Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Parem de reclamar, estudar também é viver!

Essa semana ouvi uma reclamação – dentre as várias que ouço – de uma aluna, sobre o número de trabalhos que TODOS os professores passaram para a turma, dizendo ainda que sentia que não estava vivendo, porque era só estudar para provas e fazer trabalhos.

Conversando com ela, fizemos as contas e pudemos constatar que apenas 2 dos 7 professores da turma tinham passados os criticados trabalhos. Pedi que ela refletisse com calma, pois era provável que o problema dela não era acúmulo de trabalho, mas a má gestão do tempo dela.

Sugeri que ela começasse a checar o tempo que ela dedica nas redes sociais.
Saí pensativa na universidade: tem tempo – leciono desde 2012 – que ouço as reclamações dos alunos por terem que estudar.

A palavra ganha contornos pejorativos e falar em fazer trabalho é pedir para ouvir reclamações. Não querem trabalho em grupo, mas atualmente todos devemos saber trabalhar em equipe.

Não querem apresentar seminários – porque não querem falar e perdem a oportunidade de treinar a oratória, bem como, não prestam atenção devida nos trabalhos apresentados pelos demais grupos – aliás, seminários parecem mais estelionato educacional.

Aí chega o final do curso, chega a monografia e não sabem apresentar suas ideias de forma lógica e concatenada. Chega a hora de trabalhar, não sabem atender uma pessoa, explicar os direitos, os processos e procedimentos.

Uns falam que somos a sociedade da informação.

Outros, dizem que estamos na era do conhecimento.

Seja um, seja outro, a realidade é que não será possível ser um bom profissional sem estudar e refletir sobre o que leu e pesquisou.

Mais ainda: reclamar que tem que estudar num país com cerca de 11,3 milhões de pessoas com mais de 15 anos analfabetas (dados do IBGE divulgado em junho de 2019), onde pessoas se endividam para conseguirem estudar, seja colégio ou faculdade privada, soa tão egoísta e injusto quanto reclamar do seu patrão quando tem trabalho (excepciono os casos de empregos com casos de abuso ou trabalho escravo, lógico).

Parece o mesmo tom daquele Procurador da República que chamou de “miserê” seu salário de cerca de R$ 24.000,00, num país com mais de 12 milhões de desempregados e uma massa de pessoas que vivem com até dois salários mínimos (o salário mínimo nacional é de R$ 998,00).

Thich Nhat Hanh, em sua obra “The art of mindful living” (1992) disse que: “Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho” (não, essa frase não é de Mahatma Gandhi).

A ideia de que felicidade está no percurso, que devemos aproveitar a vida na sua plenitude, somadas com as considerações acima leva-me a seguinte ponderação: quem disse que estudar não é viver? Quantas criações, quanto conhecimento foi produzido por infindáveis horas de estudo, de pesquisa e de reflexão?

Se o conhecimento é libertador e emancipador, não posso pensar numa vida sem estudo, ainda que não seja o estudo formal, em escola, em universidade – aliás, muito do que estou aprendendo hoje é com conversas com amigos nas redes sociais, nos grupos de Whatsapp, um café com algum colega de trabalho e com cursos livres.

Estudar é parte significativa de viver.

E pensar de forma diversa é apenas colocar em si as viseiras que bloqueiam uma visão mais ampla do mundo.

Parafraseando – e parodiando o autor – assim como não existe caminho para felicidade, pois a felicidade é o próprio caminho, creio que: Não existe vida sem o estudo, estudar é também viver, é também aproveitar a vida e livrar-se das amarras que a ignorância colocam para enclausurar as pessoas. E pensar assim torna a vida mais satisfatória e leve, mais agradável.

Dificuldade não é ter um trabalho para fazer.

É você ser cego e não ter o mesmo acesso às obras que uma pessoa com visão. Dificuldade não é ter que estudar para uma prova. É não ter um professor para lhe auxiliar a mensurar como está seu aprendizado e onde você precisa melhorar.

Dificuldade não é ter que levantar cedo ou chegar muito tarde em casa, por causa da aula. É não poder estudar o que você quer ou gosta por falta de recursos financeiros que permitiram isso.

E lembremo-nos: existem períodos na vida que outras áreas nos são mais exigidas – saúde, trabalho, família. Nessas horas, faça o seu melhor com o que você dispõe no momento.

Você não precisa tirar nota 10 em tudo. Você só precisa parar de reclamar e não ser medíocre, buscando conquistar tão somente a nota média em todos os trabalhos. Quando possível, seja melhor. Quando não der, faça o necessário.

Imagem: Unsplash

0

Rasga a folha, rasga o livro, é um monstro? Não, um homem.

Como um Deus, quer estar acima de tudo para pisar em cima de todos. Quem falou que acabou? É fake news! A vaca profana da máquina pública ainda dá de mamar à sua corja de filhotes “deputando” uma divina teta no congresso. Presidente da República, do repúdio, da ojeriza, não da ordem e do progresso. Ô rapaz, progredir é para a frente, não para trás! Programa de comédia passando no canal 7. Brazil, 1964.

Dita dura, mas é branda, é sutil, é sorrateira. Te tortura pelos olhos, faz querer arrancar os ouvidos, mete o teu espírito numa prisão. Cale-se e se afaste, eles enforcam tuas esperanças. Cela da liberdade, sela o destino cruel dos quatro anos de governo.

Tem um rato no meu planalto!

Não se importa com a polícia, com a arma, com o negro. Quer tudo junto e misturado, um looping de violência: globo da morte. Globo golpista! Ambiguidade feita de certeza para os dois lados, o azul e o rosa. A mídia nem sempre é ninja, ela não está a serviço do povo. Quem quer dinheiro?

A “patroa” lá assistindo, nome fictício, empregada do “patrão”. É difícil escutar com a barriga no fogão, o filho num braço e o ferro no outro. Lá do tanque nem se escuta… Essas são as que ainda não sabem que nós perdemos todos os nossos direitos. Afogando as mágoas na água do balde, prefiro chutar ele nos pés dessa frota de psicopatas sentados, com a mão no saco e sangue nos olhos, assistindo um mito que se tornou sua religião. Seus idiotas, o Estado é laico! Só não te estupro porque você não merece. Nesse universo paralelo, eu “Moro” e não vejo tudo.

Se você não está entendendo nada, não entendeu desde o começo. Você é o cara, é o balde, é a massa de manobra. Pão e circo direto da realeza! Não tem mais graça a Globeleza, de roupa eu vejo todo dia na rua, no ônibus, mostrando só o pescoço… Ah, o pescoço! Gozando do privilégio de ser homem. A linha 17 é o expresso do inferno.

“Se eu elegi meu carrasco foi porque eu mereci!”. Também, saindo cedo para o trabalho sabendo que vai ganhar 52% a menos que homens na mesma função, estava pedindo! Não se dá ao respeito, fica exigindo o que é de direito por lei, coisa de PUTA COMUNISTA. Menor aprendiz é chave de cadeia.

Para quem busca um final feliz, aqui é o ponto perfeito para renunciar.

Cuspo verdades na sua cara, mas tenho que ir sem receber o eletrochoque que virá, preciso me exilar deste corredor da loucura. Minha vida está por um tiro, minha integridade ameaçada. Um “tenente de merda” querendo me dar um pau! De arara. Nesta jornada há medo, pois nosso sexo ainda vai no banco do carona enquanto o sexo deles é o destino. Nossas palavras assassinadas numa emboscada. Milícia presente!

