Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Normalmente, a gente passa muito tempo se preocupando com a forma como nossos corpitchos ficarão no verão. Principalmente quando o assunto é biquininho e maiôzinho. É agachamento pra cá, abdominal pra lá e, no fim das contas, sempre vai ter alguma coisa pra botar defeito na hora de avaliar o resultado final em frente ao espelho.

É pensando nisso que eu tive uma ideia: a gente precisa é de modelos femininos da linha body positive. São elas que vão nos inspirar a amarmos o próprio corpo E PONTO FINAL, saca? Sem photoshop, nem pose de blogueirinha com AQUELA luz perfeita que não deixa NENHUMA celulite aparecer.

Eu não quero abrir meu Instagram e ver uma barbie na minha frente, sabe? Ver aquela figura completamente fora da realidade, com mil retoques e maquiagens que vão fazer com que eu me sinta UM LIXO. Eu quero é gente real, do dia a dia que se ama e bota a cara no sol sem medo de ser feliz. Quero autoestima de verdade, sabe?

Ah, falando em autoestima de verdade, olha essa diquinha aqui: o Desperte a Diva em Você é um programa que propõe uma  verdadeira e completa transformação de vida com a reconstrução da autoestima, da autoconfiança e da segurança da mulher. Clica aqui pra saber mais e arrasar!

Então, vem comigo que vou te mostrar que sim: é possível ir pra praia com o corpitcho que tiver que vai ficar tudo bem. O principal é você colocar na cabeça que perfeição não existe. Melhor que isso, é ser feliz e ter muita saúde e sucesso nessa vida, né não?

Bora conhecer essa mulherada então?

Perfis body positive que você PRECISA conhecer

1. Jessica Kane

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

THIS WAS NOT BRAVE. I’ve been told how brave I am for not having a coverup, but going with out a wrap would only take bravery if I cared what others thought of me, but I don’t. I spend my time worrying about things I CAN control and this day, I was only thinking about how fab I felt and how much sun I was catching ☀️👍 Things that DO take bravery? A family battling tragic illness, a mother trying to beat addiction, a person trying to break free of domestic violence, reaching out for help when you have already planned your suicide and feel like you can’t breath one more day. THAT is brave. Not wearing a swimsuit at the beach. LIVE life and only worry about what really matters 💯. EDIT // can’t believe the support and attention brought to this and thank you from bottom of my heart in helping spread the message to be human shouldn’t be brave and to say so diminishes your value and theirs. Join in by sharing your picture with #thisisntbrave. And thank you fellow curvy pioneer @themarcyminute for taking this pic! 👉And keep up with my body diversity mission as I take over as Creative Director of Cool Gal Blue…full deets on my blog ❤️. Xo www.lifeandstyleofjessica.com

Uma publicação compartilhada por Jessica Kane (@jessica_kane) em

Eu já decidi começar com uma puta influencer que me inspira pra caramba, principalmente pelas coisas que ela fala. Uma das falas dela que talvez mais me marcaram foi, na verdade, uma resposta que ela deu a pessoas que diziam que ela era muito “corajosa” de mostrar as curvas, celulites e afins.

Nas palavras dela:

Já me disseram o quanto sou corajosa por não me cobrir, mas sair sem cobertura só exigiria coragem se eu me importasse com o que os outros pensam de mim, mas eu não me importo. Eu gasto meu tempo me preocupando com coisas que EU POSSO controlar e, hoje, eu só estava pensando em como eu me sentia fabulosa e quanto sol eu estava pegando.

Coisas que realmente exigem coragem? Uma família lutando contra uma doença trágica, uma mãe tentando vencer o vício, uma pessoa tentando se libertar da violência doméstica, buscar ajuda quando você já planejou seu suicídio e sente que não pode respirar mais um dia. Isso sim é coragem. Usar um maiô na praia não.

VIVA vida e só se preocupe com o que realmente importa.

2. Ju Romano

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

PROJETO VERÃO: vocês me VERÃO muito semi-nua, aproveitando a vida 😎✌🏻🍉 #projetoverao #fatkini #feriasdeverao #verao2019

Uma publicação compartilhada por Ju Romano (@ju_romano) em

Bora de BR? Bora! A Ju é uma blogueira plus size que já fez de tudo um pouco. Ela é uma das vozes mais influentes de São Paulo sobre toda essa filosofia body positive e tem o dom de inspirar centenas e milhares de mulheres por dia.

Um dos posts dela que mais gosto é, na verdade, uma foto sua de lingerie. Na legenda, ela fala:

“Por que você não se sente confortável no seu próprio corpo? Não se sente sexy? Não se sente segura? Eu demorei um tempo pra entender que a falta de representatividade de diferentes tipos de corpos mexia muito com a minha autoconfiança. Demorei pra acreditar que o diferente também é lindo (e no fim, sem Photoshop todo mundo é diferente). Minha última corrente a quebrar foram as lingeries. Me sentir confortável, bonita e perfeita nelas, com o corpo que eu tenho, foi LIBERTADOR.
[…] a gente precisa falar de temas do dia a dia de uma mulher gorda sem tabu, sem vergonhinha, sem medinho.”

