Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

O tempo está passando depressa demais, você foi dormir com 18 anos e quando se deu conta, estava à beira dos 30. A chegada à essa tão temida idade é normalmente uma fase complicada para a mulher. Mudanças no corpo, no comportamento, nas emoções, cobranças internas e externas mexem com a cabeça e marcam a passagem por essa fase tão conturbada. Pensando nisso, decidi entrevistar algumas mulheres e saber como foi para elas passar por essa transição, quais eram os seus anseios, como passaram por todo esse processo, o que mudou e como superaram a aterrorizante crise dos 30 anos.

Você vai chegando perto dos 30 e começa a acreditar que tem que ter tudo, fazer tudo, conhecer tudo. Aos 30 você acha que tem que ter casa própria, carro do ano, emprego dos sonhos, corpo sarado, marido perfeito, conta bancária gorda e diversos carimbos no passaporte, como se aos 30 a vida fosse acabar, como se o tempo para realizar seus sonhos e alcançar seus objetivos tivesse se esgotado. Nessa fase toda mulher se cobra excessivamente e através das entrevistas realizadas percebemos que a principal cobrança é a busca pelo sucesso profissional. Aos 30 as mulheres querem uma carreira estável que permita realizar os planos traçados aos 20. Nessa fase, casa própria, carro, restaurantes, compras e viagens tornam-se sinônimos de uma vida bem sucedida.

“Acho que quando você chega nesta idade a vontade de estar estável é maior. Ter um bom emprego, uma casa, um carro, enfim, uma vida confortável.” Thais Nunes – 32 anos, Analista de Tecnologia da Informação

A cobrança vice-campeã é sobre relacionamentos. Aos 30 toda mulher idealiza estar (bem) casada e com pelo menos um filho. Ter encontrado seu príncipe encantado e ser feliz para sempre é o sonho de muitas, inclusive das princesas da Disney, mas nenhuma das princesas tem 30 anos e isso é parte do problema.

“É engraçado o que a chegada aos 30 significa para as mulheres, muitas se desesperam para casar, não estão preocupadas com sua própria felicidade, mas sim em não carregar o título de encalhadas. Outras acabam se conformando com alguma situação porque se sentem velhas demais para iniciar algo novo, seja emprego ou relacionamento” Laila Ferreira – 26 anos,  Analista Financeiro

Independe de como e onde você cresceu, qual o tipo de educação você recebeu, você certamente está familiarizada com os contos de fadas. A mocinha nasce, cresce, encontra o príncipe encantado, se apaixona, casa e vive feliz para sempre. Essa é a maneira com que muitas mulheres foram criadas e os reflexos dessa criação aparecem ainda nos dias de hoje. Apesar da independência adquirida, muitas mulheres ainda buscam em suas vidas essa história com final feliz, afinal, nenhuma princesa (com exceção da Cinderela), acordava cedo para fazer os serviços de casa, nenhuma princesa é casada, trabalha fora e cuida de filhos, e a busca pela realização desse conto de fadas diante da realidade da mulher no século XXI é conflitante.

“A cobrança pessoal e da família são as maiores. Ter feito tantos planos e não ter conseguido realizá-los, foi extremamente frustrante.” Cibele Rocha. – 30 anos, Secretária

A medalha de bronze das cobranças é sobre envelhecer. É quase obrigação da mulher balzaquiana estar magra, malhada, com a pele sedosa, unhas feitas e cabelos brilhantes. Ter disposição para ser uma mulher bem sucedida e cuidar da estética e saúde está entre as principais preocupações.

“É o momento na vida da mulher onde fazer dieta não é sinônimo de emagrecer, a sua pele não tem mais a mesma elasticidade e as marcas de expressão começam a aparecer.” Amanda Nogueira – 36 anos, Executiva

Com o passar do anos o papel da mulher na sociedade mudou, hoje existe uma cobrança grande em ser a mulher perfeita. Exige-se perfeição na identidade, na beleza, na saúde, no trabalho, em casa, na cama, com o marido, com os filhos, com a família, com os amigos. (ufa!). Não existem limites para essa perfeição e ao não atender essas expectativas, muitas mulheres entram em crise e lotam as salas dos terapeutas.

“Ser boa mulher, boa mãe, boa esposa, boa dona de casa e boa profissional para mulher é muito cruel, é óbvio que alguma coisa não vai ser tão boa assim.” Renata Amaral – 34 anos, Jornalista

O mundo moderno ainda não se acostumou completamente com as mudanças políticas, ambientais e comportamentais que a sociedade vem sofrendo. Ao longo dos anos as mulheres adquiriram independência financeira, intelectual e emocional, passaram a tomar decisões sobre suas vidas sem interferência e sem dar satisfações, mas o resquício da mulher submissa ainda existe. Até “pouco” tempo as mulheres de 20 anos já estavam casadas e com o primeiro filho, aos 30 já tinham dois filhos, ou mais, e se conformavam com a vida de donas de casa. Hoje, as mulheres na casa dos 20 anos sofrem grandes pressões na escolha por uma profissão, investem na capacitação profissional, traçam metas e planos, buscando semear o que pretendem colher em 10 anos. Aos 30, as mulheres buscam maior estabilidade, querem um bom emprego, um relacionamento seguro e honesto, preferem conhecer melhor o seu parceiro antes de assumir compromissos, não se importam em casar perto ou depois dos 30 e ter filhos antes dos 40, acreditam que estão estruturadas financeira e emocionalmente e não se importam com as cobranças.