No mais, feliz Dia da M…

Não me sinto confortável em dizer.

O que é mulher?

Imagem: Visualhunt

0

Nosso querido Silvio Santos é conhecido por ser um dos maiores ícones da televisão brasileira. Dono da SBT e um dos maiores apresentadores que esse país já teve, podemos dizer que ele é quase um ‘queridinho da nação’, por homens, mulheres e crianças. Porém, de uns tempos pra cá, as atitudes dele vêm me chamando a atenção.

Na verdade, a última treta do momento teve Cláudia Leitte como protagonista. Acontece que ele resolveu assediar a cantora em rede nacional, no Teleton. E sim, pessoal, não adianta falar que não foi assédio. Olha só:

Mas, antes de tudo: nossa, agora as feministas não estão poupando nem o Silvio Santos?

Silvio Santos

Não, uai. Nenhuma pessoa deve ser imune quando tratamos de assuntos como racismo, machismo, xenofobia e homofobia, por exemplo. E hoje, infelizmente (digo isso porque gosto do trabalho do cara de verdade), eu tô aqui para listar alguns exemplos de ações de Silvio Santos que provaram que nem mesmo o queridinho da nação consegue fugir das raízes machistas de nossa sociedade.

Acontece que, por ser uma celebridade MUITO famosa, Silvio tem uma influência muito grande, e um lugar de fala que atinge a milhões de brasileiros por dia. E, como sabemos, um dos maiores motivos de propagação de misoginia está nos diálogos que fazemos parte no dia-a-dia, e das opiniões e colocações presentes na mídia, principalmente as de canal aberto. Se ele faz isso de forma consciente ou não, não cabe a mim julgar. E não. Não é porque o cara já teve atitudes machistas que a gente deve ignorar o talento e carisma que ele tem.

O lance aqui  é tentarmos sempre melhorar. Ontem, o machismo era normalzão. Hoje, nem tanto. E amanhã, se Deus quiser, vai ser ainda menos tolerável. Então bora exercitar um olhar mais crítico sobre as coisas e comportamentos do dia-a-dia. Precisamos, também, aprender a olhar para nós mesmos e aceitarmos que não, o ‘mundo não tá muito chato’. A gente é quem tem que aprender a ser melhor mesmo. Então bora lá:

3 vezes em que Silvio Santos foi extremamente machista

1. O caso Sheherazade

Durante a entrega do Troféu Imprensa 2017, Silvio Santos assediou a jornalista Rachel Sheherazade moralmente, e ao vivo. Para quem não sabe, Sheherazade é conhecida por ter opiniões fortes e delicadas sobre diversos assuntos, e expô-las em rede nacional durante o jornal.

Antes mesmo de receber o prêmio de melhor jornalista da internet, Rachel começou a receber “puxões de orelha” de seu patrão, Silvio Santos. Em resumo, ele afirmou que a jornalista deveria parar de fazer comentários políticos durante o jornal. Ela, sem graça, afirmou que foi contratada para isso, e eis que ele a responde com a seguinte frase: “Não, eu te chamei para você continuar com sua beleza, com sua voz, para ler as notícias, e não dar sua opinião”.

Além disso, ele tentou diminuir ainda mais a jornalista quando comentou que ela tentou um romance com o apresentador Danilo Gentili, mas falhou. Ela, ao responder que é mentira, e que está comprometida, ainda teve que ouvir o seguinte comentário do apresentador:  “ele deixa você trabalhar na televisão? Você merece (o prêmio), e merece ficar quietinha. É melhor pensar no seu novo casamento”.

Vamos lá: eu sou jornalista e, como profissional, não gosto da maneira como Sheherazade conduz seu trabalho. Acho que ela apresenta um discurso de ódio muito forte e grave. Como figura pública, ela deveria medir suas palavras por ser uma grande influenciadora das mídias. Não é à toa que ela ganhou o Troféu Internet de melhor jornalista, ué. Porém, ser humilhada em rede nacional por Silvio Santos não é uma coisa que ela mereça. Nem ela, e nem ninguém.

Mesmo não concordando com a forma como ela conduz seus trabalhos, não posso concordar com frases do tipo “você está aqui pela sua beleza e sua voz. Não pense, apenas leia o que está no teleprompter. É melhor ficar quietinha e pensar no seu futuro casamento”. Fala sério, né? Além de ser mulher, também sou jornalista. Isso poderia ter acontecido comigo tranquilamente.

Sororidade, manas. Empatia, minas. Bom senso, machistas de plantão. E cuidado com suas próprias opiniões, Silvio Santos.

2. Sobre o 3 em 1 do Teleton: machismo, racismo e gordofobia

Sim. Foi um combo. “Ah, mas ele só estava brincando, o mundo tá muito chato mesmo”. Olha, me desculpe, mas brincadeira tem limites. Durante um bate-papo com um grupo musical de mulheres, Silvio Santos resolveu elogiar Daiane, uma das cantoras. Se eu parasse o caso por aqui, estaria tudo bem, certo? Só que não. Os comentários do apresentador foram os seguintes:  “você é muito graciosa. Embora sendo a única negra entre as brancas, é bonita. É bonita (…) Quem casar contigo vai ter dois prazeres: um na hora do bem bom, e outro na hora em que você sai de cima!”. 

Acontece que Daiane, assim como todas as outras 4 integrantes da banda, pesa em torno de 120 kg. E como a sociedade não perdoa, o resultado foi esse daí. Silvio Santos conseguiu proferir elogios em meio a comentários racistas e gordofóbicos. Talvez ele mesmo não tenha consciência disso, e tudo bem. Afinal, agora ele tem.

3. Incentivando a rivalidade entre mulheres

Ontem, durante seu programa de domingo, ele perguntou à atriz Giovanna Chaves o motivo de ela estar brigada com Larissa Manoela, também atriz. Giovanna desmentiu o apresentador, e contou que respeita a colega profissionalmente. Não satisfeito, Silvio Santos infere que a suposta rivalidade entre as duas aconteceu porque “uma queria o namorado da outra”. Sem graça, a atriz desmente, mais uma vez, o boato, e diz que ela e o ex-namorado de Larissa Manoela são apenas amigos.

Por fim, Silvio ainda comparou Giovanna a Manoela, colocando os prós e contras de cada uma. Só para vocês terem uma ideia, um dos ‘prós’ de Larissa Manoela é que ela tem um ‘corpo mais desenvolvido’. Bem.. o vídeo fala por si, né.

4. Constrangendo uma atriz mirim, uma cantora etc etc etc

Aí vai um compilado:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Virei Jornalista (@vireijornalista) em


 

Enfim…

Silvio Santos

Como já dissemos por aqui, o machismo, muitas vezes, está tão dentro de nós que é difícil percebê-lo. Silvio Santos é um dos meus apresentadores prediletos. Ele tem talento, carisma e me faz rir. Contudo, suas atitudes machistas vêm me assustando ultimamente. E um dos motivos pelos quais escrevo esse texto é para todos nós aprendermos a ter um olhar mais crítico sobre as coisas.

Não é pra descreditar o cara, boicotar a emissora, parar de assistir os programas dele e nem nada disso. O lance aqui é saber identificar os machismos do dia-a-dia e problematizá-los. E sim, isso é preciso. Muitas vezes eu mesma já fui considerada a ‘chata do rolê’, que problematiza tudo. Mas é assim que, aos poucos, a gente vai fazendo com que as pessoas se tornem cada vez mais tolerantes e respeitosas.

