Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Vamos dormir e acordamos, todo o santo dia, em um dos países que mais mata LGBT, NEGROS E MULHERES no MUNDO.

No MUNDO!

A campanha #elenão da qual orgulhosamente eu e muitas outras manas fazem parte escancaradamente, vem tomando as redes sociais de forma arrebatadora (alegria, alegria), e com ela conseguimos ver de qual lado da história artistas ou influenciadores em geral, escolhem estar.

É uma campanha contra um candidato que é declaradamente HOMOFÓBICO, MACHISTA, RACISTA. Tá tudo registrado, gravado, fatos e mais fatos que parecem ser ignorados por parte da população que dão de bom grado seu voto ao político.

Nas últimas horas a cantora Anitta, se viu envolvida em uma polêmica que resultou da sua preferência por não se posicionar nesse contexto, a artista alegou que não é obrigada a se envolver com política.

~Um adendo antes que eu prossiga, TUDO NA VIDA É POLÍTICA. A forma de se relacionar com o pessoal do trabalho, a forma de usar seu cabelo, de se vestir, a forma como você defende os seus ideais, a forma como encara e desenvolve seus pontos de vista, ao longo da vida, TUDO É POLÍTICA. Existir é política.~

Se envolver em política ao meu ver é fazer campanha, dizer em quem vai votar, panfletar, usar adesivo, trazer ao conhecimento do público candidatos de sua preferência, por esse ou aquele motivo. É usar da sua visibilidade. ISSO é se envolver em política. Se posicionar contra machismo, homofobia, racismo é apenas o seu dever como cidadão. Dever esse que se sobrepõe ao seu direito de ficar calado, sendo que vivemos em um país em que o extermínio de minorias é DIÁRIO. Lançar singles empoderados, ser musa em parada gay, usar da visibilidade do movimento para conseguir mais visibilidade e não retribuir minimamente, me parece vulgar, mentiroso, falso. Não é sobretudo, justo.

A cantora já se envolveu em outras polêmicas com relação a seu posicionamento político em relação a Marielle, onde ela simplesmente não falou sobre o assunto. Com relação a ter escolhido o diretor Terry Richardson, que possui um histórico de agressão a mulheres, para dirigir um de seus clipes e agora com relação ao candidato a Presidência de seu próprio país.

Após muita polêmica, após os fãs demonstrarem descontentamento, quando ela notou que seria impossível continuar se abstendo, ela se pronunciou em um longo texto no Instagram, no qual não esclareceu muita coisa, apenas disse se sentir vítima de uma sociedade com muito julgamento e ódio. Se ela se sente assim, imagine só seus fãs, parte de uma minoria perseguida diariamente.

Não é mesmo?

O direito que a assiste de não se pronunciar é latente e verdadeiro, só é uma pena que uma pessoa que seja tão relevante (isso é passível de reflexão por parte do público e eu espero realmente que isso seja repensado) para o público LGBT e feminino, um público que morre por não ter direito a existir em uma sociedade preconceituosa, não tenha querido e achado vital se POSICIONAR.

Ter um público LGBT é muito além de soltar um “ahazô viado” por aí. E que bom que situações como essa aconteçam porque é necessário avaliar e reavaliar quem te representa, e sim sejamos todos bem políticos. SEMPRE. Por um mundo melhor.

Imagem: Reprodução / Twitter

@ load more