Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Precisamos falar sobre controlar a ansiedade. Mas antes, precisamos falar sobre o que é a ansiedade, de onde ela vem e que efeitos tem sobre o nosso corpo.

A ansiedade é uma emoção despertada a partir de um processo químico com base neurológica e fisiológica, por isso ela afeta tanto nosso cérebro como nosso corpo.

É importante compreender que a ansiedade em si não é uma patologia. Ela é um estado de alerta importante para cada uma de nós. Esta importância se mantém desde o início da vida humana, quando os seres primitivos precisavam deste estado de alerta para se proteger de ameaças à sua vida e garantir a sobrevivência.

A ansiedade se torna de fato uma patologia quanto há:

  • Excesso de ansiedade – que pode gerar alguns transtornos como síndrome do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de ansiedade generalizada;
  • Falta de ansiedade – que demonstra o delicado caso de depressão profunda, onde o indivíduo não tem perspectiva de futuro, lhe falta energia para as menores tarefas e apresenta perda de zelo pela sua própria vida.

O que quero dizer é que a sua ansiedade – em nível controlado – é vital para a sua vida e garante que você se mantenha ativa, tenha energia, faça planos para o futuro, além de ficar ligada aos perigos ao seu redor.

Mas como controlar a ansiedade, evitando que se torne uma patologia?

Considerando que em um nível equilibrado é importante para sua saúde física e mental, separei 6 dicas que contribuem para o controle da ansiedade.

Atitudes para controlar a ansiedade:

controlar a ansiedade - 1

1. Alimente-se bem

Não farei uma lista dos alimentos que fazem bem ou mal, afinal, não sou especialista em nutrição e sabemos que este assunto costuma dividir a opiniões. Porém, há um fato inegável: a composição nutricional dos alimentos que ingerimos contribui para melhorar ou piorar nosso humor e sono, por exemplo, fatores estes que influenciam diretamente os ansiosos.

O caminho é procurar um profissional que te indique os melhores hábitos alimentares de acordo com suas características e rotina.

De forma mais prática, se no dia a dia houver dúvida sobre alimentação, algumas dicas universais podem servir:

  • Não pule refeições, nem passe muitas horas sem comer;
  • Prefira os alimentos naturais como frutas, verduras e legumes;
  • Fuja dos industrializados sempre que possível;
  • Quando se sentir muito agitada, evite a cafeína;
  • Antes de devorar tudo que ver pela frente, pense se está mesmo com fome ou precisa apenas utilizar a comida como forma de conter a sua ansiedade;

No mais, observe como seu corpo reage à diversos tipos de alimentos e vá ajustando a alimentação a partir disso – eu fiz desta forma para controlar a ansiedade e deu certo. 🙂

2. Pratique atividades físicas

Atividade física não precisa ser obrigação. Você não tem que ter os mesmos objetivos que as pessoas ao seu redor.

Uma mesma modalidade pode servir para diferentes finalidades de acordo com cada um. Por exemplo, há quem faça musculação para hipertrofia, definição, perda de gordura e por aí vai.

E nem só de musculação vivem os amantes de exercícios físicos. Existe pilates, balé, yoga, crossfit, dança de salão, sapateado, muay thai spinning… Você pode encontrar academias que permitam aulas teste grátis e encontrar algo que realmente te dê prazer.

Depois de saber o que quer fazer, trace seus objetivos a partir desta atividade: se sentir menos ansiosa vale como meta, viu? Não precisa escolher ser toda malhada, nem mais magra, nem mais gorda – o objetivo é só seu, não necessariamente precisa ter relação com os padrões da sociedade. Liberte-se e escolha o que você quiser!

A partir de então será preciso foco e persistência. O começo nem sempre é fácil, vai dar preguiça de ir, a vontade de deitar no sofá vai tentar te dominar e você vai querer fazer qualquer coisa, menos ir às aulas. Mas é só o tempo disso virar um hábito e, vencendo essa primeira etapa, vai ficando (um pouco) mais fácil.

Eu mesma demorei ANOS para me firmar em algum tipo de atividade física. Foi difícil, suado e confesso que comecei mil coisas até encontrar algo que me agradou minimamente e trouxe os resultados que eu queria.

O importante é não desistir nem se cobrar caso demore para que isso vire um hábito!

3. Respire

controlar a ansiedade - 2

Outro item que, de tão natural, chega a ser redundante, mas a respiração correta ajuda muito a controlar a ansiedade. Claro que este item (nem qualquer um dos outros 5) não substitui um tratamento e pode não ser suficiente em crises mais agudas.