0

Para continuar a super semana nada como mergulhar no horóscopo do dia 24 de maio! Veja o que os astros reservam para o seu signo nesta quinta!

Horóscopo do dia 24 de maio

♈ Áries

A terceira dica para você ter sucesso essa semana, adorável ariana é: trabalhe a competitividade que existe dentro de você. Não é pra você brigar com alguém ou sair fazendo apostas por aí. Não! Na verdade é pra você disputar com você mesma, por exemplo, se você é capaz de passar por cima daquela meta anterior e conseguir mais. Dispute com você mesma… e ganhe!

♉ Touro

Eis a dica mais esperada da semana para você, oh Taurina do meu coração: escute a voz do Universo e pare de ser TEIMOSA. Isso mesmo. Já percebeu que às vezes você teima em ir pela esquerda quando tudo e todos e até a intuição e o Universo dizem pra você virar pro lado direito?! Preste atenção nas dicas do Universo…

♊ Gêmeos

Quando mais você aprende coisas novas mais você deve passar adiante tais conhecimentos. Sabia disso?! A terceira dica da Lua é: ensine aos que não sabem aquilo que você vem aprendendo. Não tenha medo de te acharem metida a “inteligentona”. Cada um tem um caminho a percorrer. Você se sentirá bem ensinando… #FicaDica

♋ Câncer

Às vezes o que o mundo precisa é de um pouco mais de amor, não é mesmo? E quem é a pessoa que mais tem amor nesse coração? VOCÊ! Isso mesmo. A dica da Lua de hoje é: não perca sua linda essência devido às críticas que você pode estar recebendo por aí ou por aqui. Relaxe, não ligue, pois isso é dor de cotovelo. Irradie amor por onde passar e tudo ficará lindo. Você é puro amor.

♌ Leão

Como um feixe de luz, você – leonina poderosa e linda – tem o dom de iluminar qualquer lugar onde você resolver caminhar (ou melhor, desfilar), portanto use o seu dom para iluminar corações e pessoas que estão precisando de motivação para continuar seguindo seus respectivos sonhos. A dica é: use seu dom para ajudar outras pessoas também.

♍ Virgem

Adorável virginiana, a dica do dia é: procure estabelecer metas (curto, médio, longo prazo) para todos os projetos que você pensa. Procure site ou programas de mapas mentais, pois isso facilitará a transposição dos seus pensamentos para o papel ou notebook. Você pode realizar coisas grandiosas se colocar ordem nessa bagunça. #FicaDica

♎ Libra

Moça de Libra, o mundo é muito grande para você ficar presa dentro de um ambiente pequeno e seguro demais. Você é imensa e precisa conhecer o que tem lá do outro lado do mundo, novas aventuras e novas possibilidades para a sua linda personalidade. Seus dons ficarão mais fortes quando você estiver mais em contato com você mesma em essência.

♏ Escorpião

A dica para você, oh querida escorpiana é: saiba que você consegue transmutar energias, ou seja, você a “energia punk” para “energia leve”. Isso não é demais? Porém você precisa aceitar que você tem esse dom, pois só assim você conseguirá se sentir mais útil em tudo que você se envolver. #NãoSeEsqueça

♐ Sagitário

Conhecimento sempre é válido e bem-vindo, por isso, não se perca em conhecimentos rasos, fúteis ou sem nenhuma importância, pois a vida está te chamando pra ir mais fundo no conhecimento rumo às verdades absolutas do Universo. Uau, que demais. #Arrepiou?!

♑ Capricórnio

A dica número 3 é: é preciso colocar aquela pitada de seriedade em seus objetivos da vida. Olhe com dedicação e garra para tudo aquilo que te atrai, pois apenas dando total atenção a tudo isso é que você consegue realmente atingir o patamar que você deseja nessa vida, hein?!

♒ Aquário

Sempre pense o seguinte: “O que estou fazendo é realmente bom e útil para a humanidade ou estou simplesmente correndo atrás de coisas fúteis e que não serve para nada?”. Pode parecer complicado e doloroso, no início, porém é a melhor forma de você seguir o melhor caminho possível. #VaiPorMim

♓ Peixes

Não precisa ficar mais reclamando da vida ou se queixando de ex, de patrão ou de brigas familiares, a onda agora é cair na meditação. Isso mesmo. Chegou o momento de mergulhar no autoconhecimento a partir de uma meditação diária. Já pensou nisso? Será que você consegue ter paciência? Eu acredito que siiimmm.

Imagem: Stocksnap


E aí, gostou do seu horóscopo do dia 24 de maio? Amanhã tem mais um super horóscopo feito sob medida pra você. Para mais dicas siga meu perfil no Instagram!

0

Danuza Leão, eu decidi com uma pitada de arrogância, já que me dirijo a uma escritora, explicar-lhe o conceito de assédio.

Vou exemplificar, para tornar o entendimento mais fácil e palpável:

Sabe quando o seu patrão te induz que roupas mais provocativas ajudariam no andamento de uma reunião para fechar um contrato? Ou quando um superior seu deixa claro que vai dificultar sua vida por não ter uma “paquera” correspondida?

Sabe quando o seu chefe, sabendo da sua situação econômica diminuta e da sua extrema necessidade de manter o emprego, faz questão de te constranger em público e de manter uma intimidade desconfortável no privado?

Sabe quando um professor expulsa uma aluna de sala por ter levado um fora? Ou quando o seu ambiente de estudo e trabalho fica insustentável só por você ser mulher?

Bem, Danuza Leão, caso você não saiba, isso é assédio.

Assédio é quando um ato ou comentário torna alguém desconfortável dentro da sua própria pele, dentro do seu próprio eu. É quando ir à academia andando se torna um fardo e a gente cancela a matrícula. É quando preferimos ficar desempregadas a ouvir piadas e cantadas diárias, em um ambiente que deveria ser regado de respeito. Assédio é quando estamos submetidas a essa realidade há tanto tempo que, sem nos darmos conta, sucumbimos a falas alheias, nos afundamos em verdades mentirosas e acreditamos gostar, só por que eles disseram, e quando nos damos conta estamos escrevendo textos que terminam com “Viva os Homens.”

Danuza, eu também vi um grande funeral, digno de vestes pretas e glamourosas.

danuza leão

Eu vi o funeral do silêncio. Do silêncio que somos acostumadas a rezar. Eu vi o fim de mulheres caladas diante de séculos a fio em que fomos ensinadas a acreditar que assédio é um preço barato que pagamos por termos vagina (ou por sermos bonitas, como eles falam). Fomos doutrinadas a aceitar que vamos viver uma vida cheia de débitos por termos nascido mulheres, devendo tantos e tantos milhões para a humanidade e um desses milhões é o silêncio. Esse baixar de cabeça que acabou e acaba aos poucos todos os dias, quando falamos, escrevemos e ganhamos prêmios no globo de ouro, enterrando o finado sem coroas de flores, pisando com nossos saltos no caixão e dançando. Sem medo.

Tenho certeza que você, como qualquer uma de nós que compartilhamos esse gênero e o carregamos entre as pernas, mas sobretudo pesando nas costas, já viveu inúmeras situações de constrangimento vindo de algum homem em cargos de prestígio e sabe que o assédio não é uma piscadinha de longe num bar ou num nightclub. Também tenho certeza de que os ajustes são diários e as lutas doloridas.

Não julgue morte o dia que tantas de nós conseguem proclamar o começo da vida, em rede internacional, vestidas de Gala. O funeral foi merecido. Viva o funeral.

