Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Vai me dizer que você nunca ouviu falar do desafio da Boneca Momo? Ah, pera… mas do desafio da Baleia Azul com certeza, né? Pois é. Deixa eu te contar uma coisa? Ambos, assim como VÁRIOS “ESCÂNDALOS” da internet, são falsos.

Ainda bem, né?

Então, mais ou menos. Só pra situar vocês, vamos do começo.

De onde veio a Boneca Momo?

boneca momo

O surto dessa boneca começou, na verdade, no ano passado. Sabe a Samara, daquele filme O Chamado, que comunicava POR TELEFONE que a pessoa (que viu um vídeo-cassete bizarríssimo) tinha só mais sete dias de vida? Pois é. Agora as coisas estão mais modernas, não é meixmo?

Lá para meados de 2018, surgiu um desafio do tipo “você se atreve a …?” Neste caso, o tchans era conversar com a Boneca Momo, que tinha nada mais, nada menos que um perfil no Whatsapp. Várias pessoas (pelo menos é o que dizem, né) chegaram a receber uma mensagem dela em dizeres em japonês. Traduzidos, eles faziam menção a um mangá/anime conhecido como Death Note (muito bom, por sinal). Ela se apresentava com uma frase famosa do personagem “L”, um detetive que buscava incessantemente pelo estudante e assassino nos tempos livres Light (Yagami Raito ou, para os mais íntimos, Kira).

Então, cá pra nós, era pra essa Momo ser gente boa, né? Se ela, de alguma forma, representava um “justiceiro”, dava até pra pedir um autógrafo. Mas não. Acontece que a Boneca Momo é extremamente sinistra e, por isso, dá um medinho. SÓ que, plot twist, ela é, na verdade, uma escultura feita em 2016 pelo artista Keisuke Aisawa, e ficou exposta um tempão no museu Vanilla Gallery, em Tóquio.

Aliás, seu nome nem é Momo, mas sim Guai Bird (e é aí que a gente começa a entender por que ela é tão assustadora). Senta que lá vem história:

Guai Bird faz parte de uma lenda urbana chinesa/japonesa. Ela é a representação do que seria um Ubume, espírito de uma mulher que morreu antes, durante ou logo após a gravidez. Ele, basicamente, perambula por aí agonizando a perda da criança. Aí, esse nome (Ubume) é escrito com caracteres que também podem significar “pássaro arrebatador de CRIANÇAS” (e essa tour é muito bizarra porque esse pássaro vem de uma OUTRA lenda urbana, dum pássaro virginiano furioso (essa última parte foi de minha autoria e cês já vão entender o porquê) que procurava por pessoas QUE ESQUECIAM SUAS ROUPAS NO VARAL À NOITE).

Aí, juntou o útil ao agradável: Momo (que na verdade é Guai Bird) é uma mulher metade humana/metade pássaro (porque né, acontece) que pode, eventualmente, sequestrar crianças.

E foi aí que o terror começou

Então, olha procê ver como a globalização pode ser uma bosta. A Momo começou a tacar o terror aqui, no Reino Unido e em trocentos outros cantos do mundo. Acontece que essa peça rara começou a assustar as crianças por aí, seja pela sua foto (que já é o suficiente, na minha opinião), ou pela… filosofia de vida. É, DIZEM que ela “ensinava” os guris a se matarem.

Ocorre que uma criança, diferente dum adulto, não sabe que quem está por trás da Momo é uma pessoa problemática e perigosa, e não um espírito que quer sequestrá-la e roubar suas roupas no varal (pois é, já embolei tudo). Então o perigo é, basicamente, REAL. Vários pais afirmam que seus filhos conversaram ou viram a Momo e ficaram assustadíssimos e né, com razão. O problema é o que vem à seguir.

Por que a culpa da Momo “existir” é nossa?

Ok, a gente não criou ela. Bem, pelo menos não fui eu, e muito menos os pais preocupados com seus rebentos (que, por sinal, voltaram a ser assombrados agora em 2019, só que em forma de vídeo – porque essa Momo é muito antenada, cara, vive se inovando). O problema é que eles, nós e vós COMPARTILHARAM esse troço e causaram uma espécie de surto coletivo. Acreditem: esse Ubume tornou-se viral porque nós, preocupados e sem apurarmos a história verdadeira (e a mídia também, principalmente), começamos a compartilhar seus vídeos e menções com o objetivo de alertar outras pessoas. Porém, a gente tá alertando pessoas sobre algo QUE NUNCA ACONTECEU.

E aí rola o efeito reverso:

Crianças acabam ouvindo essas histórias. Crianças têm whatsapp. Pode apostar que elas sabem futucar na internet tão bem quanto nós. Então, quando um pai desesperado começa a espalhar a ideia da momo, assim como os jornais e afins, os pequenos VÃO FICAR SABENDO e, eventualmente, podem se inspirar nesse troço para fazerem mal a eles próprios.

Infelizmente, eu já li vários casos de crianças que tiraram a própria vida e desconfia-se que a culpa tenha sido relacionada à Momo. Pois é. O surto alcançou níveis tão épicos que as pessoas que mais têm medo dela foram aquelas que a fortaleceram.

E é por isso que a internet é tão perigosa

Resumindo? O importante é a gente deixar a preguiça de lado e começar a apurar mais as mensagens que recebemos, ao invés de saírmos compartilhando-as sem sequer sabermos se é verdade ou não. Entenda: a corrente que sua tia te manda sobre o Whatsapp Gold ou a Momo é a mesma daquela menina que arranhava seu telhado e puxava seu pé se você não repassasse o e-mail pra 20 pessoas (entendedores entenderão – e viva os anos 90/2000).

Por um mundo com mais filtro, cara. É tudo que eu peço. E deixem a Momo/Ubume/Yokai/Pássaro Boladão de Varal dormir em paz, vá.

Imagem: via Tracy Ma / New York Times

@ load more