Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

“Compra pra mim!”

Essa frase é bem conhecida, não é mesmo?

Deixa eu te contar o que aconteceu comigo. Uma vez fui ao shopping com a minha filha Isabella, estávamos andando nos corredores e ela se deparou com uma loja de brinquedo.

Ela saiu correndo e eu correndo atrás dela, rs.

Aí ela começou a pegar todos os brinquedos que via pela frente e dizia para eu comprar. Quando eu disse que naquele momento não estávamos indo comprar brinquedo, ela começou a chorar incontrolavelmente.

Eu tentei acalmá-la e, ao sairmos da loja, pensei: “É hora de começar a ensinar educação financeira para ela”.

Então, conforme falei para você que me acompanha no YouTube e Instagram, e aqui através dos artigos, eu comecei todo o processo para ensiná-la de forma lúdica, contando histórias que eu mesma criei para que ela entendesse determinados assuntos, e também com muita brincadeira.

O fato é que vivemos em uma época de muita informação e nossos pequenos estão na era digital. Aquela brincadeira de rua que nós tínhamos hoje é substituída por celular, computador e tablet. E com isso o consumismo infantil aumenta

Uma coisa é fato: não adianta proibir, ou seja, não deixar eles assistirem, pois quando a gente virar as costas eles irão assistir, não tem jeito!

O que a gente precisa mesmo fazer é começar a ensinar educação financeira para que eles façam um bom uso do dinheiro de forma consciente.

Só para você ter uma ideia de como está a publicidade infantil, recentemente o YouTube foi multado no valor de US$ 170 milhões pelo recolhimento ilegal de dados de crianças na plataforma de vídeo.

A empresa foi acusada de violar a lei americana de proteção à privacidade on-line de crianças (COPPA), que proíbe a coleta de dados pessoais de menores de 13 anos sem o consentimento dos pais.

A multa aplicada foi calculada com base na estimativa de lucro da empresa ao utilizar esses dados para segmentar anúncios em vídeos direcionados ao público infantil. Após esse ocorrido, o YouTube mudou as regras de publicidade.

Sem falar, também, que a publicidade gasta milhões com unboxing que, até então, não tinha nenhum intuito de fazer com que as crianças se vissem abrindo os brinquedos. Porém, eles viram a oportunidade e caíram matando.

Deixa eu te explicar como funciona: o chamado unboxing é quando somente aparecem as mãos no vídeo abrindo uma embalagem de brinquedo.

Então, o vídeo mostra a pessoa abrindo as embalagens até de fato chegar no brinquedo e, com isso, a criança acaba ficando hipnotizada, como se ela mesma estivesse abrindo o brinquedo.

O que vem em seguida você já sabe né, ela começa a pedir pelo brinquedo e, muitas vezes, alguns pais por se sentirem ausentes por trabalharem o dia todo fora acabam comprando brinquedos caros – e o pior: comprometendo o orçamento da família.

Como evitar o consumismo infantil

Vou colocar aqui como você pode dar início na educação financeira do seu filho e evitar o consumismo infantil. O ideal é começar a partir dos três anos.

Nesta fase, você pode introduzir a semanada.

Você pode pedir para que seu filho desenhe três sonhos e, em seguida, você pode colocar um prazo para estes sonhos. Tenha em mente que curto prazo para uma criança é três meses, médio prazo são seis meses e longo prazo é por volta de um ano.

Assim que ele definir os sonhos vocês podem combinar algum dia da semana em que você dará o dinheiro.

Você pode definir o valor da seguinte forma. Por exemplo, a Isabella tem 5 anos, então eu fiz o cálculo de R$ 1 x 5 (idade). Assim, o valor da semanada era de R$ 5.

Mas nada de guardar todo o dinheiro no cofrinho! Eles precisam ter equilíbrio, então metade ele guarda para os sonhos e a outra ele pode gastar. De preferência, faça com três sonhos seguindo os prazos que mencionei acima.

É legal também você contar a história do dinheiro para o seu filho. Existem vários vídeos no YouTube que mostram a história de forma lúdica. Assim, o seu filho vai entender que, no início da civilização, por exemplo, o comércio era na base do escambo, ou seja, na troca de mercadorias.

Muitos educadores falam para não levar a criança ao supermercado. Eu discordo, pois nesta fase em que você está ensinando é importante levá-lo ao supermercado para ensinar a importância de fazer a lista, comparar preços e ter uma meta de quanto vai gastar.

E nada de usar mesada como castigo! A mesada é um instrumento de educação financeira. Tem muitas outras coisas que eu poderia colocar aqui, como os tipos de mesada, que muitas vezes achamos que precisa ser em dinheiro, mas a mesada pode ser de outras formas também, mas o texto ficaria enorme.

Então, se você não me segue nas mídias sociais, me acompanhe! Eu estou sempre compartilhando conteúdos e logo também darei um curso online para você ensinar educação financeira para o seu filho e aprender a lidar com o consumismo infantil.

Espero você no próximo artigo. Um abraço!

Imagem: Freepik

@ load more