*Escrito por Jade Gorayeb, colaboradora das Ousadas

Imagem: via #meucorponãoépúblico


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?

0

Férias é época de fazer as malas, entrar no carro e se jogar na estrada. Não? Se você está com pouca grana ou apenas não planejou uma viagem para os próximos meses, é possível que um pouco de Netflix and chill caiba dentro da sua agenda. Ao contrário das malas e necessáires, você só vai precisar de: uma cama ou sofá, um controle remoto, um balde de pipoca e uma lista de séries boas e curtas para maratonar. Simples e econômico!

Não perca seu precioso tempo de férias procurando o que assistir nos catálogos de streaming, veja na lista abaixo as melhores indicações para você relaxar.

Séries boas e curtas para assistir de uma vez só

The Sinner

Se você não assistiria Game of Thrones com os seus pais, não assista The Sinner acompanhada deles. Na série, Jessica Biel interpreta Cora, uma jovem mãe que esfaqueia um estranho em uma praia lotada, sem motivo aparente. Um investigador se torna obcecado pelo caso, e tenta entender as profundezas deste mistério. Com a ajuda dele e do marido, ela começa a se lembrar de eventos no passado que podem ter causado o ataque de violência.

Quer uma boa companhia para maratonar The Sinner? Convide suas amigas! Não é exatamente uma série divertida para assistir durante uma girls night out, mas se vocês estiverem dispostas a aproveitar uma história densa, de virar a noite grudada na televisão, podem apostar nesta dica. A série, inspirada na obra de Petra Hammesfahr tem 8 episódios de cerca de 40 minutos e se encerra completamente na primeira temporada, ou seja, nada de pontas soltas para você ficar esperando ansiosa até o ano que vem!

Sherlock

Se você pensa que conhece a história de Sherlock Holmes, o famoso detetive inglês, pense de novo. A série estrelada por Benedict Cumberbatch, no papel do detetive, e Martin Freeman, no papel do dr. John Watson, é uma versão moderna dos livros de Arthur Conan Doyle. No século XXI, Watson é um médico veterano de guerra que procura um lugar para ficar em Londres. Ele acaba se instalando no endereço da 221B Baker Street, para dividir apartamento com Sherlock e os dois desenvolvem uma parceria intrigante, na qual a dupla vaga pela cidade inglesa solucionando crimes brutais.

Apesar das temporadas serem curtas, têm em média de 3 a 4 episódios, cada um deles tem duração de cerca de duas horas. Ou seja, se quiser assistir acompanhada, é bom escolher alguém com bastante disponibilidade durante as férias ou assistir em grupo durante uma viagem.

Ela quer tudo

Gosta de séries boas e curtas como The Get Down e Dear White People? Ela quer tudo é opção perfeita pra você! Na série baseada no primeiro filme de Spike Lee e dirigida pelo próprio, Nola Darling é uma mulher que vive um relacionamento poliamoroso com três caras: Jamie, o maduro; Greer, o narcisista e egoísta; e Mars, um excêntrico divertido. O melhor da história é que ela foge do lugar comum, no qual o maior dilema da protagonista é escolher entre esses três caras, em uma disputa entre coração e razão. Nola é totalmente segura de si. Ela faz porque ela é “sexualmente ativa, poliamorosa e pansexual”.

A série acabou de entrar na Netflix, e tem 10 episódios de 30 minutos. Se The Sinner é pesada demais para um corriqueiro encontro entre amigas, fique com Ela Quer Tudo e termine com uma boa conversa sobre tudo o que acabaram de assistir. Prometo que vai ter muita pauta!

 

Alias Grace

Pense na história de The Sinner, só que no século XIX. Grace Marks é uma jovem irlandesa condenada pelo assassinato brutal do patrão Thomas Kinnear e da governanta da casa Nancy Montgomery. Depois de 16 anos encarcerada, ela perde parte da memória e não consegue se lembrar dos motivos do assassinato. Grace conhece o Dr. Simon Jordan, um psiquiatra que se apaixona por ela, e faz de tudo para descobrir a verdade, mesmo que ela não queira se lembrar.

Alias Grace é perfeita para uma lista de séries boas e curtas. A temporada é unica, com seis episódios de 45 minutos cada. Quando acabar a maratona, você vai sentir saudades e esperar que tivesse demorado mais para assistir.

 

Big Little Lies

Quando Madeline e Celeste se aproximam de Jane, uma mãe recém-chegada na cidade, elas não imaginam que a amizade causaria uma série de transtornos para a calma cidade em que elas vivem. Big Little Lies é uma série da HBO (brilhante, diga-se de passagem), com elenco mais estrelado ainda (Reese Witherspoon, Nicole Kidman, Shailene Woodley e Zoe Kravitz) sobre as mentiras que as mulheres têm que contar, na tentativa de reproduzir tudo o que a sociedade espera de nós.

Eu assisti Big Little Lies sozinha, mas está na minha lista de séries boas e curtas para assistir com a minha mãe nas férias. A história trata assuntos sobre relacionamentos abusivos, sororidade, amizade de um jeito tão forte que parece um tapa na cara. A mini-série tem oito episódios, para assistir em uma sentada só. Me agradeça depois que assistir 😉

Imagem de capa: Reprodução/ HBO


Agora que você já sabe séries boas e curtas para assistir nas férias, que tal ajudar uma amiga no Clube Superela? Você pode responder a pergunta abaixo ou clicar aqui.

0

Ontem, rolando os dedinhos no mouse, pela minha timeline, me deparo com mais uma notícia horrível. Uma mulher foi brutalmente assassinada, pelo próprio marido, na frente do seu filho de 17 anos.

“Qual é a novidade nisso?” você deve estar se perguntando. Infelizmente, sinto, com um grande pesar no coração, ao te responder que “nenhuma”. Afinal, notícias como estas estão se tornando cada vez mais corriqueiras. Meu maior medo não é somente que a manchete se torne algo banal, mas que NÓS, SERES HUMANOS (somos SERES HUMANOS, cara!), também nos banalizemos.

Fui postar um comentário indignado, lastimando mais uma perda de um ser humano inocente que morreu só por SER MULHER. E aí dei de cara com inúmeros comentários inquisidores disfarçados de compaixão. Teve um, em particular, que me chamou a atenção também pelo número de respostas em apoio que recebeu. O comentário era mais ou menos assim:

“Coitada! Mais um feminicídio, que lástima! Me pergunto, até quando?! Não entendo por que alguém se submete a passar por isso! Até quando as mulheres vão ser mortas por se submeterem à situações como estas? Sei que é difícil mas, poxa! Saísse de casa, fosse pra polícia, chamasse ajuda! Viver assim é o que não dá! Temos que nos empoderar e ir à luta!”

Empoderamento e Sororidade de modismo: precisamos ir além!

sororidade

E um monte de mulheres apoiavam fortemente o “grito de revolta” e sacudiam as bandeirolas do “empoderamento de boutique”, sabe? Aquele que nem o movimento neo hippie, trazido pelos Millennials querendo reviver Woodstock, usando botas de couro de R$680,00 e vestidinhos “hippies” de R$480,00 conto, que só usurpam o nome, mas não incorporam a essência. Enfim…o EMPODERAMENTO DE MODISMO! Porque a palavra entrou na moda!

Eu geralmente não respondo comentários que considero babacas. Não gosto de perder meu tempo com babaquices alheias (só as minhas próprias já me tomam bastante tempo). Mas a esse comentário que já citei não resisti. Foi do fundo da alma.

