Receba nossos e-mails incríveis
NOVO App Clube Superela!! ♥
Pergunte e converse anonimamente
Relacionamento Sexo Autoestima Corpo Trabalho&Dinheiro Beleza Estilo Entretenimento Girl Power!
Escreva seu texto
Receba nossos e-mails incríveis

Leia temas do seu interesse:

/ / / /

Tudo o que eu sei sobre feminismo, eu aprendi com Sailor Moon

Marcela De Mingo

Colunista Superela

Mais textos

A gente sempre tem aquele guilty pleasure, aquele filme, banda ou programa de TV que é considerado brega ou até infantil pelos outros, mas que a gente ama. No meu caso, sempre foram animes, os desenhos japoneses. E Sailor Moon foi sempre um preferido.

Se você foi pega de surpresa pelo título dessa matéria, pode estar se perguntado: ‘ok, mas o que feminismo tem a ver com isso?’. Eu explico: assim como as Spice Girls, lá na década de 1990, Sailor Moon era um desenho além do seu tempo. Digo isso porque o anime, que originalmente foi ao ar entre 1991 e 1997, era muito ‘pra frentex’ e falava sobre mulheres fortes e empoderadas.

A Usagi, por exemplo. Personagem principal que dava nome à série, era uma menina muito meiga e assustada, mas que não tinha problemas em sair debaixo das cobertas e lutar contra o mal com confiança. Ela acreditava no próprio poder e não aceitava desaforo. Fora isso, mas ela se cercou de outras mulheres como ela, que até falavam abertamente sobre o problema do machismo no mundo. Para a época, isso era, no mínimo, ousado.

E, ok, o anime era meio monotemático, fora as batalhas épicas: o problema com namorados da Usagi, e com a aparência de todas as personagens – isso reflete bem também a sociedade japonesa, sempre muito preocupada com as mulheres que são solteiras e a busca quase maníaca pela beleza perfeita. Ainda assim, a história como um todo focava em amizade, em meninas que se apoiavam e não abriam mão umas das outras. Em outras palavras: era um desenho baseado em sororidade.

Fora isso, a série tinha também toda uma questão com o lesbianismo: Sailor Urano era apaixonada por Sailor Netuno. De cabelo curtinho, a personagem se vestia com roupas masculinas quando não estava ‘transformada’ em super-heroína. Mais uma palavra que define a série: representatividade. E isso há 20 anos, quando a homofobia e o machismo eram muito piores do que hoje.

Então, sim, é possível aprender muito com Sailor Moon sobre feminismo. Aqui vão algumas coisas que todas podemos tirar do anime:

1.Apoiar as amigas acima de tudo

2.Que temos a capacidade de lutar pelo o que acreditamos


“Deixe tudo conosco, até a paz mundial!”

3.Que não existe tolerância para o machismo


“Abaixo a discriminação sexual!”

4.Que devemos nos cercar de pessoa que pensam como nós

“Só homens velhos pensam que os homens são melhores que as mulheres hoje em dia!”

5.A nos defendermos

“Como você se atreve a falar com uma princesa assim?”

6.Que não tem problemas em chorar até dormir de vez em quando

7.A ser confiante

anime happy excited cool wow

“Eu sou tão incrível!”

 

Imagem:Reprodução

Marcela De Mingo

Colunista Superela

Mais textos

Leia temas do seu interesse:

/ / / /

Leia temas do seu interesse:

/ / / /

E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
E-mails especiais
Faça parte da comunidade de mulheres mais empoderadas do mundo!
Escolha os temas que mais gosta
Quero!
Obrigada!

Recebemos seu pedido de cadastro e enviamos a você um email com o link para você confirmar o recebimento dos nossos emails.

Por favor, acesse seu email e click no link de confirmação.


Click aqui para voltar ao site.
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)