Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Epa epa! Um segundinho, por favor. É que eu queria avisar que esse texto não tem o propósito de ACUSAR e CONDENAR Carolina Dieckman de gordofobia. Vocês vão entender isso mais para frente, mas é importante ressaltar que, se ela for gordofóbica, isso provavelmente não é culpa dela, mas sim dessa sociedade louca que a gente ainda vive.

Bora entender o que aconteceu primeiro?

Nesse sábado, dia 01 de dezembro, Carolina Dieckman, durante um bate-papo no programa Altas Horas, confessou que “gostaria de viver tensão de passar no vestido” de noiva. Acontece que ela conta que, quando casou pela segunda vez, estava grávida de 6 meses, então não pôde passar por isso. “No meu segundo casamento, eu estava uma obesa, eu estava com seis meses de gravidez. Havia engordado 20 quilos. Uma pessoa gorda, de branco, piorou tudo”, comenta em tom descontraído.

Agora, queria só dar uma pausa pra mostrar a moça grávida:

carolina dieckman

E aqui vai o vídeo também do que rolou no programa:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por RD1 (@rd1oficial) em

Carolina Dieckman é gordofóbica?

A resposta BÁSICA para essa pergunta é: não sei, pode ser que sim. Entenda: o importante aqui não é acusar a moça, e muito menos condená-la por um sentimento tão desagradável que é a gordofobia. Imagina o que passa pela cabeça de uma mulher que se chamou de obesa porque estava GRÁVIDA? Ela tava com um barrigão todo lindo, poxa. Pode apostar que, no dia do casamento, ela deve ter ficado um pouco desconfortável com o vestido, ou com toda a situação.

O fato é que Carolina Dieckman é uma pessoa pública. Então, a gordofobia que “mora nela” tem um peso (não foi trocadilho infame, juro) muito maior. Ou seja: o que a gente sente é multiplicado por três em uma atriz que tem 20 câmeras vigiando cada passo dado dela. Isso sem falar em toda a questão de manter a beleza, envelhecer bem, ser capa de revista e por aí vai. Só quem já passou por isso sabe o quanto a indústria da moda e beleza podem ser complicados pra autoestima de uma mulher.

E não, não é exagero

Um exemplo besta, gente: quem aqui lembra de quando a Record fez uma matéria criticando o corpo da apresentadora Fernanda Gentil? Acontece que a moça foi “flagrada” tomando um banho de mar na praia. A reportagem, com o tema “expectativa x realidade”, detonou o corpo de Gentil. O pior ainda está por vir: a emissora não sabia que ela estava GRÁVIDA de dois meses. E, na moral, onde tem imperfeição aqui?

carolina dieckman

E esse é só mais um exemplo, gente. Isso acontece, sem brincadeira, todo santo dia no universo feminino. É claro que Carolina Dieckman, enquanto pessoa pública, poderia ter levado essa conversa para um outro caminho, mas tudo bem também. O importante é entender que o amor próprio precisa ficar acima de tudo. Que essa repercussão sirva para o bem, entende?

Sem condenar a atriz, por favor

Hoje em dia ficou fácil demais julgar e condenar as pessoas. Teve um texto que escrevi aqui semana passada sobre a polêmica acerca das fotos pós-parto da Isis Valverde e a chuva de comentários que a julgavam por isso. Afinal, “ela deveria estar com o filho, e não ficar tirando foto na frente do espelho”. Porém, o pior foram as mulheres que, a favor da Isis, começaram a responder quem fazia comentários desse tipo. Era cada coisa que eu lia que dava até um nó no estômago. “Você fala isso porque é baranga e nunca vai ser linda que nem ela”, “deixa de ser mal amada” e por aí vai.

Acreditem, meninas: pior que ter comentários gordofóbicos em programas de rede nacional, é esculachar a moça e esquecer dum conceito básico que deveria existir entre nós que é a SORORIDADE. Enquanto nós ficarmos atacando umas às outras, NADA de NADA vai se resolver, beleza?

Imagem: reprodução


E o que você responderia a essa pergunta logo abaixo, feita no Clube Superela?

 

@ load more