Eu comecei perguntando: “Gata, aonde está a sua sororidade?”. E, antes que ela se desse ao trabalho de procurar no Google, copiei e colei o seu significado para mostrar que ela sabia exatamente do que se tratava.

Continuei:

Sororidade é algo implícito, atávico e imprescindivelmente empírico. Sororidade é a capacidade que nós mulheres temos de nos colocarmos no lugar da outra. Sem julgamentos, sem sentenças pré-formuladas, sem hostilidade. Sororidade é apoio mútuo feminino, da alma, não só da boca pra fora. A partir do momento que você coloca um “mas” no teu discurso, você impõe uma condição. E SORORIDADE LEGÍTIMA é IN-CON-DI-CI-O-NAL. No português claro, “NÃO DEPENDE DE CONDIÇÃO ALGUMA PARA EXISTIR”, e só se aprende na prática!”

Você não entende como uma mulher se submete à tais condições desumanas de vida. Percebe-se, obviamente, que você nunca sequer conheceu uma mulher que tenha sido vítima de violência doméstica. Deixa eu te explicar mais um pouquinho: a violência doméstica é o PIOR tipo de violência que pode existir na Terra, porque ela vem de onde não se espera. Ela vem das pessoas que supostamente eram para ser seu alicerce para te amar e proteger. A violência doméstica transforma o lar, que era pra ser um porto-seguro, em uma sucursal do INFERNO.

É fácil falar em ‘EMPODERAMENTO‘, nascida em classe média, com uma base familiar estruturada, saída de bons colégios particulares. É muito fácil bater no peito dizendo “SE EMPODERE!” quando se tem um diploma em mãos, um salário fixo e a casa dos pais para morar. É fácil levantar a bandeirinha do EMPODERAMENTO, digitando do seu Iphone 7 comprado na sua última viagem aos EUA. Mas, vá VIVER, pra você ver.

Vá se casar aos 16 anos porque mal se tinha o que comer em casa. Vá ter um filho aos 17, outros dois aos 18 e 19.Vá apanhar todos os dias do homem que você AMA.Vá passar uma vida inteira dentro de casa, lavando, cozinhando e servindo ao seu agressor, porque não se tem para onde ir, e não se quer deixar os filhos. Não se sabe fazer mais nada porque nunca teve chance sequer de estudar.

Sabe qual é o único desfecho dessa história? A MORTE.

Independente de qualquer reação da VÍTIMA, ela morrerá. Se sair de casa pra pedir ajuda, morre. Se ficar, morre. Se for à polícia, morre. Se fugir, morre. Se implorar, morre. Se se recusar, morre. E se matar, morre. Morre porque a sociedade a matará. Porque a CULPA a matará. Porque a fome, a pobreza e os olhares silenciosos de quem por dentro estará gritando “ASSASSINA”, a matarão. O descaso do governo, que parece só se interessar em proteger verdadeiros bandidos, a matará!

Não tem NINGUÉM pra defender a protagonista dessa notícia terrível. Comentários como o dessa menina, matam. Temos que parar com essa mania louca e absurda de culpabilizar as vítimas e vitimizar os culpados. Temos que parar de achar que as mulheres são mortas porque querem! Que mulher GOSTA DE APANHAR! Que mulher “NÃO TEM VERGONHA NA CARA E AMOR PRÓPRIO“. Que “MULHER SE SUBMETE A TUDO POR CAUSA DE UM MACHO“. Desta forma, nos tornamos cúmplices desses crimes.

Temos que parar de achar que ‘Empoderamento’ é só sair pra baladinha na zona sul usando um salto alto, um batom MAC vermelho e uma mini-saia que custou quase 1 salário mínimo. Temos que parar de cobrar EMPODERAMENTO de quem não tem a chance nem de saber o que é isso, e começar a AGIR. Temos que DEFENDER as mulheres que não podem fazer isso sozinhas.

Temos que parar com essa ‘sororidade’ genérica, que elogia nas redes sociais o clipe da Anitta de mini short e sutiã, mas que chama a mana de VADIA porque está usando um decote grande. Podemos trocar essa falsa sororidade por verdadeira empatia, por exemplo. Esse empoderamento elitista (e um tanto egoísta ao meu ver), por ajuda voluntária, por exemplo. Essa OBRIGATORIEDADE ditatorial de auto-aceitação a qualquer custo, por ajuda EFETIVA a quem não se aceita de jeito nenhum, por exemplo.

Tá faltando não somente olharmos para os lados, mas olharmos para dentro.

Enxergar algo além dos títulos, das manchetes, das aparências. Tá faltando COMPLACÊNCIA e PARCIMÔNIA. Palavras velhas, eu sei. Mas que essa nova geração não faz nem ideia do que significa.

Ser totalmente empoderada e segura de si, quando se veste 36, é branca e tem cabelo liso é moleza. Quero ver se empoderar e andar com a cabeça erguida quando se é impedida de acompanhar a amiga loira numa loja de grife. Ou quando se é encaminhada para a revista, depois que todas as suas amigas brancas passaram direto pela portaria. Minhas melhores amigas da vida são negras, e sofremos juntas todos esses episódios. Afinal, eu era a amiga loira que passava direto. E quer saber? Me dói tanto lá no fundo do âmago que não consigo conter as lágrimas ao escrever.

Vá se empoderar, gatinha, tendo que sofrer assédio do patrão calada para poder sobreviver. Vá se empoderar ganhando menos do que teus colegas homens, pelo simples fato de ser mulher.

Quero ver a tua sororidade com a ex do teu namorado que ele insiste em a chamar de louca. Ou com aquela mina que bebeu além da conta e está servindo de passatempo para uma rodinha de Playboys nojentos.

Sabe até quando as mulheres vão ser mortas por se submeterem à situações como estas?

Até quando existirem pensamentos como o seu. Que deve ser parecido com o de uma vizinha dela, que falava por aí que ela era uma OTÁRIA por fazer comida todo dia e lavar e passar as roupas de um safado que só vivia na farra e chegava em casa bêbado para bater nela. Que ela não tinha VERGONHA NA CARA e que era uma acomodada que, no fundo, gostava de apanhar.

Mortes como estas existirão enquanto não existir a verdadeira sororidade e AMOR.

Porque quando uma mulher é covardemente assassinada por um homem, não foi só ela que se calou, foi a sociedade inteira.

Eu, nesse exato momento, não tenho mais como expressar a minha tristeza, minha indignação, revolta e ÓDIO por todos os crimes bárbaros que vejo, pois não é só crime contra a mulher. São crimes contra crianças, idosos, trabalhadores, enfim, contra a Raça Humana. Nós estamos perdendo a humanidade… para a humanidade.

Precisamos nos humanizar. Urgentemente.

#humanizese

Imagem: As Branquelas (2004)


E que tal bater um papo sobre sororidade com essa nossa leitora aqui embaixo?

0

Maisa sempre foi conhecida por sua forte personalidade, as respostas na ponta da língua afiada e pensamento sempre muito ágil. Em sua última aparição no SBT, a emissora de Silvio Santos, ela participou do programa jogo das 3 pistas juntamente com Dudu Camargo, um rapaz de 18 anos que também é apresentador no canal de televisão.

Até aí, nada de diferente das atrações de qualquer programa de TV, mas para você que não teve a oportunidade de ver ou não leu nada nas redes sociais à respeito, vamos esmiuçar.

