Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Se você é daqueles que disparam ao primeiro contato com fotos antigas do(a) seu(sua) namorado(a) que “Ex bom é ex morto!” e, antes mesmo de colocar Relacionamento sério no seu status. pede que ele(a) apague todas as fotos do sórdido passado com outro(a), por favor!, pare tudo e me acompanhe nesse texto.

Scott Pilgrim vs. The World é uma “adaptação” americana de 2010 dos quadrinhos de Bryan Lee O’Malley. Conta em seu elenco com Michel Cera (aquele mesmo, de Juno e Superbad), Mary Elizabeth Winstead (a mesma de Premonição 3 e Rua Cloverfield, 10) Kieran Culkin (sim, ele é irmão do eternamente esquecido Macaulay), Anna Kendrick (bem antes de Pitch Perfect) e Brie Larson (a ganhadora do Oscar por O Quarto de Jack).

Agora vamos resumir a história, que é simples: Scott vive com seu melhor amigo gay Wallace com quem, por falta de móveis, ele divide a cama (Ps: não existe neste universo e nem em qualquer outro a alternativa de você não gostar do Wallace – e eu especialmente me identifico com o fato dele ter uma queda por rapazes de óculos).

Scott namorava Envy – que na época era apenas uma garota e agora é uma rockstar.  Scott foi chutado. Muito bem chutadoE depois de ter seu frágil coração partido, ele se torna um canalha e passa a mergulhar em relações rasas nas quais ele pode ser amado e praticamente idolatrado sem precisar amar de volta.

Ele está levando uma destas relações (com Knives, que acabará sendo muito mais importante do que você imagina) quando conhece Ramona Flowers, a garota de seus sonhos – literalmente. Ramona é tudo: decidida, tem autoestima, não se importa com a opinião alheia, intempestiva, gringa, interessante, bonita e sexy as hell.

O único grande problema – além de Scott já estar em um relacionamento – é que Ramona tem sete ex namorados do mal que querem matar Pilgrim. E só há uma forma de os dois ficarem juntos: Scott Pilgrim precisa derrotar a Liga dos Ex’s (da qual até o Chris Evans (como Lucas Lee) faz parte, só pra você sentir o nível – e mais, não são só ex homens).

Scott Pilgrim e a eterna luta contra o ex

Depois de tudo, você deve estar se perguntando o que tem a ver com isso, né? Calma lá. Talvez você não precise derrotar os ex’s do seu amor em batalhas a la Mortal Kombat – com diálogos pré-luta realmente confusos, relações entre os personagens muito complexas, golpes quase inumanos, 3 rouds e fatality’s que te dão pontos. Mas, tenho quase certeza, que você luta contra os ex’s.

Veja os sinais e faça um check list:

  1. Você sabe que seu amor já amou aquela pessoa antes;
  2. Vê sinais disso nas marcas que aquela pessoa deixou nele – que podem ser o fato de que talvez o filme preferido dele tenha sido        apresentado pelo ex, ou talvez ele tenha uma tatuagem com o nome (em caixa alta) do ex no cóccix, nunca se sabe;]
  3. Teme que tenha muito mais do ex do que de você nele – e em seu coração (leia mais aqui);
  4. Você tem muito medo de não ser, de fato, a próxima etapa (depois de um ex totalmente ultrapassado) e que seu benzinho recaia nos braços do ex amor na primeira briga que tiverem – ou qualquer outra situação que o faça se afastar de você.

A luta contra o ex tem as seguintes consequências:

  1. O ex (ou a ex) se torna aquele-que-não-pode-ser-nomeado;
  2. Você tem uma crise de ciúmes – explosivas ou veladas – ao primeiro indício de marcas do ex (e olha que nem o mais bem treinado cão farejador é páreo para seu faro);
  3. Você começa a podar aquele que ama, tentando apagar todas as relações antes de você;
  4. Você mata seu relacionamento.

Achou um pouco brutal? Talvez. Mas, normalmente, são essas as coisas que acabam sem que percebamos com os relacionamentos, mesmo os mais bonitos. Scott vence seis dos ex’s e mesmo assim ele perde Ramona. Ela volta para o último ex. Scott volta e decide encarar o ex, só que pelo motivo errado: Ramona. Ele perde.

A grande lição coincide aí: lutar contra ex’s, amigos ou quem quer que seja só para ter alguém – mesmo que o ame – como prêmio é errado. Ramona até diz no filme “Talvez a pessoa por quem você devesse ter lutar não fosse eu.” Isso porque tira todo o livre arbítrio da paixão e quem você quer deixar de estar com você porque ele quer, de fato, estar ao seu lado, e sim porque você impediu que ele estivesse com outro. Existe uma abismal diferença entre zelar por uma relação e aprisionar uma: dar ao outro autonomia (leia mais aqui).

Quando Scott Pilgrim se dá conta disso é que ele consegue se estabelecer com Ramona. Ele deixar de lutar com outros, por outros e passa a lutar por si e com si. Ele vê que não é tão extraordinário Ramona estar com ele por quem ele é e a tira daquele pedestal de idolatria de bem precioso a ser mantido a qualquer custo. Neste momento a relação se equipara.

Depois ele percebe que seu ciúme e sua luta só estão tendo um resultado: afastá-lo de Ramona. Porque quando ele tenta de todo modo deixar os ex’s de lado e tirá-los totalmente dela, ele perde o foco da relação. Além de  descaracterizar Ramona, ele vê que essa luta faz com que, ao invés de manter um relacionamento com ela, ele está mantendo um relacionamento com o passado dela.

E por fim e mais importante: Scott percebe que os ex’s são um problema de Ramona. Ex não é “problema” de quem agora é atual e estaria supostamente ocupando o lugar que era dele (leia mais aqui). Ex é uma responsabilidade com quem manteve um relacionamento com aquela pessoa.

Porque se um dia houve um compromisso e sentimentos compartilhados e se esses ainda estão dúbios ou se por algum outro motivo essa pessoa não superou, são questões que só ela poderá resolver.  Assim, aprenda que ter crises de ciúmes só inflamam algo que já estava esfriando (o passado) e como já dizia o magnificentíssimo ditado de Twitter: “se ex fosse (leia-se “tivesse sido”) bom, não era ex”.

 

@ load more