Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

ele não é o sol

Não deixe o que ele quer eclipsar o que você precisa. Ele é um sonho, mas não é o sol. Você é.

Ouvi essa frase assistindo a minha série de TV favorita. Grey’s Anatomy é uma série americana escrita por Shonda Rhimes, uma escritora negra, mãe, ativista e super empoderada.

Shonda evidencia papeis femininos importantes, personagens com suas individualidades, fortes, destemidas, inteligentes e brilhantes. Elas lidam com todos os obstáculos do dia a dia como nós: carreira, filhos, maridos, preconceitos e outas situações que enfrentamos.

Essa frase foi dita pela personagem Cristina Yang, que aconselha a personagem principal, Meredith Grey, a não dedicar a sua vida cem por cento ao marido e prestar mais atenção em si mesma.

A gente passa por momentos modificadores todos os dias e ouvir essa frase foi um elemento florescente naquele momento em que eu estava vivendo. Creio que os modificadores mais constantes são as relações que sustentamos.

Fazemos esforços, muitas vezes sobre-humanos, para alimentarmos um relacionamento.

Chega um momento que você não se reconhece. O que importa acima de tudo é o outro, mas talvez naquele momento não percebemos o tanto que estamos nos doando sem recebermos nada em troca. É sempre ao agrado do outro, fazendo de tudo para que ele se sinta bem. Afinal, você ama, e o amor é uma constante.

Mas que tipo de amor é esse que estamos alimentando?

É natural você abdicar de tudo que te faz feliz para viver a felicidade do outro? Às vezes, é tão natural que não nos damos conta.

Isso fica cada vez mais repetitivo quando se trata de mulheres. Queremos ser amadas, provar ao mundo que somos competentes em todas as áreas que escolhemos nos envolver ou que foram propostas e impostas a nós. Nem que para isso abdiquemos totalmente de nós em prol das realizações do outro.

Quantas mulheres você conhece que deixaram o emprego pelo bem do casamento? Que são reconhecidas como esposa de alguém? Quantas deixaram de trabalhar para se tornarem mães mais cedo? Quantas se afastaram de afazeres em grupo para se dedicar à um novo relacionamento?

Não que isso seja ruim. Muitas delas escolheram isso, e ter o poder de escolha hoje, ainda que num tempo machista e sexista, é ótimo. Mas em casos extremos, algumas mulheres são “obrigadas” a fazerem estas escolhas para não perderem relacionamentos ou não serem tachadas de egoístas e/ou rotuladas.

Somos competentes e capazes de fazermos mil e uma coisas, não necessariamente anulando algo que gostamos de fazer individualmente. Dedicar um tempo para si não é egoísmo, dizer ‘não’ não é egocentrismo. Relacionamentos são vias de mão dupla. Ambas as partes tendem a ceder para que haja equilíbrio. Se o outro não te motiva a isso, é necessário parar e reavaliar se aquilo está valendo a galinha inteira. Parar, reavaliar e refletir se você é coadjuvante ou parte principal da sua própria história.

Antes do amor cedido, doado ou de livre e espontânea vontade, temos o nosso próprio. Esse é o combustível para que você se encontre e primeiramente se faça feliz.

Você é o Sol, você é um único indivíduo com vontades, sonhos e desejos, se adaptando sempre que lhe é exigido. Você é o Sol, o seu mundo tem que girar em torno de ti. Dê-se um tempo e assuma isso.

Imagem: Reprodução/Grey’s Anatomy


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?

@ load more