Conforme o programa ia acontecendo, os convidados interagiam entre si e com o público. Em um determinado momento, Silvio Santos começa uma brincadeira no estilo cupido e segue oferecendo Maisa a Dudu Camargo e vice-versa. Ele falava coisas do tipo: “vocês tem que ter um filho” “vocês tem que namorar” …

Maisa 3

Desde o primeiro momento, Maisa se mostrou desconfortável, deixou claro a insatisfação para quem quisesse ver, em especial para Silvio Santos, apresentador e dono do SBT, que insistiu e deu continuação às brincadeiras, não demonstrando se importar com o constrangimento causado em Maisa. O programa continuou, as brincadeiras também, o desconforto de Maisa também e Dudu Camargo, como esperado, entrou na onda do patrão e os dois, insistentemente, sustentaram uma brincadeira que só fez um lado da história rir.

O mais surpreendente nessa história toda foi a reação das pessoas a respeito da resposta da adolescente ao episódio.

Houve, claro, muito apoio, respeito, empatia, fervorosidade a favor da menina – lembrando aqui que ela tem 15 ANOS, apenas. Mas também houve muito desrespeito. Muitas pessoas a chamaram de arrogante, de metida, de chata, de “mimizenta”. Além de, claro, os insultos mais pesados que não valem a pena serem reproduzidos aqui pra vocês.

A reflexão que fica para mim nesse episódio é que as mulheres não vão se calar diante a qualquer coisa que as desagrade. E isso causa espanto mesmo. É uma postura tão machista e mal vista que somos tidas como chatas e arrogantes simplesmente porque deixamos claro que uma “brincadeira” não é do nosso agrado. O protagonismo em qualquer episódio, seja bom ou ruim, nos é dado sem o nosso consentimento e ai de nós se o recusarmos.

Maisa 2

Fazer de nossas vontades, gostos, preferências e querências uma prioridade é condenável para algumas pessoas? Sim, para UMA parte da sociedade, é sim. Mas não vamos mais contribuir para isso. Além da idade de Maisa ser imprópria para tais brincadeiras, ainda vale lembrar que se você conta uma piada, mesmo que despretensiosa, e nem todos riem, não é mais uma piada. Não é.

Não podemos tomar o “mas o fulano não fez nada demais” como argumento porque simplesmente o fato em questão não aconteceu conosco. Não podemos e não devemos jamais tentar determinar o que pode ser tomado como ofensivo porque o que nos ofende, alfineta e nos deixa desconfortável é muito relativo.

Ela se sentiu ofendida, ela não gostou e deixou isso claro para quem quisesse ver. Ela não foi respeitada. Ela continuou não sendo até o fim de sua participação no programa. E ninguém tem o direito de querer ditar se Maísa está certa ou errada ao se sentir dessa forma em relação ao que foi falado por Dudu Camargo e Silvio Santos.

Maisa 1

A postura de Dudu Camargo não é o assunto principal desse texto e eu não vou me aprofundar sobre ela, mas acho que quem questionou a reação de Maisa, pôde ver, ler e ouvir o apresentador e assim confirmar o desrespeito contínuo e machismo presentes em seu discurso.

Sigamos com a luta, firmes e decididas. Tenhamos 15 ou 50 anos, lutemos.

Imagem: Express Arts

0

O Carnaval passou, mas tá difícil de tirar o funk da cabeça. A cada 5 minutos a mente dá um duplo twist carpado e vai da novinha terrorista ao deu onda. Para você continuar a rebolar pelas festinhas da sua cidade, preparamos um post com a música mais indicada para agitar cada signo. Fique de olho no seu, ou faça uma playlist com essas pérolas da música brasileira:

O melhor funk para dar uma lapada no chão de acordo com a sua personalidade

Áries (21 de março- 19 de abril):

“Não olha pro lado quem tá passando é o bonde. Se ficar de caozada, a porrada come.”

As arianas são tão sinceras que de vez em quando podem ser vistas como ríspidas. Uma coisa que não dá pra negar é que vocês costumam ter o pavio mais curto do zodíaco e gostam de falar as coisas “na lata”. Apesar de tudo, são pessoas muito determinadas e podem ir muito longe se canalizarem sua energia para atingir seus objetivos.

Touro (20 de abril- 20 de maio):

“To com fome, quero leite. Eu assumo uma pipoca, me sacode. Quero croquete, com maionese.”

As taurinas são um pouco obsessivas e comilonas. Por isso, NUNCA, sob hipótese alguma, deixe alguém de Touro com fome. Sabe o quão chatas elas podem ficar quando estão com ciúmes? Então, elas costumam ficar 10 vezes piores quando estão há muito tempo sem comer. Além de comida, as taurinas gostam de carinho, estabolidade e proteção.

Gêmeos (21 de maio- 20 de junho):

“Eu nunca quis seu coração, amor demais só dá problema. Mas você pode ser então um pedacin do meu esquema, só um pedacin.”

Por serem bastante extrovertidas, as geminianas não conseguem levar tudo muito à sério. A coisa piora quando o assunto é amor, porque elas têm vários contatinhos e não conseguem desapegar de todos. A dica é: ouça seu coração e fique com aquele que te faz mais feliz. Ou tenha um relacionamento aberto, se isso te fizer mais feliz.

Câncer (21 de julho- 22 de julho):

“Eu sei que o tempo pode afastar a gente mas se o tempo afastar a gente é porque nosso amor é fraco demais. E amores fracos não merecem o meu tempo, não mais.”

Intensas que só elas, as cancerianas prezam por um bom romance. São muito dedicadas e gostam de cuidar dos outros e de seus relacionamentos. Podem parecer inseguras quando estão em um namoro, mas na verdade é apenas uma necessidade de saber que seu amor está sendo retribuído.

Leão (23 de julho- 22 de agosto):

“Sou foda. Na cama te esculacho, na sala ou no quarto, no beco ou no carro.”

O que as cancerianas tem de inseguras, as leoninas tem de convencidas. Amor próprio nunca é demais, mas cuidado para não ser arrogante. Por outro lado, as suas amigas te acham foda, como o funk já diz, porque você ama dar conselhos e emprestar um pouco dessa sua confiança.

Virgem (23 de agosto- 22 de setembro):

“Se revela santinha, sensualiza santinha”

Você que é virginiana é prática, inteligente e organizada. O mais próximo possível da perfeição. Ás vezes, você cobra dos outros o mesmo que cobra de si mesma e acaba ficando sozinha. Experimente sair da sua zona de conforto e divirta-se um pouco com o “cara errado”. Uma boa dica para começar a se soltar é rebolar até o chão dentro de casa mesmo ouvindo um bom e velho funk.

Libra (23 de setembro- 22 de outubro):

“Para de marra, me deixa dançar. Não é meu dono pra vir me mandar.”

As librianas são como se fossem as arianas “mais educadas”. A verdade é que quem é de Libra esconde dentro de si uma sementinha de Áries (sério, ambos possuem características muito semelhantes). Por isso, não contrarie uma libriana e dê a ela seu espaço. Por outro lado, de uma maneira geral são bastante equilibradas, não é à toa que o símbolo do signo é uma balança, e sabem negociar como ninguém.

Escorpião (23 de outubro- 21 de novembro):

“Namorar pra quê? Se amarrar pra quê? Prefiro tá solteiro que eu sei que elas vão querer.”

A escorpiana sabe que tem a magia da atração, então, como diz o funk: “namorar pra quê?”. Elas são ótimas solteiras e curtem muito aproveitar a vida, mas quando namoram são extremamente apegadas. Segundo elas, essa é a dica para não ficar sem sexo.