3. Sabina Karlsson

Sabina tem TUDO o que uma modelo bem padrão não tem: sardas, cabelo cacheado, diastema (dentinhos da frente separados, tipo os da Madonna) e muuuuitas curvas. E sabe qual é o melhor? Ela continua LINDA!

Eu gosto muito de ver as fotos dela porque todas me dão uma esperança de que a moda se torne menos nociva a nossa autoestima, mais body positive e, claro, mais inclusiva, mostrando vários tipos de beleza pra gente se inspirar. Vale à pena ver um corpão desse na tela do celular, te garanto.

4. Thais Carla

Então: confesso que fiquei HORAS no Instagram dela pra escolher uma foto legal porque, na moral, todas são SENSACIONAIS. Ela é LINDA, LINDA, dança super (os passos dela em Paradinha, da Anitta, tão aí pra mostrar isso) e é um dos maiores símbolos brasileiros da luta contra a gordofobia.

Na legenda de um dos meus posts favoritos dela, rola um desabafo sensacional. Toda vez que me sinto mal com meu corpo leio ele, sério. É o seguinte:

“Muitas vezes a gente acaba achando que tem algo de errado conosco e que por isso precisamos nos enquadrar. Porém, na verdade, esse pensamento era fruto da invisibilidade que a mídia e a sociedade fazem com pessoas como eu (GORDAS). E muitas vezes a gente vai reproduzindo isso sem perceber. Sabem como mensurar isso? Fechem os olhos e imaginem 3 amigas felizes de biquíni na praia tomando um sorvete… Vocês pensaram em 3 mulheres gordas? APOSTO QUE NÃO! Logo que fiz essa foto com minhas amigas @itsnaiana e @gordaroupa, na Bahia, pensei nisso tudo. Antes não tinha uma amiga que pudesse ao menos pedir uma roupa emprestada e hoje tenho. Me contem: vocês tinham amigas gordas na adolescência?! E agora, vocês têm?!”

5. Sabrina Servance

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Sabrina Servance (@sabrinastyled) em

A Sabrina é um dos exemplos de que, muitas vezes, nossos padrões de beleza vêm do que os outros acreditam que devemos parecer, e não das nossas próprias vontades. Me identifico muito com ela porque, há 5 anos, pesava 60 kg e era uma bonequinha. Porém, minha autoestima era TERRÍVEL e eu sequer suportava usar uma saia curta por medo das minhas coxas super finas.

Hoje, peso 78 kg e me sinto mil vezes mais bonita. Pela primeira vez consigo te contar como é tirar um punhado de selfies por simplesmente me achar linda, e amar ver o resultado delas. Eu juro que não tinha isso antes.

O mesmo rolou com essa moça que vos apresento. Olha só o que que ela fala sobre todo esse lance de body positive:

“Perdi peso e me perdi. Eu NUNCA mais vou fazer isso de novo. Me amo tanto agora. Lutei muito para me tornar a Sabrina que você vê hoje. Não sou o padrão ideal de beleza, e nunca mais quero ser. Eu sou meu próprio tipo de linda e foda-se se você tiver um problema com a minha felicidade.”

6. Tatiana Lima

Essa moça é o maior exemplo que você respeita quando o assunto é obesidade x saúde. Muita, mas MUITA gente sai por aí gritando aos 4 ventos que pessoas gordas (sim, sem medo de usar esse termo) não são saudáveis e não se preocupam com o próprio corpo. MUITA gente também acha que, se você é gorda, não pode dançar porque os movimentos ficam limitados e o risco de se ter lesões é maior.

Pois bem: a Tati tá aí pra te mostrar que isso tudo é BALELA. É claro que a obesidade pode levar a um problema de saúde, mas a magreza excessiva também. E outra: tá cheio de gente gostosassa nesse mundo que não fica UM DIA sequer sem passar mal ou sofrer horrores porque não come o que gosta.

Sejamos sinceras? Nosso corpo é nosso santuário. É claro que a gente precisa cuidar dele, mas não: evitar o sobrepeso não precisa ser O PONTO INICIAL e MAIS IMPORTANTE de tudo. Se você tem a saúde boa e está acima do peso, jesus amado, vá viver, sabe? ISSO é ser body positive.

Inspire-se

Quer uma dica de ouro? Busque por figuras que realmente estão presentes em nosso cotidiano para se inspirar. Esqueça as capas de revista e atrizes Hollywoodianas. Elas não são reais e devem sofrer MUITO para se encaixarem nesse padrão ridículo que a indústria impõe.

Vá viver e ser feliz, tá bem?

Imagem: reprodução


E o que você responderia a essa pergunta logo abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?

@ load more