“Cobranças sempre vão ter, não importa a idade.” Adriana Santos – 31 anos, Analista de Qualidade

Segundo a Psicóloga Mestre em Terapia Junguiana Ester Correia, nem tudo mudou completamente: A mulher aos 30 busca o casamento, conquistou sua independência, espaços antes exclusivamente masculinos, mas ainda não conhece a sua força e se atrela a expectativas ditadas pela sociedade. Então, nessa busca frenética pela perfeição tenta integrar aspectos de beleza, sucesso profissional, pessoal, e o ápice é o casamento. Em outras décadas, o não casar parece ditar uma sentença terrível: terminará sozinha, solteirona, o que parece indicar um fracasso. O interessante é que casar nem sempre aparece vinculado com o sentimento amoroso. Independente da idade, profissão, a mulher precisa aprender a se respeitar, entrar em contato consigo, descobrir seus prazeres, que não se resumem ao sexo. Antes de pensar em ser um sucesso para agradar ao outro, precisa agradar a si mesma. Descobrir novos caminhos, criar novas soluções, integrar aspectos que fazem parte do seu eu e não de aspectos aparentes que perdem o sentido.”

30.01

Mesmo após todos os avanços comportamentais conquistados pelas mulheres nos últimos tempos, a mulher não mudou em sua essência, ainda é a mulher criada para casar, agradar e obedecer seu marido. O mundo, porém, mudou, a sociedade está mais moderna e lidar com esse choque cultural entre a mulher que quer casar e a mulher que precisa ser independente é conflitante. As cobranças existem em diferentes fatores e escalas, a mulher sente-se cobrada pois sente que precisa agradar o que pede sua essência e o que pede o mundo moderno, traça planos para ser a mulher perfeita e quando não alcança esse estereótipo frustra-se e entra em crise.

A Ginecologista e Obstetra especializada em Medicina Estética Dra. Gabriela Innecco diz que as mudanças no corpo aos 30 não são tão perceptíveis quanto aos 40, a mudança principal é a desaceleração do metabolismo: “Já não é tão fácil perder peso quanto na adolescência. É preciso praticar exercícios, se alimentar bem, comer de 03 em 03 horas para que o metabolismo não perca seu ritmo. Os cuidados com a estética devem receber um pouco mais de atenção, a flacidez já é mais aparente e a pele aumenta sua elasticidade”. O que não é uma notícia tão ruim para as mulheres que desejam ser mães. A Dra. Gabriela diz que engravidar entre 30 e 35 anos é uma boa alternativa, pois nessa fase a mulher sente-se mais preparada para a maternidade tanto física quanto mentalmente, já está mais madura e paciente para cuidar dos filhos: “A pele possui mais elasticidade e isso ajuda a prevenir as estrias durante a gravidez, na adolescência a pele é mais rígida e por isso mulheres que foram mães muitas jovens possuem essa marca. Eu engravidei perto dos 30 e percebo que tive muito mais paciência na criação dos meus filhos”.

estrias

Apesar das mudanças em nosso corpo, a maior parte das entrevistadas garantiu que o que muda realmente é a percepção do mundo ao seu redor. A mulher após os 30 sente-se muito mais bonita, bem resolvida e segura de seu valor intelectual, físico e emocional. Preocupa-se mais com a família, prioriza seu bem estar físico, mental e espiritual. Toma decisões mais centradas e precisas, sabe onde quer chegar e como chegar, sabe quem é e não tem medo de assumir sua identidade, pensa no futuro e sabe que já não pode mais tomar atitudes inconsequentes, pois muitas vezes suas ações refletem na vida de seu parceiro, seus filhos, amigos, colegas de trabalho e etc.

A mulher após os 30 está mais segura sexualmente, já se libertou de seus tabus e dos reflexos de uma criação mais conservadora, já consegue tomar iniciativas para melhorar sua a vida sexual, reconhece seus desejos e não tem pudor em dividi-los estando solteira ou casada. Essa mulher cuida de si, percebe que envelhecer com saúde, maturidade e responsabilidade é ótimo, aprende a se sentir bem estando só ou acompanhada, aprende a ter prazer em sua companhia, sabe rir de si mesma e aprende com seus erros, frustrações e decepções. Para a mulher balzaquiana chegou a hora de se cuidar e se preparar, é a idade de agir para prevenir, cuidar de si, de sua saúde, de sua alimentação, investir em tratamentos estéticos, praticar exercícios e só fazer o que faz bem. Essas atitudes já não fazem mais parte do “deixar para depois”, pois aos 40 as mudanças no corpo são mais evidentes e essas atitudes vão dizer qual o tipo de mulher você é hoje e qual mulher você será daqui a 10 anos.

