Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Bem, hoje é dia de solucionar uma dúvida MUITO frequente entre as mulheres que é a seguinte: qual a diferença entre gozar e ter um orgasmo feminino?

diferença entre gozar e ter um orgasmo1

Bem, eu não tirei essa dúvida do sovaco (apesar de ter estreado minha conta no Yahoo Respostas com ela lááááá em 2.000 e Sandy Júnior ainda estavam juntos). Acontece que essa pergunta sobre a diferença entre gozar e ter um orgasmo apareceu no Clube Superela. Saca só:

diferença entre gozar e ter um orgasmo

Ela teve muitos acessos (ou seja, muita gente querendo saber qualé que era a resposta de ouro), porém, poucas respostas.

E é por isso, então, que a gente tá aqui, né? Vamos dar uma solucionada nisso duma vez e sacar qualé que é a diferença entre gozar e ter um orgasmo? Vamo!

Ah, sabia que a gente tem uma área especial que ensina as mulheres a terem orgasmos? Com muitas dicas, técnicas, fotos e vídeos? Você ainda pode participar do nosso grupo secreto no Facebook e tirar dúvidas com uma especialista no assunto. Saiba mais aqui: “Especial Como Gozar Sozinha”

Além disso, existe um curso pra descomplicar nossa vida sexual, miga! Se você é do time que não entende muito de assuntos como pompoarismo, ginástica íntima e desfunções sexuais, ou apenas quer se aprimorar em algum deles, dá uma olhadinha aqui no Curso Entre Nós.

Qual a diferença entre gozar e ter um orgasmo?

Não! A verdade é que realmente existe uma diferença entre gozar e ter um orgasmo feminino. Você pode gozar sem ter um orgasmo, ter um orgasmo e não gozar, e gozar e ter um orgasmo. São coisas independentes. Vamos por partes:

Sobre gozar

A mulher goza (ou tem uma “ejaculação feminina”) quando produz uma quantidade excessiva de lubrificação durante o clímax sexual. Esse fato ficou popularmente conhecido como “gozar” porque o líquido, expelido pela uretra, sai em forma de jato, o que é bem parecido com quando o homem goza (ejacula).

Ocorre que, entre os cientistas, essa tal de “ejaculação feminina” (mais conhecida como “squirt”) é um fato questionável porque eles SEQUER sabem de onde esse líquido vem. Desconfia-se que ele seja fabricado pela glândula de Skeene (que se localiza próxima ao clitóris e à abertura da uretra, e é responsável pela nossa lubrificação).

Só que ó, cuidado: assim como existe uma diferença entre gozar e ter um orgasmo, também existe outra entre lubrificação vaginal e ejaculação feminina.

diferença entre gozar e ter um orgasmo

A ejaculação SÓ acontece quando a mulher está lá no clímax sexual, enquanto a lubrificação pode rolar só da gente olhar pruma pessoa beeeem gostosa na rua.

No mais, outros fatores importante sobre a ejaculação feminina são:

Toda mulher é capaz de gozar porque toda mulher tem glândula de Skeene. Porém, esse evento não é obrigatório. Se você nunca ‘gozou’, não se preocupe, não há nada de errado com o seu corpo. E para quem já ejaculou uma vez e depois nunca mais, também não precisa cismar com nada. Esse evento não tem relação alguma com doenças como a menopausa, por exemplo.

E por fim, o fato de ejacular não está diretamente ligado ao prazer excessivo, sabe? Não é porque você gozou que o sexo foi mais gostoso e vice versa.

E como saber se você já gozou?

Pelas glândulas de Skeene ficarem muito próximas da região da uretra, a sensação de gozar é MUITO parecida com a de fazer xixi. Porém, isso não significa que nesse líquido ejaculatório contenham rastros de urina, até porque é muito difícil fazer xixi durante o sexo porque os músculos da região pélvica se contraem bastante.

Só que, é claro, não é porque você teve vontade de fazer xixi na hora H que era ejaculação feminina. A verdade é que qualquer movimento próximo ali da uretra pode causar essa sensação. Então, se ainda houver dúvidas, o melhor é esvaziar a bexiga bem antes de transar (e isso é inclusive recomendado para dar um trato nas bactérias que ficam por lá).

Sobre ter orgasmos

O orgasmo é o que a gente pode chamar de ápice da relação sexual. Ele acontece concomitante com a contração dos músculos da vagina na hora em que chegamos aos “finalmentes”. Porém, isso não se atém somente aos fatores fisiológicos. Um dos maiores responsáveis pelo orgasmo é, na verdade, a nossa mente! Pasmem: tem mulher que consegue gozar SÓ ESCUTANDO MÚSICA. E olha… é uma sensação TÃO maravilhosa que, acredite, não tem como ter dúvidas. Quando se está prestes a gozar, dá pra saber o que vem por aí!

Será que você já teve um orgasmo?

Bem, por mais que a gente diga que dá pra saber quando ele acontece, não custa nada tentar dar uma colher de chá por aqui, né?

Algumas mulheres dizem que o corpo costuma tremer de forma involuntária, como se estivesse tomando um choque. Já outras sentem, inclusive, uma vontade sinistra de rir (ou chorar) sem nenhum motivo aparente. A reação do corpo é certa: os músculos das genitais, da pélvis, das nádegas e das coxas se contraem todos até liberarem uma onda absurda de prazer e relaxarem. E não dá pra controlar isso.

Existem tipos diferentes de orgasmos?