Ele é mais um item pontual que pode te ajudar a conter os pequenos sintomas da ansiedade. A sua eficácia é comprovada por dois motivos:

  1. Quando estamos ansiosos, costumamos respirar rapidamente e não profundamente, fazendo com que o cérebro e outras partes do corpo não recebam todo o oxigênio necessário. A partir do momento em que paramos para respirar corretamente por alguns minutos, damos ao nosso corpo o que ele precisa, nos deixando relaxados e com mais clareza mental para focar na solução ao invés de focar no problema que nos aflige;
  2. Quando estamos com crises de ansiedade, tendemos a pensar muito no futuro, hipotetizando problemas e situações que talvez nem cheguem a se concretizar. Ao parar para respirar profundamente por alguns minutos, somos obrigadas a prestar atenção no inspirar e expirar, deixando por um momento os outros pensamentos de lado.

Este pequeno ato, por menor e mais rápido que seja, nos traz de volta ao presente – que é onde devemos estar para viver uma vida mentalmente mais saudável (já falei sobre o momento presente em outro texto) e feliz.

4. Diga não a qualquer pessoa ou situação sufocante

Tá certo que a ansiedade não pode se tornar uma muleta para que sejamos frágeis a ponto de não aguentar situações adversas, afinal, a vida também é feita de maus momentos, mesmo para as pessoas mais positivas e centradas.

Precisamos dominar a ansiedade e nos fortalecer emocionalmente? SIM.

Precisamos aguentar todas as pessoas e situações que se apresentarem para nós? ÓBVIO QUE NÃO.

O ato de dizer “NÃO” é muito complexo para as ansiosas de plantão, principalmente porque a ansiedade dificilmente caminha só – normalmente ela é acompanhada pela insegurança, baixa autoestima, síndrome do impostor ou outras derivações que nos fazem acreditar que devemos aceitar tudo que nos for colocado à frente.

Mas é preciso dar um basta naquilo que você já identificou que não te faz bem.

O ponto aqui é o famoso e desejado equilíbrio: antes de aceitar ou recusar qualquer coisa na nossa vida, é necessário parar e analisar a situação, o contexto em que ela se apresenta e as consequências do sim ou do não. Após decidir, é chegada a temida hora de reunir a coragem de seguir aquilo que você deseja.

No meu caso, para controlar a ansiedade foi preciso abandonar um emprego que me deixava no limite e não tinha mais nada a ver com meus objetivos de vida. Porém, tive que considerar o fato de que não podia ficar sem os recursos mínimos para me sustentar.

A partir disso, o que eu fiz foi economizar dinheiro para conseguir pagar as contas durante o período de transição, arrumei um freela para complementar a renda e cortei os gastos supérfluos, principalmente aqueles que identifiquei como “compensações” para suprir um buraco que a vida profissional estava deixando.

Este é um tema para outro post, mas depois de pedir as contas, acabei conseguindo um emprego muito melhor em uma área que gosto, em uma empresa com valores parecidos com os meus e estou nela até hoje: bastou dizer o tão desejado e planejado NÃO a uma situação que não me fazia feliz e um mundo novo se abriu para mim.

O segredo para o NÃO doer menos para você e para as outras partes envolvidas é a sutileza com que você pode fazer este processo, sempre planejando e medindo as consequências.

5. Não tente controlar tudo

Este item fala por si só. Basta entender que na vida tudo está em movimento, todo processo é cíclico e que até aquilo que agarramos com todas as forças pode (e vai) sair do escopo desenhado pela nossa mente ansiosa e acelerada.

Isso não significa que não tenhamos que planejar, que tenhamos que deixar a vida nos levar – muito pelo contrário – podemos e devemos continuar planejando nossa vida e nosso futuro, mas incluindo nisso a gestão de riscos, analisando previamente o que pode dar errado ou os pontos incontroláveis.

Outra dica é tentar entender que, assim como não temos controle das coisas ruins que podem acontecer, também não temos sobre as boas.

Aquela oportunidade não é a última da sua vida. Aquela experiência ruim do passado não garante que o mesmo vai se repetir no futuro. Aquilo que você julga ser inadequado hoje pode ser o que te fará feliz amanhã.

Acredite no universo, na vida, na energia positiva, no destino, em Deus ou no que quiser, mas acredite em algo e saiba que o melhor está sempre à nossa espera, desde que estejamos abertas para recebê-lo!

6. Entenda o que seu corpo quer te dizer

controlar a ansiedade - 3

Para controlar a ansiedade procure decifrar o que há por trás dos sentimentos relacionados a ela. Em muitos casos, esta situação é proveniente daquele sonho que deixamos de lado, de coisas que queremos fazer, de atitudes que precisamos tomar, de alguma realização em prol de nós mesmas para sermos mais felizes. Escute seu corpo e ele retribuirá de forma positiva!

Se não conseguir sozinha, peça ajuda, faça o tratamento psicoterápico e psiquiátrico para controlar a ansiedade, mas não fique parada aceitando qualquer condição de sofrimento. Temos a facilidade de viver em uma era que nos dá muitos recursos para alcançar a vida que tanto queremos e merecemos.

E lembre-se sempre: a vida se torna muito melhor quando conseguimos vivê-la da forma mais leve possível, e é dando um passo em direção à nós mesmas que muitas vezes encontramos a tão sonhada felicidade! <3

Imagem: Shutterstock / Giphy

@ load more