Sagitário (22 de novembro- 21 de dezembro):

“Vim te convidar pra ver, andar, correr de mãos dadas. Sei lá, sentar na calçada só pra brincar de viver.”

As sagitarianas são muito alegres e curiosas, o que faz com que elas estejam viajando o tempo todo. São brincalhonas e querem se divertir acima de tudo. Quem é do signo de sagitário é regido por Zeus, o Don Juan do zodíaco e o que mais “apronta”. Precisa dizer mais alguma coisa?

Capricórnio (22 de dezembro- 19 de janeiro):

“Eu sou patrão, não funcionário. Meu estilo te incomoda. Só pego as melhores e ando sempre na moda.”

Se esse post fosse só da música de cada signo, a música das capricornianas seria “Material Girl”, da Madonna. Como o post é de funk, eu escolhi essa música pelo apelo aos bens materiais tão característico do signo de Capricórnio. São determinadas a manter tudo o que conquistaram, e muitas vezes são tão pão-duras que chega a ser engraçado.

Aquário (20 de janeiro- 18 de fevereiro):

“Deixa ele chorar, deixa ele chorar, deixa ele sofrer. Deixa ele saber que eu tô curtindo pra valer.”

As aquarianas colocam muito a razão à frente da emoção. Elas ficam engraçadas quando sua liberdade está em jogo, e não abrem mão da sua autonomia de jeito nenhum. Pelo menos elas sabem espantar macho escroto, né?

 

Peixes (19 de fevereiro- 20 de março):

“Olha, cê me faz tão bem. Só de olhar teus olhos baby eu fico zen.”

As piscianas são sensíves e extremamente doces. Vivem no “mundo da lua”, cheias de ilusões e romantismo. O jeito doce, sonhador e carinhoso conquista a todos. São muito generosas e ótimas conselheiras.

 

Imagens: Youtube

0

Eram 6 horas da manhã. O vapor do chuveiro me incomodava. O dia já estava começando tão quente que tive que abrir a porta do banheiro. Enquanto limpava o espelho embaçado, percebi que todos da casa já estavam começando a acordar. Quando ia fechar a porta do banheiro me lembrei que havia esquecido o sutiã no quarto. Enrolada na toalha saí correndo em direção ao quarto. Meu maior medo era o novo marido de minha mãe. Ele não podia me ver assim, eu mal o conhecia. Se casaram depois de apenas 2 meses de namoro.

  1. O padrasto

medo

 

Já no quarto, no momento em que ia fechar a porta, meu padrasto entra abruptamente. Assustada, seguro a toalha firme para que nenhum traço de meus seios aparecesse. Não consegui sair do lugar, minhas pernas tremiam tanto que se eu arriscasse algum movimento poderia cair. Constrangido, ele olha para baixo, estica as mãos e me fala: – telefone para você!

Antes que dei por mim, já estava com os telefones no ouvido. Do outro lado, uma voz familiar: “- menina! Você não atende o celular mais não? Escuta, não vou conseguir chegar no primeiro horário, o trânsito está horrível. Você pode avisar ao professor que vou entregar o trabalho no final da aula?”. Não demorando muito a recuperar meus sentidos, disse que não havia problema.

Esse trabalho era muito importante para mim. Meu semestre todo dependia dele. Eu não podia atrasar, então não valia a pena pegar o ônibus para lá. Seria mais rápido se eu fosse a pé. São, aproximadamente, 10 quarteirões até a faculdade. Se saísse agora, eu ainda conseguiria economizar 10 minutos.

Passei pela mesa do café com a mochila, dei “bom dia” a todos, vesti um casaquinho fino e fui para a rua. Era impressionante como eu já estava sentindo tanto calor. Esse verão veio para ficar. Sorte que o vestido mais fresco que eu tinha estava disponível. Não sei por que coloquei esse casaco.

2. O estranho

medo

O caminho era tranquilo, sem muito movimento de carros e pessoas. As ruas eram todas residenciais, então quem era sortudo ainda estava deitado na cama. Quando estava passando enfrente à velha casa dos Rodrigues, que já estava desocupada há anos, decido tirar a blusa. Enquanto estava abrindo a mochila, um homem virou a esquina.

Ele era muito alto, e sua cara era de poucos amigos. Dava para ver que ele bruto apenas pelo seu jeito de andar. Ele fixou seu olhar em mim, e não tirou mais. Droga! Por que eu tinha que colocar um vestido hoje! Pra quê esse decote, nem consigo escondê-lo! O que faço?

Apesar de estar relativamente longe, ele caminhava em passos rápidos. No momento, tudo o que pude pensar foi em correr. Olhei a minha volta para ver se tinha alguém, e nada. Mesmo que a faculdade fosse para aquela direção, virei as costas e comecei a voltar o caminho o mais rápido e discreto que pude.

Com os olhos cheios de lágrimas, as mãos tremendo e o passo rápido, pude ver sua sombra aproximando da minha. Quando ela esticou o braço, me senti petrificada mais uma vez. Nesse dia eu percebi o quanto não sabia lidar bem com situações de medo. Com as pernas bambas novamente, vi que ele passou direto por mim. Quando pude vê-lo com o canto dos olhos, ele disse: “- ei, moça! Sua mochila está aberta. Tome cuidado para não ser roubada, hoje em dia esses pivetes estão cada vez mais rápidos!”

Quando recobrei a consciência, ele já estava virando a esquina. Me virei de volta à direção para a faculdade e comecei a correr. Não queria passar por aquilo de novo. Quando cheguei na sala de aula, percebi que ainda eram 6:45 A.M. O professor só chegaria daqui 15 minutos.

Com o passar do dia fui ficando mais tranquila. Cheguei até a rir de mim mesma. Não dava para ser tão cismada assim. No trabalho, conversei com todos normalmente, segui o meu dia como se nenhuma crise de ansiedade estivesse passado por mim.

3. O patrão

medo

Quase no fim do expediente, fui convidada para um happy hour com a galera do trampo. Como não tinha nada para fazer, fui. Já no bar, a esposa de meu chefe decide pagar a próxima rodada de chopps. Ela se levanta e vai em direção ao balcão fazer o pedido. Enquanto conversava com o barman, um homem chegou dando-lhe um beijo no pescoço. Fiquei surpresa quando meu chefe se levantou da mesa, gritando “EU SABIA”, e foi em direção aos dois.

Depois de golpear o cara, ele pegou sua esposa pelo braço e começou a perguntar o por quê dela ter feito isso. Ele estava fora de si e ela, apavorada. Nesse momento, eu decidi que não podia me petrificar. Estavam todos atônitos, e eu sabia que ela ia apanhar. Quando fui intervir, ele a jogou para o lado e veio em minha direção. Pronto. Agora nós duas íamos apanhar. E mais uma vez, ninguém se mexeu. Imagino que todos estavam com medo do patrão, enquanto o resto do bar não sabia o que fazer.

Quando coloquei os braços na frente de meu rosto, me protegendo, ele me disse: – por favor, não se meta. Ela está me traindo há anos com esse cara e eu não mereço isso. Preciso sair daqui antes que eu perca a cabeça.

Depois que vi sua mulher correndo atrás dele aos berros, pedindo desculpas, decidi que queria minha casa, minha cama. Peguei um táxi e fui embora. Durante o caminho vi que algumas meninas estavam voltando para casa a pé, sozinhas. Senti medo por elas.

