Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Falar de sexo nas rodas de amigos, nos momentos de descontração, nas novelas, filmes, etc, é cada vez mais possível nos dias de hoje. Falar da própria sexualidade, entretanto, muitas vezes ainda é difícil. Conversar sobre o sexo que se faz em casa com o parceiro, então, costuma ser tabu para a maioria dos casais, especialmente os que enfrentam problemas na cama.

discutir a relação

Casais com boas habilidades de comunicação sexual lidam com os conflitos mais facilmente. Experimentam menos estresse na relação, têm mais confiança no parceiro, conseguem expressar melhor as necessidades sexuais e afetivas de cada um e, assim, acabam tendo uma vida sexual muito mais leve e gostosa.

Na minha experiência como terapeuta sexual, observo que as preferências sexuais acabam sendo muito mal conversadas entre os casais, mesmo aqueles que conversam super bem sobre todos os demais assuntos. É comum encontrar casais com boas habilidades de comunicação, que se ajustam bem em diversos aspectos da relação e, ainda assim, apresentam dificuldades sexuais. Na realidade, mesmo após anos de casamento, frequentemente os casais não conversam tão abertamente sobre sexo com o parceiro quanto o fazem sobre outros assuntos.

Como falar de sexo sem discutir a relação?

Minha hipótese é que a nossa sociedade, apesar de parecer liberal, ainda nos faz crescer acreditando em muitos mitos relacionados à sexualidade dos casais como:  “sexo é algo que a gente simplesmente sabe”, ou de que “não temos necessidade de falar sobre isso se temos uma boa intimidade”, ou mesmo de que “é melhor não saber muito”. Quanto mais os parceiros acreditam nesses mitos, menor a chance de terem uma boa conversa sobre o sexo que eles fazem e maior a chance de eles receberem mal às tentativas do parceiro de dizer mais claramente o que precisa para ser feliz na cama.

Abrir o baú da própria sexualidade, para muitos casais, parece impossível, desnecessário, inimaginável e constrangedor. Particularmente, questões relacionadas a desejo, fantasias e preferências sexuais são raramente abordadas diretamente. Resta entre o casal um abismo a ser preenchido por especulações, angústias e falhas de comunicação. Quando não sabemos, imaginamos. Normalmente, com baixíssima taxa de acerto.

Se o parceiro não conhece as necessidades sexuais do outro, como pode satisfazê-las?

Temos, assim, um caminho aberto para os desajustes sexuais e os conflitos de casal, formando um cenário que acaba resultando em discutir a relação, minando o desejo sexual. As pessoas não se sentem à vontade para dizer ao outro como elas gostam de ser tocadas, o que as excita, o que elas não gostam… restando ao parceiro ou à parceira adivinhar… ou tentar ler as pistas indiretas que aparecem sob forma de linguagem corporal, gemidos, sorrisos…

Imagine se esse casal estivesse tentando decidir o que fazer no final de semana e toda a comunicação fosse feita na base do “hum”, “a-ha”, sorrisos tímidos e gemidos… qual a chance de eles se entenderem e esse final de semana acabar sendo inesquecível? Pois é… o que parece uma estratégia de comunicação surreal em qualquer outra área da vida é normalmente o que as pessoas usam para decidir como elas vão fazer sexo! Não é a toa que “todo mundo tem problemas sexuais”!

Interessantemente, essa dificuldade não se restringe aos casais.

Educação sexual no âmbito das famílias e das escolas costuma ser basicamente sobre sexo seguro e contracepção, deixando de lado toda a parte do prazer. Além disso, a maioria dos profissionais de saúde, mesmo psicólogos, não se sente à vontade para abordar as questões sexuais de seus pacientes. Mais do que isso, raramente um psicólogo, profissional de saúde ou educação vai ter tido acesso, ao longo da sua formação, a treinamento específico para abordar adequadamente os temas relacionados à sexualidade dos seus pacientes e alunos.

Muitos ainda compartilham dos mesmos constrangimentos e mitos em relação ao assunto.

Foi pensando nesses problemas que eu percebo, tanto na minha experiência do consultório quanto como supervisora de terapeutas sexuais em formação, que eu desenvolvi um jogo chamado Baralho da Sexualidade. Veja o vídeo abaixo para saber mais:

O Baralho foi desenvolvido para ser multifuncional no trabalho com as questões sexuais, trazendo cartas que podem ser utilizadas para orientar o diálogo sobre sexo em diferentes contextos: consultórios médicos e de psicologia, como ferramenta de educação sexual ou em qualquer outro ambiente em que se precise falar de sexo de maneira clara e eficiente como, por exemplo, a cama dos casais.

Falar de sexo não pode virar discussão de relação! Pelo contrário! Sexo tem que ser gostoso e conversar sobre isso pode ser quase uma forma de preliminares! Conversar sobre preferências sexuais, sobre o que cada um precisa para ter prazer, do que cada um gosta ou não gosta, das fantasias sexuais, dos tabus, propor novidades e conhecer mais profundamente a própria experiência sexual e a do outro, a partir do que cada um dos parceiros que entende que é certo ou errado, bom ou ruim, em relação ao sexo pode e deve ser leve.

discutir a relação

Vamos tentar?

Imagem: Pexels

Área especial sobre Orgasmo Feminino

Sabia que a gente tem uma área especial sobre Orgasmo Feminino com muitas dicas, técnicas, fotos e vídeos?

Veja uma prévia do que espera por você

Você ainda poderá participar do nosso grupo fechado no Facebook e tirar dúvidas com uma Sex Coach, além de falar sobre o assunto com outras mulheres!
Vamos nessa? 😉

Acessar o especial Orgasmo Sozinha
@ load more