudanças, existem casos em que o repouso deve ser absoluto. Não é fácil. Mas ele nunca vai saber isso. Nunca vai saber como é engravidar sem querer, ter que passar 9 meses carregando uma criança que ainda não é desejada, enquanto a sociedade olha feio de volta. Nunca vai entender que, se a parceira cair fora, quem vai continuar tendo que cuidar é ele.

Nunca vai saber o que é a dor de um parto, mas mesmo assim quer que a mulher tenha o neném de forma natural, porque a cesariana é muito invasiva. Não vai se encontrar em uma situação constrangedora e repressora toda vez que tiver que amamentar fora de casa. Nunca vai entender a necessidade de tirar licença, e não vai saber ter paciência para esperar o corpo voltar ao normal.

O corpo é dela, mas as regras ainda são deles

meu corpo, minhas regras

Quando se olha para a história do mundo e da sociedade, fica mais fácil entender o motivo pelo qual as pessoas abominam tanto o aborto. Desde sempre, o corpo da mulher nunca foi dela. Suas decisões sempre foram tomadas por outras pessoas. Ainda não se aceitou o fato de que ela é dela, e ponto final.

Se o homem engravidasse, o aborto seria legalizado com certeza. Ele sempre teve o poder. Quase nada que ele faz está errado. Porque um aborto seria? Além de ter o poder de decidir quando transar, e com quem, ele poderia também escolher se vai arcar com a gravidez ou não. Se ele pode decidir se vai assumir uma criança ou não, é claro que ele poderia decidir se teria um filho, ou não. Para ele, a frase “meu corpo, minhas regras” SEMPRE existiu.

meu corpo, minhas regras

Um pai que tem coragem de abandonar a esposa com o filho não é mais legítimo que uma mulher que decide abortar.

Pense nisso.

Luisa Rodrigues

Colunista Superela

Mais textos

Leia temas do seu interesse:

/ /

Leia temas do seu interesse:

/ /

E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Um email por semana só com o melhor conteúdo do Superela
Você vai adorar ❤
Obrigada!

Recebemos seu pedido de cadastro e enviamos a você um email com o link para você confirmar o recebimento dos nossos emails.

Por favor, acesse seu email e click no link de confirmação.


Click aqui para voltar ao site.
Não perca mais nenhuma novidade!
PGlmcmFtZSBzcmM9Imh0dHBzOi8vd3d3LmZhY2Vib29rLmNvbS9wbHVnaW5zL3BhZ2UucGhwP2hyZWY9aHR0cHMlM0ElMkYlMkZ3d3cuZmFjZWJvb2suY29tJTJGU3VwZXJlbGFPZmljaWFsJTJGJnRhYnMmd2lkdGg9NTIwJmhlaWdodD0yMjAmc21hbGxfaGVhZGVyPWZhbHNlJmFkYXB0X2NvbnRhaW5lcl93aWR0aD10cnVlJmhpZGVfY292ZXI9ZmFsc2Umc2hvd19mYWNlcGlsZT10cnVlJmFwcElkPTE3MTExNDI3NjM4MDkzNiIgd2lkdGg9IjUyMCIgaGVpZ2h0PSIyMjAiIHN0eWxlPSJib3JkZXI6bm9uZTtvdmVyZmxvdzpoaWRkZW4iIHNjcm9sbGluZz0ibm8iIGZyYW1lYm9yZGVyPSIwIiBhbGxvd1RyYW5zcGFyZW5jeT0idHJ1ZSI+PC9pZnJhbWU+
Curta o Superela no Facebook ❤
teste
teste
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.