O que você procura?

Quem nunca teve medo da rejeição que atire a primeira pedra. Só de imaginar receber um ‘não’ do crush ou daquele emprego dos sonhos, você sua frio, fica sem saber como agir e com a sensação de que fez alguma coisa muito errada.

Segundo o psicólogo Guy Winch, é difícil pontuar exatamente onde esse medo da rejeição surgiu, mas tem muito a ver com os nossos antepassados. Lá atrás, na Idade da Pedra, os caçadores sabiam que não poderiam sobreviver sozinhos, longe do grupo, por isso desenvolveram um mecanismo para tentar evitar esse ostracismo: é daí que vem a rejeição, um gatilho para quando alguém estava prestes a ser descartado pelo grupo. Quanto mais profundamente ele sentia isso, mais a pessoa adaptava o seu comportamento para ficar na tribo – e acabava passando para a geração seguinte essa informação através da genética.

Esse sentimento é muito mais antigo do que a gente imagina, e ainda assim é presente no nosso dia a dia. Nem dá para imaginar que algo tão antigo seja exatamente isso, antigo, porque todo mundo sente rejeição em um ponto ou outro da vida. Por isso mesmo, é complicado pontuar um único caso em que a rejeição aparece na história de alguém.

Mas saber de onde vem a rejeição não é a saída

O maior problema da rejeição é que ela tem um tipo de impacto emocional que pode causar um trauma na vida de uma pessoa. Pense na criança que é sempre a última a ser escolhida para os times de esportes na aula de Educação Física ou na menina que nunca conseguiu um primeiro encontro.

Todas as vezes que você é rejeitada, você sente uma dor comparável à dor física. Isso porque esse sentimento ativa o mesmo lugar do nosso cérebro que controla as dores do corpo – e é por isso que a rejeição dói tanto. Quando você se sente rejeitada, ativa aquela genética milenar de precisar fazer parte do grupo, mas também segue uma tendência humana de falar ainda mais mal de si mesma quando você percebe que passou por uma situação dessas.

Sabe quando você tenta chamar o carinha para sair, e recebe um ‘não’ como resposta ou é ignorada completamente? Você não olha para isso e pensa ‘ok, ele só não quer sair, bola para frente’. A gente pensa que não deveria ter nem tentado, que foi muito besta em achar que ele toparia, que ninguém nunca vai gostar de uma mulher atirada desse jeito (o que, além de tudo, é machismo), você tem certeza que vai ficar sozinha para sempre e que você é horrível. Isso cria um loop de pensamentos que atacam diretamente a sua autoestima – é impossível você se sentir bem consigo mesma no meio desse enrosco.

Como fazer para lidar com a rejeição?

Agora vem a verdadeira resposta para a pergunta de um milhão de dólares: como fazer para lidar com a rejeição e evitar que ela aconteça novamente? Para isso, você precisa, antes de mais nada, entender um ponto muito importante:

A rejeição não tem nada a ver com você

Eu sei, parece totalmente absurdo. Mas vem comigo nessa: a gente se sente rejeitada porque acredita que a gente tem um problema, que alguma coisa está acontecendo com a gente que nos colocou numa posição inferior. Tem muito a ver com comparação, porque a gente sempre vê que o cara não quis namorar com a gente, mas quis namorar outra menina.

Para isso, Guy explica em um artigo escrito para o TED Ideas que você precisa ter zero tolerância com pensamentos de autocrítica. Você fica remoendo coisas ruins sobre você e esquece de olhar analiticamente para a situação. Se você recebeu um ‘não’ de uma entrevista de emprego ou de um pretendente é 100% de certeza que isso tem muito mais a ver com a outra pessoa do que com você.

A gente esquece de olhar para uma premissa importante: seja o crush ou o empregador (vai saber se não é os dois, né?) tem uma ideia em mente do que eles precisam e querem. Se você não está 100% alinhada com o que eles esperam para a empresa ou o relacionamento, é apenas natural que eles continuem buscando alguém que entre nesse perfil, certo?

Dito isso, tem um segundo ponto importante:

Rejeição pode ser um indício do caminho certo.

Quando eu fui demitida do meu antigo emprego, eu lembro de me sentir muito rejeitada. Na hora aquele parecia o pior momento da minha vida. Mas, no fim das contas, foi a melhor coisa que me aconteceu. Eu entendi que não tinha mais nada a ver trabalhar onde eu estava, que eu poderia tentar coisas novas e não ficar tão apegada à ideia de fazer apenas uma única coisa. Essa rejeição foi um indício do caminho que eu deveria seguir.

A questão é que a gente fica tão focada em pensar mal da gente mesma, no quanto a gente queria tal coisa mais foi rejeitada, que não vê que essa rejeição pode ser uma janela que se abriu para te mostrar uma coisa noiva. A gente não vê o contexto, e fica remoendo sentimentos ruins.

É óbvio que a sua autoestima também é um fator importante nessa equação. O tanto que você pensa mal de você é diretamente proporcional ao quanto você se sente rejeitada. Trabalhar a sua autoestima e o seu amor próprio são uma saída para essa sensação também.

Você não precisa começar fazendo coisas mirabolantes ou usando táticas complicadas. Basta, primeiro, barrar os pensamentos críticos que surgem na sua cabeça. E, segundo, lembrar do quanto você é importante. Porque você é importante em todos os momentos.

A gente já disponibilizou aqui algumas frases de amor próprio que podem te ajudar a lembrar dessa sua importância, mas um truque que Guy explica no seu texto é o de escrever qualidades que você têm e que são positivas sempre que passar por isso. Depois, escolha duas delas e faça um parágrafo (de verdade, com papel e caneta e não só na sua cabeça) sobre o porquê essas qualidades são importantes para o mundo. Vale a tentativa, você não acha?

Se pararmos para pensar logicamente, é impossível todo mundo ser aceito em tudo o tempo inteiro. Existem pessoa que são mais o perfil de uma vaga de emprego, que vão se relacionar melhor com aquele crush em questão, até que vão fazer o projeto X ou Y de uma forma mais natural. Porém, assim como todas elas, você também tem o seu lugar no mundo e a sua importância no cenário, só precisa mudar o foco para ver onde você se encaixa e onde você é mais necessária, entende?

Rejeição dói, verdade, mas não precisa. Ela pode ser um ensinamento precioso para você descobrir a sua função no mundo. E a gente acredita que não tem nada melhor do que isso.

Foto: Reprodução


O que você faz quando se sente rejeitada? Conta para a gente respondendo a pergunta abaixo:


@ load more
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada, agora falta pouco...
Por favor, fique de olho em sua caixa de entrada (às vezes, pode acontecer do email estar no SPAM ou na aba Promoção caso use GMail). Quando receber nosso email é só clicar no link de confirmação ;)
Enviaremos nos próximos minutos um email para você confirmar o recebimento de nossos conteúdos.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Qual conteúdo você gostaria de ver no Superela?
A gente escreve sobre o que você quiser e ainda manda no seu email :)
Obrigada!
Recebemos sua sugestão.

Hey, você já conhece o Clube Superela? Lá você pode perguntar o que tem vontade anonimamente :)