Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Já eram 18 horas. Subi correndo pelas escadas, já que não queria perder o meu horário. Já faz quase dois meses que comecei a frequentar um psicólogo, mas, durante esses meses, ainda não tinha conseguido conversar francamente com ele. Tenho medo do jeito que ele possa vir a me olhar depois de descobrir o que sinto e como sou de verdade. Vai saber, não é mesmo?

O meu horário sempre era o ultimo, às 18 horas, eram 45 minutos de conversa, onde praticamente só ele estava falando, não porque ele queria, mas porque eu não conseguia me abrir. E então hoje, quando acordei, senti vontade de dizer tudo que estava entalado aqui dentro. Tudo que eu não conseguia falar estava, naquele momento, na ponta da língua.

– Desculpe o atraso! – disse à recepcionista.
– Tudo bem, já pode entrar, ele está aguardando. – A recepcionista me disse de forma um pouco apressada, pois já haviam passado dez minutos. Eu tinha menos 10 minutos pra falar o que precisava.

– Como vai? – meu psicólogo disse.
– Olha só, hoje eu quero muito te contar tudo o que eu sinto, tudo mesmo, preciso que me escute, pois não sei que dia vou conseguir fazer isso de novo.
Ele apenas me olhava de uma forma que dava a entender que aprovava a minha atitude.

– Prossiga. – Disse muito calmo.
Eu sou muito difícil, sabe. Muito mesmo! Não sei bem como te explicar isso, mas, geralmente, eu afasto as pessoas com medo de que elas realmente me conheçam, não sei, tenho medo que elas descubram os meus defeitos e mais tarde usem isso contra mim.

Ele apenas continuava a me olhar da mesma forma de antes, sem expressar qualquer tipo de desaprovação. E isso era o que eu mais gostava de poder falar sem ter o olhar de julgamento dos outros.

Eu não sei bem o que sinto em relação a minha vida, têm horas que estou bem feliz, mas aí, de repente, eu sinto culpa por me sentir bem, pois minha vida não está como eu imaginava e aí eu fico me torturando por não ser como imaginei há alguns anos. Sinto-me mal por não ser tão perfeita como pensei que seria.

 meu psicólogo 2

Nesse momento, eu me levantei e comecei a conversar em pé. Não era mais com ele, mas comigo mesma. Repetia pra mim tudo aquilo que sentia.

Eu preciso ser mais otimista, sabe? Ser mais flexível comigo mesma. Tá vendo só, agorinha eu estava falando que não sou o que imaginava e agora já estou dizendo que preciso ter mais paciência comigo. Sinceramente, não me entendo. Eu tenho muito medo. Medo de não ser feliz, de não ser amada, de nunca ter uma boa vida. Tenho muito medo da vida, eu acho.

Parei em frente a ele e me sentei no sofá, fui tomada por uma vontade de chorar, pois estava realmente me mostrando pra alguém – e há muito tempo não fazia isso.

– Tudo bem. – Ele disse de forma muito serena.
– Tudo bem, como assim?
– Você esta começando a ver tudo àquilo que precisa ser mudado, ao mesmo tempo em que percebe que é um ser humano e nunca vai conseguir alcançar a perfeição que acha que precisa.
Eu apenas o escutava.

 meu psicólogo 1

– Tudo bem sentir medo, sentir que está perdida na vida. Você precisa perceber que está tudo bem quanto a isso. Você já consegue se encarar, e isso é importante.
– Mas o que eu vou fazer com esse medo todo? – perguntei quase implorando por uma resposta.
– Você vai enfrentá-lo. Vai fazer do mesmo jeito que fez aqui, chegar e encarar o que sente mesmo que não entenda o que é. É isso que você tem que fazer. Não adianta ficar tentando se enganar, se você sente, é melhor assumir isso. A partir disso, conseguirá pensar melhor sem o peso de tantos esses sentimentos escondidos.

A conversa continuou de forma leve, acabei percebendo o peso que estava carregando havia se amenizado.
Saí do consultório muito tranquila. Não porque os meus problemas estavam resolvidos, não é essa questão, mas estou ciente do que sinto. E mesmo que seja apenas medo, eles não estiveram sempre aqui, então eu posso deixá-los ir.

Agora só falta encarar toda a vida que eu tenho pela frente e entender que eu posso, sim, ser feliz, independentemente dos medos que eu tenha.


Terminou de ler este texto? Que tal ajudar a nossa leitora abaixo?

@ load more