Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Esses dias eu escrevi um post sobre dicas para começar a usar o estilo minimalista, vocês viram? Mas eu esqueci de mencionar que estilo minimalista e guarda-roupa minimalista podem ser coisas diferentes.

Diferenças: Estilo Minimalista e Guarda-Roupa Minimalista

Uma pessoa pode decidir ter as duas opções: tanto o estilo como o guarda-roupa minimalista, ou apenas uma, se quiser. O estilo minimalista se trata mais dos cortes, cores e estampas que estão presentes nas peças. Já quando se fala em guarda-roupa minimalista, a tendência é tentar reduzir o guarda-roupa a uma menor quantidade de peças que conversem entre si e que podem ser combinadas de várias formas.

Assim, o resultado é um maior aproveitamento e mais versatilidade das roupas. E em um guarda-roupa minimalista você pode ter as estampas, cores e peças que quiser, se mantendo fiel ao seu estilo.

E o armário cápsula?

O guarda-roupa minimalista também não é necessariamente um armário cápsula. Eu acho a ideia do armário cápsula bem interessante e o principal objetivo dele é trabalhar com um número fechado de peças e sapatos, como 40, por exemplo. E nesse número você pode incluir acessórios ou não.

Não é sobre quantidade

guarda-roupa minimalista

Imagem: StockSnap

No guarda-roupa minimalista não tem uma regra específica quanto ao número de peças. A questão não é “até essa quantidade é minimalista, depois disso não é mais“. Mas o ideal é retirar os excessos, ter no armário peças de qualidade e evitar compras de vários itens iguais, que cumprem a mesma função. O guarda-roupa minimalista de verdade é aquele que possui menos peças possíveis e em que todas as peças são usadas, sem deixar nenhuma parada, pois todas tem a sua função e utilidade.

Existem guarda-roupas minimalistas com 30 peças e existem guarda-roupas minimalistas com 70 peças (incluindo acessórios, sapatos etc.). Na minha opinião, isso não faz um ser melhor que outro. Só que também acho que tem que ter bom senso. Mais do que 200 peças já não é tão minimalista assim, e pode ser repensado.

Acredito que o que existe é que cada um tem suas necessidades, tem as atividades que precisa realizar todos os dias e não dá pra generalizar. Sei que, às vezes, não dá pra manter só o que a gente usa no dia-a-dia. Muitas pessoas tem compromissos que demandam roupas diferentes. Só que isso não pode ser desculpa pra acumular coisas, tá?

O segredo é adaptar

Você pode adaptar para a sua vida um pouco do que é o guarda-roupa minimalista, sem pressão. Aí, já não é sobre regras e números. É sobre leveza, simplicidade e manter o essencial. E não se prender muito a essa ideia de perfeição. Não é sobre quantos itens você vai ter, mas sim quais você vai manter (e por quê). Você vai descobrindo aos poucos o que funciona ou não pra você e à medida que faz essas descobertas, entende que não precisa de tanto quanto imagina. Isso é maravilhoso, pois é um processo contínuo de autoconhecimento.

Por isso, eu acredito que o ideal pra quem pensa em ter em um guarda-roupa minimalista é considerar nas roupas essas características que aparecem aqui, que são: autenticidade, qualidade, versatilidade, conforto e funcionalidade.

E, se ajudar, posso dar mais uma dica? O livro da Marie Kondo – A mágica da arrumação é ótimo pra quem quer dar um primeiro passo nesse universo do minimalismo, pois ela fala sobre o que você deve fazer pra organizar, guardar e descartar as coisas que você tem. Uma das principais ideias do livro é a de manter apenas o que te traz alegria. Manter as peças que te fazem feliz e que você ama ajuda muito a entender todo o processo não só do guarda-roupa minimalista, mas também do estilo de vida minimalista.

Quer aprender a ter um guarda-roupa enxuto e multiplicar suas peças? Clique aqui e faça o Curso da Fabiana Carraro!

Imagens: StockSnap


E que dicas você daria a essa nossa leitora aqui embaixo? Será que o guarda-roupa minimalista seria uma boa solução para ela?

@ load more