Chegando em casa, tirei os saltos para que não acordasse ninguém, e fechei a porta do quarto antes de trocar minha roupa. Não dava para confiar ainda em meu padrasto. A verdade é que não conseguia confiar em ninguém. E o pior é deitar a cabeça no travesseiro sabendo que todos estes medos voltarão no dia seguinte de novas maneiras.

É um saco ser mulher, num mundo de culto a violência contra mulher.

Imagem: Pinterest

0

Muitos sonham em empreender por buscarem desafios mais alinhados as suas habilidades. Mas já pensou em intraempreender? Ainda hoje lembro que em 2002 li uma pesquisa divulgada pelo Instituto Data Folha que falava que 77% dos entrevistados que estavam empregados pensavam em abrir seu próprio negócio. Na última semana eu estava vendo o telejornal da Globonews e ouvi que muitos jovens pensam em criarem a própria empresa.  Afinal, por que empreender é tão importante assim para as pessoas?Por que o conceito se tornou sinônimo de independência?

Empreender, na minha opinião, nem sempre significa ter o seu próprio negócio. Em meus estudos sobre o tema, cheguei a seguinte reflexão: empreender trata de ser dono do negócio, ter autonomia de decisão, fugir da rotina, poder criar e inovar. E se tudo isso for possível de ser obtido bem onde você trabalha. O que você faria?

Intraempreendedorismo é a versão em português da expressão ”intrapreneur”, que significa empreendedor interno, ou seja, empreendedorismo dentro dos limites de uma organização já estabelecida.

O intraempreendedorismo (intrapreneuring) é um sistema para acelerar as inovações dentro de grandes empresas, através do uso melhor dos seus talentos empreendedores. É um sistema que oferece uma maneira saudável para reagir aos desafios empresariais do novo milênio.

empreender-ou-intraempreender

Eu diria que algumas empresas conseguem implantar o conceito do intraempreendredorismo e muitas pessoas podem fazer acontecer onde atuam. Basta, para isso, ter um olhar de dono do negócio, enxergando além das suas funções e questionando o que podem fazer a mais, não tolerando os desperdícios, o trabalho mal feito, a improdutividade, etc.  Nem sempre o intraempreendedor consegue criar um novo produto ou serviço, mas ele pode fazer algo para aumentar a produtividade do que faz. Um novo modo de trabalhar pode ser implementado ou, ainda, um processo pode ser redefinido.

Outro dia estava conversando com a cabeleireira que eu frequento e ela está há 18 anos na mesma empresa. Perguntei se ela tinha vontade de ter seu próprio negócio e ela disse que hoje até poderia pensar, mas ela podia fazer a diferença onde estava.  Ela, então, me contou que a rede de salões onde ela trabalha, tinha um modelo de atendimento e ela percebeu que nos momentos de crise suas clientes acabavam cortando o salão do orçamento para economizar.  Foi observando e anotando tudo que ela soube o volume exato de clientes que viriam todas as semanas e o quanto poderia economizar comprando o material todo e negociando melhor com o fornecedor. Para fidelizar suas clientes e garantir o dinheiro para pagar os produtos, ela apresentou ao dono do salão o seu projeto de criação dos chamados “Pacotes de Beleza”.

Como resolvedora de problemas que não mede esforços para se destacar em suas funções no salão, ela entregou um projeto além do esperado e acordado para seu cargo.  Ganhou a confiança do patrão, implantou seu projeto onde trabalhava e, depois de constatado o resultado, pode aplicar em outras lojas da rede.

Além da vantagem de não terem que arcar com todas as funções que um negócio próprio exige, ela conseguiu fazer diferente e garantir a receita. Afinal, no início de um novo negócio você tem que se desdobrar desde a função de office boy a de acionista. E, ainda assim, ser o último a receber o salário. Pois o que ninguém te conta é que para tudo dar certo, primeiro você arca com todos os compromissos financeiros que vão de pagamento de salários até fornecedores e impostos, para só então conseguir fechar a contabilidade e tirar o seu salário.

Agora a decisão é sua empreender ou intraempreender? O que se encaixa no seu perfil? Boa sorte e mãos à obra.

Imagem: Pinterest

0

O grande tempo de convívio entre as pessoas no ambiente de trabalho, principalmente, quando o contato é próximo e intenso, faz, muitas vezes, com que despertem sentimentos como atração e desejo. Não há um paradigma, mas em um escritório, por exemplo, é comum o envolvimento entre secretária e patrão ou o gerente de vendas e a vendedora.

Como em todos os atos da vida, é preciso pensar antes de agir. O que significa, nesse caso, se envolver com um colega de trabalho. É preciso se perguntar: essa atitude me trará consequências pessoais graves? Se sim, deixe para a fantasia. Mas caso não seja possível conter, acabar acontecendo e a situação ficar difícil de ser solucionada, às vezes, é preciso procurar uma ajuda profissional. Com descrição, a pessoa consegue solucionar o problema e evitar que ocorra novamente. Não atrapalhando o desempenho profissional futuro.

O relacionamento no ambiente de trabalho pode gerar prejuízos para os envolvidos quando se mistura vida profissional e pessoal. Promoções que acontecem somente quando há envolvimento afetivo ou sexual não são bem vistas. A pessoa ficará mais suscetível à manutenção do cargo, pode ser excluída, ou vista de forma menos capaz.

Os relacionamentos no ambiente de trabalho são comuns de acontecerem e vistos com naturalidade por muitas empresas. Mas é preciso ficar atento para que o relacionamento não atrapalhe o trabalho em si e é importante saber se as pessoas estão livres para se relacionarem. O que, comumente, ocorre é um estar livre e o outro não, mas dizer que está ou que está em um casamento desgastado, acarretando, muitas vezes, que o problema da vida pessoal interfira na profissional.

RESPONDA: Como tratar um cara que some depois do sexo?
RESPONDA: É possível gostar de alguém e não sentir o mesmo desejo de antes?

Em empresas que permitem relacionamentos amorosos entre funcionários o mais indicado é que os casais se comportem com descrição e sem serem muito efusivos. Se é público o relacionamento, não há mal em demonstrar carinho e atenção, mas de modo a não atrapalhar o serviço.

Já em empresas que não permitem relacionamentos e dois profissionais se apaixonam, o primeiro passo é manter a descrição, a cautela, afinal a fase da paixão passa. E caso a empresa descubra, o fato poderá redundar em demissões. Caso a fase da paixão perdure e, realmente, o casal queira permanecer juntos, o aconselhável é um dos dois procurar trabalho em outro local.

Assédio Sexual

Em caso de assédio sexual, imediatamente, contate a diretoria da empresa. Agora se o assédio vier da chefia, é importante o funcionário saber que pode acontecer da direção da empresa, por razões profissionais, preferir seu superior. Sendo então mais que conveniente procurar outro trabalho. No caso de funcionário público, como é raríssimo o pedido de exoneração, o assediado deve tentar uma remoção. É claro que o certo seria que o assediador fosse afastado, mas como comentei anteriormente, pode ser que ele seja imprescindível na organização e o assédio seja colocado em segundo plano. De qualquer forma, constatado de maneira inequívoca o assédio, é fundamental que a atitude seja comunicada a direção da organização para que o assediador seja neutralizado.

Clique aqui e receba nossos emails incríveis. : )

MAIS: 5 CAUSAS PARA SUA FALTA DE TESÃO
MAIS: OS HOMENS, OS SIGNOS E O SEXO

Imagem: pinterest.com/superelaoficial 

0