Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

A Guerra dos Sexos é um filme intenso, emocionante, dramático e cheio de esperanças. Só por isso, já vale a pena assistir. A atriz Emma Stone representa a feminista e tenista Billie Jean King, que luta por direitos iguais em 1972, ano em que os padrões impostos pela sociedade machista e paternalista ainda são os mais esdrúxulos. O filme é uma direção de Valerie Faris e Jonathan Dayton, de a Pequena Miss Sunshine.

Guerra dos Sexos

Imagem: Reprodução/Guerra dos Sexos (2017)

O foco central é entre a Billie Jean King e o tenista machista Bobby Riggs (Steve Carell), que desafia as melhores tenistas a jogarem contra ele. Por trás estão comentários insossos, agressivos, ofensivos e absurdos. Ele se intitula como um “macho chauvinista” viciado em apostas, que joga tênis muito bem mas o seu interesse na maior parte do tempo é dizer que o lugar de uma mulher é na cozinha. Opinião bastante retrógrada que incomoda mulheres bastante autênticas a se mobilizarem.

Guerra dos Sexos

Imagem: Reprodução/Guerra dos Sexos (2017)

São tantas ponderações machistas feitos pelos comentaristas dos jogos, que são homens, e pelo próprio Bobby, que fica realmente difícil de acreditar que as pessoas achavam normal ter esse tipo de atitude sobre a igualdade de gênero. O mais absurdo é saber que esse ideal da soberania masculina perdura ainda nos dias de hoje.

Exatamente por ser um filme com temáticas intensas e que incomodam, é necessário que todo mundo vá assistir. Ele já está nos cinemas e possivelmente será indicado a alguma categoria do Oscar. Ainda não está convencida? Vem cá!

A Guerra dos Sexos e o poder da mulher

O objetivo do filme é claro: mostrar que há muito tempo a mulher luta por um espaço e pela igualdade. Isto apenas significa ter os mesmos diretos, privilégios e oportunidades do homem. O mínimo para uma sociedade viver bem e em harmonia.

Billie procurava ter apenas respeito por meio do tênis, e assim receber a mesma quantia de dinheiro das premiações. Os vencedores homens ganhavam 8 vezes mais do que a vencedora mulher, sendo que a venda de ingressos para o torneio feminino e masculino eram iguais. Isso desencadeia uma série de atitudes por parte de Billie e de outras mulheres que acreditam nos mesmo princípios e levantam a bandeira do feminismo.

Guerra dos Sexos

Imagem: Reprodução/Guerra dos Sexos (2017)

Reconhecimento

O que as pessoas precisam entender sobre a luta da mulher por igualdade e oportunidade é uma coisa bem simples: é a procura pelo reconhecimento. Claro, o feminismo tem várias vertentes por conta da diversidade, mas se prestarem atenção, o fundamento é o mesmo: a procura pelo reconhecimento e, consequentemente, pelo respeito. O mínimo entre pessoas racionais.

Ame as pessoas

A verdade é que nos apaixonamos pelas pessoas, por quem elas são, suas vontades e desejos, seus sonhos e em tudo o que ela acredita e faz a gente acreditar. Não é assim para você? Vai além do que está por fora. A Guerra dos Sexos traz em pauta um relacionamento LGBT, e o modo como ele é tratado é maravilhoso, sincero e inocente. Mostra, também, a dificuldade do autoconhecimento por conta da sociedade opressora.

História verídica

A Guerra dos Sexos, originalmente a Batalha dos Sexos, existiu mesmo em 1972, e aconteceram algumas outras edições. Mas o jogo lendário foi exatamente o do filme, entre Billie e Bobby.

Atualidade – muita coisa precisa mudar

Fica nítido que evoluímos muito pouco. Ainda há machismo, discursos de ódio, opressão. Falta conhecimento, compreensão, respeito e amor. A sociedade ainda não aprendeu a empatia. A história é dos anos 70, já estamos em 2017 e pouca coisa mudou. Isso é realmente triste e até incompreensível. Afinal, são sentimentos simples de se ter por outras pessoas.

Por isso, é importante sempre lutar e nunca desistir. Lutar por seus direitos, seus ideais, conquistar o seu espaço e mostrar o seu valor e contribuições para uma sociedade melhor. Muita coisa tem que mudar, e é um trabalho de formiguinhas. Juntas somos mais fortes!

Imagem: Reprodução/Guerra dos Sexos (2017)


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?

@ load more