O que você procura?

Esses dias eu parei para dar um tempo à minha cabeça e ansiedade e fui ler um artigo intitulado “Um olhar sobre corpo e moda em psicanálise” (sim, esse é o meu jeito de relaxar). Ele tenta explicar e questionar a relação entre a moda e a necessidade que nós temos do olhar do “outro”. Em determinado momento, o artigo passa a tratar do imenso poder que a mídia e a publicidade detêm sobre nós e cita um conto chamado ‘a nova roupa do rei’.

A nova roupa do rei é a história de um rei muito vaidoso e fútil que não dava a mínima atenção aos súditos.

roupa

Um dia, ele ficou sabendo da chegada de dois costureiros capazes de criar uma roupa mágica. De acordo com eles, a roupa só era visível para pessoas verdadeiramente inteligentes. O rei, por sua vez, pensava que com uma roupa assim poderia identificar e contratar apenas pessoas competentes para lhe servir.

Obviamente isto era lorota e os dois costureiros eram farsantes querendo o dinheiro do rei. Quando a roupa ficou pronta, ele mesmo não enxergou o traje, mas recebeu muitos elogios dos demais nobres e criados (todos cheios de medo de parecerem ignorantes) e saiu para desfilar sua roupa. Contudo, na verdade, estava usando nada mais que apenas suas ceroulas. Todos continuaram fingindo ver a roupa nova do rei, até que uma criança apontou o dedo e disse: “Vejam, o rei esqueceu de colocar a roupa“. Assim, todos souberam que o rei havia sido enganado.

Os pontos que quero levantar graças ao conto são:

a roupa do rei era uma novidade para somente os inteligentes, entregando certo status para quem a usasse (o rei). Era uma espécie de tendência que o rei estava disposto a aderir apesar dele mesmo não enxergar a própria roupa. E, mesmo também sem ver roupa alguma, os súditos fingiam a existência desta como de fato bonita e parabenizavam o rei por agora possui-la.

São pontos muito parecidos com o que vemos na vida real. Para ostentar um status, famosos, influencers e ídolos teen usam qualquer coisa que grandes estilistas lhes empurram goela abaixo. E nós, consumidores mortais sem fama propriamente dita, com medo de sofrermos represálias caso questionemos a existência de beleza e valor em qualquer roupa usada por um famoso, apenas concordamos que é algo bonito e mascaramos o nosso “ranço” diante alguma produção, com frases do estilo “Eu não usaria, é preciso ter muita atitude!“.

A real questão é: nós de fato aderimos à tendências e concordamos com estas por elas combinarem conosco, ou só estamos seguindo o curso da manada?

roupa

Você já usufruiu de uma tendência passageira e meses depois sentiu vergonha de ter colocado aquilo em seu corpo? Eu já. Calças legging com listras brancas são umas das minhas vergonhas da moda. Eu tinha catorze anos na época, então mereço um desconto. Mas isso não muda o fato de que calças legging com listras estavam “em alta” e foram deixadas de lado pouco tempo depois, com certeza porque não era mais possível suporta-las.

O estilo é a essência de alguém. É o conjunto de características pessoais, todas agrupadas para serem transmitidas pelas roupas. Entretanto, nós não podemos negar que muitas vezes deixamos nosso estilo pessoal de lado para aderir ao do outro. Talvez porque seja muito difícil admitir que NEM TODAS AS TENDÊNCIAS SERVEM PARA TODO MUNDO!

Não há nada de errado com esse fato.

Está tudo bem, ele só é difícil de ser assimilado porque as tendências surgem das pessoas mais “cool” da sociedade, e nós queremos ser “cool” porque necessitamos do olhar do outro e o outro busca pelo que é “cool” no grupo dele.

Mas também não há nada de errado em torcer a cara para uma tendência e dizer que algo é feio quando realmente é! A moda vive de reciclar tendências ou mesmo criar novas e, na busca desesperada por novidade, ela nos entrega produções sem pé e nem cabeça.

É possível fugir das tendências que não fazem o seu tipo e ainda assim atrair o olhar do outro. Primeiramente, você entende que nem tudo ficará bem em você (ou em ninguém). Em segundo lugar você compreende o seu estilo pessoal e suas vestimentas devem girar em torno deste, assim você consegue filtrar as tendências que verdadeiramente são para você. Em terceiro, é preciso lembrar que estamos em 2017 e todos nós entendemos bem o poder da mídia, como ela funciona e que nada será de fato agradável visualmente só porque um ator bonitinho diz que é.

Imagem: Reprodução/Marie Claire EUA


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