Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Mês passado vimos a polêmica do vestido que muda de cor virar tema de campanhas e alvo de publicitários e social medias, muitas delas me soaram como a mesma coisa (falando dos mesmos assuntos e, na maioria das vezes, nos instigando a consumir), mas uma delas me chamou a atenção por tocar num assunto importante, assunto esse que é o tema deste texto: a violência contra a mulher. A foto abaixo é a que também é tema dessa campanha super legal que conscientiza mulheres e homens a respeito da violência doméstica.

culpa

Vivemos numa sociedade que a doutrina é masculina e nos ensina a acreditar que a culpa é sempre nossa, e o dever de pedir desculpas também. Mulheres erram como todo mundo, mas será mesmo que devemos nos desculpar em todas as situações? A violência contra a mulher não só é normativa como também é institucional, ou seja, socialmente aceita. “Um tapinha não dói”, “Foi estuprada porque tava pedindo”, “Em briga de marido e mulher não se mete a colher”. A culpa em casos de violência não é, e nunca será, da vítima. O culpado é o agressor e não você.

1. VOCÊ NÃO É CULPADA PELO ASSÉDIO

Amiga, nós somos todas lindas, livres e poderosas. Levamos anos para ocuparmos espaços que foram tido desde sempre como masculinos e, ainda hoje, a sociedade quer que acreditemos que o nosso corpo é propriedade do Estado. E ele não é. Nunca foi! Foram anos lutando por direitos básicos e, inclusive, por direitos sobre o nosso próprio corpo. Lutamos pelo direito de nos comportarmos e vestirmos como bem quisermos, sem que isso nos defina como seres humanos. A primeira vez que uma mulher trajou uma minissaia em público, por exemplo, foi em 1945. Olha que absurdo! O que quero dizer com isso, é que o corpo é seu e você o veste como quiser. Nós sempre nos incomodamos com o assédio que sofremos nas ruas. Nenhuma mulher gosta de ouvir um “Te chupo todinha” às 6h da manhã (nem em nenhuma outra hora); cantada não é elogio, é violência, e a culpa NÃO é sua! O corpo é seu e você não tem que “se dar ao respeito”, o respeito já é seu por direito, mulher. Sua roupa NÃO é um convite!

2. VOCÊ NÃO É CULPADA PELO RELACIONAMENTO ABUSIVO

A gente não escolhe quem ama, por isso, libertar-se de um relacionamento problemático é uma construção, uma batalha. Você não “gosta de apanhar” por estar dependente de um agressor, você não tem culpa por ele ser o que é. Nenhuma mulher tem culpa. Concentre a sua força em si mesma e em sair disso, restabeleça sua autoestima, a forma como você se vê, faça coisas diferentes, troque experiências com outras mulheres, passeie, escreva, cante. Amiga, você pode tudo, só não pode se culpar. A culpa nunca é da vítima.

MAIS: 13 MAIORES TABUS FEMININOS
MAIS: 3 MULHERES INSPIRADORAS QUE FORAM ALÉM DE SUAS RELAÇÕES AMOROSAS

3. VOCÊ NÃO É CULPADA PELA VIOLÊNCIA QUE SOFREU

Uma mulher é estuprada no Brasil a cada 12 segundos e a culpa não é dela(s). Ela não “pediu” por estar usando uma roupa que valorizasse seus seios ou pernas. Ela não “pediu” por estar andando a noite sozinha. Ela não “pediu” por ter bebido. Ela não “pediu” por ter ido a uma festa. Ela não “pediu” por confiar num homem. A culpa do estupro é única e exclusivamente do estuprador. Estupro é crime de poder e dominação e homens que fazem isso não são “doentes”, são agressores filhos de uma sociedade que os beneficia desde o nascimento que cometem esse crime em sã consciência, por ter certeza de sua impunidade.

4. VOCÊ NÃO É CULPADA POR GOSTAR DE SEXO

Você não é culpada e nem eu. Gostar de sexo não faz de você uma “vadia”. Sexo é natural e saudável e qual o mal em dizer aos quatro ventos que gosta? Amiga, se liberta, ninguém é dono do teu corpo ou do teu prazer. Você só deve satisfações a você mesma! Libre, linda y loca. Avante! Chega de culpabilização. Mulheres gostam tanto de sexo quanto homens – podem e devem! Seu corpo é seu templo e você enfeita, decora e convida pra visitá-lo quem você quiser!

5. VOCÊ NÃO É CULPADA PELO PORN REVENGE

Porn Revenge é o que chamamos aqui no Brasil de “Revanche pornô” em tradução livre, ou seja, é quando uma mulher envia fotos ou vídeos de si mesma ou mesmo aceita gravar um vídeo com o parceiro e por vingança o mesmo divulga o material para atingir a ex-parceira. O que ninguém nos diz é que temos sim o direito de filmar ou fotografar os nossos corpos quando bem entendermos. Eles são nossos e são lindos. E não, nós não temos culpa por confiar em alguém. Eu entendo, amiga, “o que é bonito, é pra se mostrar”, e a gente adora dividir com quem a gente gosta a nossa beleza e amor próprio, não é mesmo? Eu sei, eu passei por isso. Infelizmente, ninguém vem com um adesivo na testa alertando se é ou não confiável. Errar é humano e divulgar fotos de uma mulher sem o seu consentimento além de crime, é uma violência contra a mesma. E advinha só, amiga? Isso mesmo, a culpa não é sua. Assim como também não foi minha. A culpa nunca é da vítima.

MAIS: DIA INTERNACIONAL DA MULHER: 4 MANEIRAS DE EMPODERAR-SE CADA VEZ MAIS
MAIS: 5 MITOS SOBRE O FEMINISMO

Imagem: www.pinterest.com/superelaoficial

@ load more