Sim! Além de existir uma diferença entre gozar e ter um orgasmo, existem diferentes tipos de orgasmo. E aqui no Superela temos um vasto conteúdo que discute sobre esse assunto, inclusive temos um texto bem interessante aqui, que você também pode ler abaixo:

As diferenças entre orgasmos clitorianos e vaginais:

1. Orgasmos vaginais são um tanto mais complicados de se ter

O que normalmente impede as mulheres de terem orgasmos cervicais ou pelo ponto G? Dor, desconforto ou insensibilidade. Muitas, muitas… MUITAS mulheres mesmo não sentem prazer com penetração. É preciso trabalhar para a sensibilização dessa área com massagens tântricas, principalmente aplicando a técnica de “desarmamento”.

Uma explicação bem rápida: se trata de massagear pontos de tensão/dor/insensibilidade e liberar o que está preso ali (seja um bloqueio emocional ou energético).

2. A sensação que você tem com cada um deles é MUITO diferente

Gosto muito da definição da Layla Martin (minha maior inspiração no caminho do Tantra) para o orgasmo clitoriano: são como fogos de artifício. Buum! Explosão de sensações. Contração e relaxamento. Formiga os braços e as pernas.

Já o orgasmo pelo ponto G, na minha experiência, é mais leve e fluído. A sensação é de ter ondas bem suaves percorrendo seu corpo. Se o elemento do orgasmo clitoriano é a eletricidade, o do orgasmo pelo ponto G é a água. Não apenas pela possibilidade de ter o squirt, mas pela sensação de estar mergulhada em um mar bem tranquilo.

O orgasmo cervical é a estrela do show. Inúmeras mulheres relatam sentir prazer em todas as células do corpo, que continua por muito tempo (horas, até dias de acordo com a Adina Rivers, dona de um dos maiores sites sobre sexualidade, o My Tiny Secrets).

3. Você precisa se entregar totalmente pra ter orgasmos vaginais

Entrega, entrega e mais entrega. Deve estar totalmente aberta. Maravilhosamente vulnerável. Esses orgasmos definitivamente não acontecem em sexo casual ou com esses casos que temos às vezes onde você já tem aquela sensação que vai rolar um ghosting básico. Esse é o componente mais difícil. Pra Kim Anami (e eu concordo 100%), o que você precisa saber de técnica é uns 9% da equação. Os outros 91% estão ligados a coisas mais sutis: suas emoções, sua energia, até sua alma.

4. Orgasmos vaginais precisam de mais tempo de penetração

Se você vai explorar essas águas maravilhosas sozinha (YES, we can!) use um estimulador. Recomendo muito que seja de um material mais firme! O meu, por exemplo, é de vidro. Mas também pode ser de silicone. Não precisa vibrar (é até melhor não usar a função de vibro se já tiver um vibrador) porque estamos trabalhando aqui em despertar novas sensações em uma área que na maioria das mulheres é um tanto insensível. Preste bastante atenção no seu corpo, o que é que tá acontecendo nele durante esses estímulos novos que você está dando?

No caso de estar em uma relação hétero, os dias de meteção estilo britadeira estão contatos, aleluia, amém. É preciso de pelo menos 30 minutos de penetração constante e lenta pra conseguir acessar esses orgasmos profundos. Eu sei, não é a realidade da maioria dos homens esse tempo todo de penetração. Mas ele pode aprender mais sobre controle ejaculatório e sabe qual o principal segredo? Respirar. Respirar bem fundo mesmo, inflando o abdômen na inspiração e soltando todo ar na expiração.

5. Gozar pelo ponto G ou pela vagina pode despertar muitas emoções

Raiva, tristeza, desespero, riso, alegria, amor. Sexo real entre pessoas reais e entregues não é o que se vê em filme pornô. Tem choro e crise de riso sim. Tem gritos animalescos que não foram ensaiados. Tem grunhidos, não só esses gemidos falsos.

O próprio processo de despertar pra esses orgasmos mais profundos passa por essas emoções, às vezes. Tenha certeza que está segura pra lidar com o que vier a tona, seja com seu companheiro ou companheira, terapeuta de qualquer tipo, ou sua própria autocompaixão e um diário onde vai anotando como tem sido esse processo.

Quer entender mais sobre orgasmos? Temos duas sugestões de vídeos imperdíveis:

TED: 10 coisas que você não sabia sobre o orgasmo

A escritora Mary Roach vai fundo em uma área pouco explorada na pesquisa científica e faz 10 afirmações sobre o clímax sexual, indo do bizarro ao hilário.

Netflix: Explicando – O orgasmo feminino (episódio 16)

O orgasmo feminino é mais difícil quando envolve um homem. Descubra as razões pelas quais isso acontece e como as mulheres estão adotando soluções práticas.

explicando o orgasmo feminino

E aí?

Já gozou? Já teve um orgasmo? Consegui te fazer entender a diferença entre gozar e ter um orgasmo? Conta aqui pra gente!

Imagem: Phazed

Área especial sobre Orgasmo Feminino

Sabia que a gente tem uma área especial sobre Orgasmo Feminino com muitas dicas, técnicas, fotos e vídeos?

Veja uma prévia do que espera por você

Você ainda poderá participar do nosso grupo fechado no Facebook e tirar dúvidas com uma Sex Coach, além de falar sobre o assunto com outras mulheres!
Vamos nessa? 😉

Acessar o especial Orgasmo Sozinha
@ load more