Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Esses dois resolveram incorporar os clichês da vida amorosa pós-contemporânea.

Moça conhece moço no app de encontros: duas almas perdidas procurando romance num lugar onde as pessoas procuram delivery de sexo.

O típico opostos que se atraem: ele um garoto normal da Mooca com um emprego normal, ela a piradinha da Vila Madalena com um trabalho que ninguém entende exatamente o que ela faz.

E a cena clássica da vida real que imita a cultura pop: encontros dramáticos entre duas pessoas apaixonadas em aeroportos. Todo filme e série de TV tem uma cena como essas. Ainda mais agora com as promoções nos sites das companhias aéreas que terminam nas manhãs de segunda.

Eles estão mais de um mês teclando sem se conhecer, mesmo morando na mesma cidade, porque ela decidiu ir pra praia no verão e ele pra capital do Uruguai.

Já trocaram bilhetes fofos escritos à mão, tirando fotos deles, e enviando por mensagem de texto.

Já trocaram fotos do dia a dia, dos passeios que fazem, selfies em momentos aleatórios, apresentam família e amigos, mostram pintinhas dos seus corpos.

Já falaram sobre suas visões políticas, religiosas e futebolísticas, e disputam quem assiste as séries mais legais mais rápido, quem já foi nos restaurantes mais legais e mais desconhecidos, e nos show de bandas mais legais e clássicas (não vale nem U2, nem Rolling Stones).

Já falaram sobre o futuro, e ele disse que quer casar na igreja e ter dois filhos e um cachorro, e ela concordou dizendo que obviamente vão primeiro morar juntos com um gato e uma samambaia para ver qual é. E olha que ela é de Virgem e ele, Aquariano.

Já trocaram juras de amor, repetindo a cada despedida das conversas pela madrugada a fora as mesmas frases feitas, como ela faz bem para ele e o faz se sentir vivo, e como ele a faz rir e pensar na vida.

Já fizeram sexo por mensagem de texto, trocaram nudes, falam sobre quando batem uma pensando um no outro, e o quanto estão loucos para se tocaram e transarem loucamente como coelhos no cio no dia que pisarem novamente na mesma cidade.

PARTICIPE: Meu amigo está a fim de mim, mas tenho namorado…
PARTICIPE: Amizade colorida para algo mais sério

Estava um calor infernal naquela noite.

Ela tropeçava na escada rolante e tinha dificuldade de equilibrar tudo que levou a bordo nas mãos. Usava um vestido colorido até o chão, sandália com salto alto plataforma, e o chapéu de aba larga que ganhou da tia de Natal, a roupa menos prática da face da Terra para se viajar de avião.

Ele suava bicas. Alargou a gravata no colarinho, e enxugava incessantemente suas mãos nas laterais da calça social e da camisa de botão, por causa do ar condicionado sobrecarregado pelas muitas pessoas na porta do desembarque, ou de nervoso mesmo.

Ele a esperava no aeroporto sem ela saber. A cara séria. Na tela que mostra as chegadas, o número do voo dela aparece como um dos pousados. Ele sorri. Há dias, volta e meia, passa por sua mente que era o mesmo número da sua música favorita no ensino médio: 2112.

Ela liga o smartphone ainda dentro do avião e olha que é dia 3 de fevereiro, o dia do seu nascimento no mês do nascimento de seu pai e seu irmão, e sorri para a coincidência auspiciosa. E o sorriso sai do seu rosto quando vê que a mensagem em havia falado despretensiosamente para ele que chegaria naquela noite ainda está marcada como não lida.

Ela chega bronzeada, porém triste, porque não queria que as férias acabassem. Apesar que ela trabalha quando quer, no horário que quer o ano todo.

Ele voltou naquela manhã da viagem de férias forçada pela empresa por causa da lei. Apesar de feliz por passear sozinho e comer doce de leite em todas as refeições.

Ela olha as malas na esteira, enormes e pequenas, a maioria pretas intercaladas com outras estampadas, caixas e carrinhos de bebê, enrolando o cabelo com uma mão, olhando seu smartphone, arrastando o dedo em cima do perfil dele, teclando e apagando a mensagem “To de volta :)”.

Ele segura uma plaquinha em uma mão dizendo “Bem-vinda ao meu mundo” e uma garrafa de vinho tannat na outra, e os olhos vidrados na porta automática, que se abre e se fecha com crianças correndo para os braços dos avós, casais abraçados felizes, gente de óculos escuros e cara fechada.

A porta se abre. Junto com outras pessoas de diversos outros vôos, ela sai.

Pára estupefata, e deixa suas bolsas caírem.

Os olhos dele encontram os dela, cheio de esperança e tesão.

Ele calmamente coloca o cartaz e a garrafa no chão.

Ela corre pros braços dele.

Ele sorrindo e de braços abertos.

Ela sorrindo e chorando.

Seus corpos sem encontram.

Se abraçam longo e profundo.

Se olham longo e profundo.

Se beijam longo e profundo.

Se olham longo e profundo de novo.

E ele diz: Nhém! Num rolou né? (emoji da carinha desapontada)

Ela: Hum, não mesmo! (emoji da carinha de muxoxo)

Ele: Beleza então. Boa sorte aê. (emoji da carinha cabisbaixa)

Ela: Puxa, nem uma carona? (emoji da carinha triste)

MAIS: O CRUSH NOSSO DE CADA DIA
MAIS: ELE SE FOI, MAS VOCÊ FICOU!

Ele: Ah, é que você mora do outro lado da cidade, né? Sabe usar o aquele app dos carros pretos? É mais barato. (emoji do homenzinho correndo)

Ela: (emoji da mulherzinha com cara de interrogação)

Ele entrega a garrafa de vinho pra ela, e se afasta pra ir pagar o estacionamento. (emoji do coração quebrado)

Ela pisa no cartaz no chão, pega o smartphone, e liga o app de encontros em busca de um match no aeroporto. (emoji das coelhinhas dançantes).

Imagem: Pinterest

Receba no seu e-mail dicas/textos sobre Amor

@ load more