E como passar pela crise dos 30?

Para passar por esse processo, criamos uma lista de sugestões que irão facilitar a sua chegada aos 30 e te ajudar a perceber que essa mulher bem sucedida existe, talvez você só precise de uma pequena ajuda para encontrá-la.

1. Faça uma auto-análise

autoanalise

Faça uma auto-análise sincera e criteriosa de sua vida. Repense todos os planos que você tinha aos 20, quais foram realizados, quais não foram e todos os motivos. Faça um balanço do que já alcançou e do que ainda quer alcançar. Seja crítica, assuma as decisões erradas que tomou, reconheça as boas escolhas que fez e as ajudas que recebeu ou deixou de receber. Você pode ter conseguido comprar um carro, pois teve ajuda dos pais e você pode não ter conseguido ser mãe, pois não encontrou a pessoa ideal para construir uma família. Essa reflexão vai te ajudar a olhar as coisas sob uma nova ótica, você vai perceber que apesar dos planos e metas, existem outros fatores que influenciam nossas decisões e projetos, e que não ter alcançado os seus objetivos não é sinônimo de fracasso, você não desistiu, apenas adiou a realização dos seus planos

2. Cuide-se, invista em você!

academia

Da mesma forma que intelectualmente você não é mais a mesma do que 10 anos atrás, o seu corpo também não é. É chegada a hora de cuidar da saúde e da estética, afinal, toda mulher quer ficar bonita. Matricule-se em uma academia, faça aulas de dança, caminhadas, ande de bicicleta, passeie com o cachorro, tudo é válido. Para garantir maiores resultados é preciso sentir prazer durante sua atividade física. Seu condicionamento físico, postura, disposição e humor vão melhorar, você vai se ocupar, conhecer pessoas, fazer novas amizades e quem sabe até encontrar um novo relacionamento.

3. Comemore!

festa

Faça uma festa para comemorar seu aniversário. Reúna em um mesmo evento as pessoas que fazem parte da sua história, que torcem pelo seu sucesso e felicidade. Prepare algo bem especial que mostre a essas pessoas como você é grata por tê-las por perto. Receber esse carinho vai te mostrar que fazer 30 anos pode ser leve como fazer 20, você vai ver o quanto as pessoas te admiram, e que muitas vezes aquilo que você considera fracassos pessoais, é visto como grandes conquistas.

4. Faça um Ensaio Sensual

ensaio

Faça um ensaio sensual. Perca a timidez, não se importe com estrias, celulites ou qualquer imperfeição, libere a mulher poderosa que há dentro de você. Procure uma fotógrafa, escolha suas lingeries preferidas, vá para o motel ou monte o cenário ideal. Se precisar, tome uma taça de vinho para se soltar, está liberado! O importante é sentir-se a vontade diante das câmeras. O resultado vai elevar sua autoestima e deixar de lado qualquer neurose.

5. Refaça suas metas

metas

Reveja, refaça seus planos e trace meios de chegar até eles, você já tem maior capacidade de atingi-los, não imponha nenhuma data limite, mas o caminho a ser seguido. Planeje suas ações e meios de alcançar os seus objetivos. Quer um emprego melhor? Defina como melhorar o seu currículo. Invista em cursos, faça um intercambio, faça uma nova graduação ou uma pós graduação, o importante é agir. Quer comprar um apartamento? Faça uma pesquisa sobre locais, valores, formas de pagamento que se encaixem no seu orçamento. Quer encontrar um novo amor? Não fique em casa, saia com as amigas, esteja disposta e aberta a conhecer pessoas novas, não espere o príncipe bater na porta, se faça presente quando o encontrar.

6. Busque exemplos

bernardinho

Procure histórias inspiradoras. O técnico Bernardinho começou sua carreira como treinador aos 30 anos, Steve Jobs foi demitido da Apple aos 30. Conheça histórias de pessoas que começaram ou recomeçaram aos 30 e são profissionais renomados, inspire-se nessas histórias mas não se compare. As pessoas são diferentes, tiveram vidas, criações e oportunidades diferentes, não olhe para trás ou para o lado, olhe para frente.

7. Seja feliz!

be happy

Procure fazer e estar perto do que te faz bem. Envelhecer é natural, é viver o presente e vai acontecer com todas as mulheres. Entenda que a vida não acabou, ela está (re)começando, você não “ tem 30”, você “ tem 30”, e a vida começar aos 30, 40, 50 ou 60 só depende de você.

Imagens: Pinterest

@ load more