Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Se sentir empoderada, linda, digna de amor e apreço é imprescindível para ter uma autoestima saudável. Porém, muitas mulheres, infelizmente, não conseguem se enxergar dessa forma. E eu fui uma delas.

O conceito que formamos de nós mesmas não surge de forma aleatória: é uma construção social. Fomos moldadas desde a infância a achar bonito e desejável tudo aquilo que se aproxima de um padrão pré-estabelecido por um mercado capitalista – que lucra com nossas inseguranças – e pela mídia. Um padrão que engloba poucos e é extremamente doentio. Que dentre outras coisas segrega, causa destruição da autoimagem, transtornos alimentares e infelicidade.

Durante quase toda a minha vida, fui uma pessoa completamente insatisfeita com a aparência física. Rosto, corpo, cabelo, altura, tipo de pele, tamanho do pé. Até o formato das unhas me desagradava. Há três anos, conheci o feminismo e iniciei um processo de resgate do meu amor próprio, que havia sido perdido na infância.

A terapia também foi – e está sendo até hoje – uma aliada indispensável no meu desenvolvimento. E de lá pra cá, melhorei consideravelmente. Tenho muito a aprender sobre os meus verdadeiros valores, limites, personalidade e autorrespeito, mas posso afirmar que progredi bastante desde que passei a lutar pelos direitos das mulheres e pela equidade de gênero.

PARTICIPE: Não estou me sentindo bem com meu corpo!
PARTICIPE: Corpo, insegurança e medo!

De todos os meus complexos, o que mais afetou foi estar acima do peso, desde criança. Os apelidos na escolinha que evoluíram para outras formas de segregação – como o celibato involuntário, na adolescência e fase adulta – me prejudicaram muito. Aos vinte e sete anos, depressiva, na faixa da superobesidade e com a saúde por um fio (diabetes tipo 2, hipertensão, desequilíbrio metabólico, gordura no fígado e princípio de cardiopatia), decidi emagrecer. Não para me tornar uma Barbie ou ter um corpo de modelo do São Paulo Fashion Week – meu biotipo tá mais pra mulher fruta e eu ADORO corpos curvilíneos – mas para recuperar a mobilidade, aumentar a expectativa e a qualidade de vida.

A Cirurgia Bariátrica, popularmente conhecida como Gastroplastia ou Redução de Estômago, foi a opção mais aconselhável, considerando o meu IMC e estado geral de saúde. E para marcar o início da nova fase, resolvi me presentear.

Vocês já viram algumas daquelas fotos de “antes e depois” de pessoas que eliminaram muitos quilos, com ou sem cirurgia? Aquele fundo opaco, uma tristeza no rosto, olhar de gente morta, postura cabisbaixa e roupas nada joviais? Por que não fazer diferente, celebrar o poder da mudança e ressaltar a minha beleza hoje? Que tal valorizar as conquistas – como a faculdade, a descoberta do primeiro amor e da paixão pela escrita, os amigos e tudo o que vivi durante quase três décadas sendo GORDA? Porque convenhamos, em cento e cinquenta e sete quilos não cabe nenhum diminutivo, muito menos eufemismos. Gordinha é o caralho. 

Os clicks foram realizados em vários pontos turísticos de Belo Horizonte pela Carolina Barros: jornalista, feminista, apresentadora, fotógrafa – está se especializando  em ensaios empoderadores para mulheres, ministra workshops por todo o Brasil e é a empreendedora da Fazedora de Vídeos. Uma pessoa com um astral incrível e corajosa.

Em seu canal ela dá dicas de produção de vídeos, empreendedorismo e empoderamento da mulher. Uma das minhas maiores referências em comunicação e produção de conteúdo da internet.

Como um ensaio fotográfico me transformou

A produção e o making off ficou por conta da Helen Castro, criadora do coletivo A(r)mando o Black e uma das idealizadoras do Domínio Pessoal, um blog sobre maternidade, cinema, saúde, turismo, eventos e temas afins, voltados para mulheres lésbicas.

Além disso, ela é feminista negra, militante e cabeleireira especializada em fios crespos e cacheados, e posta muitas coisas bacanas na sua página Diva’s Express. Realiza atividades de ocupação em escolas públicas, com o objetivo de fortalecer e resgatar a autoestima de crianças e adolescentes negras em situação de vulnerabilidade social, através do reconhecimento e valorização da estética capilar.

Como um ensaio fotográfico me transformou

Mais do que enfatizar a beleza existente nesse corpo atual, que carrega traços únicos e não é nem um pouco padronizado, aprendi a não desviar o olhar da minha imagem. Durante as fotos, ficou claro que a protagonista é a modelo. A Carol dizia: “essa é você, tá vendo? É assim que as pessoas te enxergam. Repara como a sua visão é diferente da dos outros. Você precisa acostumar a se olhar sem estranhamento”.

Sempre fui fotogênica e fazia registros incríveis. Entretanto, nunca fui o foco dos closes quando apertava o botão da câmera pra tirar, por exemplo, uma selfie. Havia uma preocupação enorme com a cor de fundo, a luz, em captar parte da arquitetura e claro, minimizar alguns traços que possuo e via como graves defeitos, como o pescoço curto e largo e os olhos pequenos.

Quando observei as fotos tomei um choque, pois não estou acostumada a me ver de fora. Ou seja, criava uma ilusão confortável da Aline ideal, em vez de responsabilizar pela Aline real que eu deveria cuidar com amor. E isso contribuiu significativamente para que eu deixasse meu peso chegar a um grau quase irreversível.

MAIS: NA ETIQUETA DE SUA ROUPA ESTÁ ESCRITO AMOR PRÓPRIO
MAIS: “MAGRA” NÃO É ELOGIO

Não tenho espelhos de corpo inteiro. Consigo fazer quase tudo sem olhar pro meu rosto (maquiar, arrumar o cabelo, etc). Me abandonei completamente por longos anos, e tenho consciência de que as mudanças e o autoconhecimento se tornaram mais relevantes a partir do momento em que a autovalorização passou a ser prioridade zero pra mim.

Se eu pudesse dar um conselho para toda e qualquer mulher, seria o seguinte: nunca fuja de si. Uma hora você fatalmente vai precisar fazer o caminho de volta e ele pode estar mais obscuro. Mas se você chegou nesse estágio, não desista: ainda que doa e lhe arranque lágrimas, nada é mais libertador que se reencontrar.

Como um ensaio fotográfico me transformou

Como um ensaio fotográfico me transformou

Como um ensaio fotográfico me transformou

Como um ensaio fotográfico me transformou

Como um ensaio fotográfico me transformou

Como um ensaio fotográfico me transformou

Como um ensaio fotográfico me transformou

Imagem: Carolina Barros

Receba no seu e-mail dicas/textos sobre Corpo

@ load more