Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Atenção: Este é um texto direcionado ao público masculino. Não deixe de compartilha-lo com homens de seu meio social.

Ontem eu esbarrei na internet com um vídeo mostrando a vida maravilhosa de um homem chamado Dan Bilzerian. O vídeo tinha mais ou menos dois minutos e mostrava muitas modelos nuas e seminuas, jogos de poker, festa, farra, tiros, barba e corpo bombado. Era uma overdose catastrófica de testosterona.
Quem postou o vídeo pediu a opinião dos espectadores e eu acabei metendo a colher.

Bom, se você não conhece o Dan, eu posso te apresentar. Ao que parece ele é um milionário, estrela do poker e astro do Instagram. Sua página nessa rede social é um verdadeiro sonho de consumo para qualquer homem.

A questão é que o astro do Instagram é um retrato do homem ideal, da perfeita masculinidade. Da sexualidade incontrolável, do corpo forte e da barba impecável, do poder e da ostentação.

Dan Bilzerian e a ilusão do macho alfa 1

Eu não questiono a forma de vida que ele expõe na internet, eu acho que todos os seres humanos são livres pra viver e se expressar da maneira que acharem adequado, a questão é que esse estilo de vida simplesmente não funciona na vida real.

E isso é um ponto de frustração para muita gente.

Sou uma pessoa estudiosa e nos meus estudos mais recentes dei de cara com um livro maravilhoso do filósofo e economista britânico John Stuart Mill chamado A Sujeição das Mulheres. Nesse livro, escrito ainda no século XIX, no primeiro capítulo há um tópico que chama a atenção.

E não há sentido em dizer que a natureza dos dois sexos se encaixa nas suas presentes funções e posições… (…) O que agora é chamado de “a natureza das mulheres” é algo artificial, é o resultado de repressão forçada em alguns casos e simulação de características não naturais em outras…

O que John se refere como “natureza das mulheres” também pode funcionar no caminho contrário e isso tem tudo a ver com o Dan Bilzerian. Ele funciona perfeitamente como um reflexo do ideal de masculinidade que aprendemos desde cedo.

Aprendemos que homens não choram, que homens são fortes, que são viris, que tem uma sexualidade incontrolável, que gostam de esportes, que devem ser agressivos. Só que o único problema é que essas características são estereótipos, são como características de um papel cinematográfico que simplesmente não se encaixam completamente em pessoas reais.

Somos seres humanos e por isso temos características próprias. Por isso, alguns homens são sensíveis, outros preferem atividades diferentes ao esporte, alguns são pacíficos e não gostam de briga, outros podem não se interessar tanto por sexo e por aí vai.

Com isso, a forma como o Dan vive sua vida não é nenhum problema e não cabe a nós, o problema é a ideia que ele vende.

É comum ver mulheres frustradas com sua aparência, bem comum mesmo, por isso muitas delas veem numa Pugliesi da vida o seu sonho de lifestyle, ou seja, um corpo perfeito, sorrisos, namorado bonito, viagens legais.

Só que o problema é que uma pessoa como ela simplesmente vive disso. E ela ganha para viver assim. Uma mulher como eu ou sua melhor amiga ou namorada, jamais será como uma musa fitness e isso cria um sentimento grande de frustração e consequentemente baixa autoestima.

Dan Bilzerian e a ilusão do macho alfa 2

O impasse dessa ilusão criada pelo ideal de masculinidade é o mesmo, mas a queda é muito maior. Maior, porque a ideia é sexista e fala que homens são “fortes”, “indestrutíveis” e, de certa forma, “superiores”.

Só que na vida real isso não cola, as pessoas têm fraquezas, dinheiro não aceita desaforo, não é toda mulher que vai querer transar com você só por causa da sua grana, corpo ou aparência. E  o pior é que muitos garotos jovens, e quando eu falo isso me refiro a adolescentes, acabam caindo nessa ilusão e criando uma autoestima baixa.

E esse tipo de coisa é tão séria que próprio Dan já teve dois ataques cardíacos aos trinta anos por esse estilo de vida agitado. O corpo e a mente humana simplesmente não aguenta uma vida de excessos.

Essa autoestima baixa masculina criada por uma expectativa gerada a partir acaba gerando problemas em relacionamentos, no trabalho, frustração com sua sexualidade, com seu próprio corpo e consequentemente pode gerar agressividade, depressão e ansiedade.

Percebo isso não só em relação ao Dan e a ilusão gerada pra homens, mas toda a sociedade está doente. Os casos de depressão, ansiedade e até suicídio tem crescido nos últimos anos. Vivemos uma vida virtual alimentada por sonhos que ninguém é capaz de viver.

Dan Bilzerian e a ilusão do macho alfa 3

Toda vez que vejo esse tipo de conteúdo, eu sei que é puro marketing, que é exposto dessa forma com o intuito de divulgar, promover e ganhar algo por trás. E nós acabamos caindo nesse tipo de farsa o tempo todo.

Ver essa situação me lembra o caso de Marilyn Monroe, um dos maiores símbolos do cinema e da beleza mundial, um ícone. Que morreu jovem vítima de overdose de remédios controlados, era dependente de Gadernal e depressiva. Porém para o mundo e para  a mídia. ela era perfeita.

Esse texto não possui o intuito de desmoralizar as pessoas aqui citadas, pelo contrário, ele possui o interesse de nos fazer questionar e repensar a forma como nós imaginamos nossa própria vida, busca questionar esse retrato de masculinidade que tanto machuca e prejudica os homens.

Esse retrato de masculinidade prende os homens e impossibilita que eles sejam quem eles querem realmente ser.

Você não precisa comer várias mulheres, não precisa ser agressivo, não precisa ser macho, não precisa ter o corpo perfeito, não precisa ter uma barba vitoriana, não precisa deixar de demonstrar seus sentimentos, inclusive pra quem você ama.

Eu sou uma mulher completamente apaixonada pelos homens, pelas coisas maravilhosas que aprendi com eles, pelos homens maravilhosos que conheci na minha vida. Durante boa parte da minha vida fui muito próxima do meu pai, só agora, aos quase vinte anos me tornei mais amiga na minha mãe, e com ele aprendi boa parte das coisas que conheci na minha vida.

Dan Bilzerian e a ilusão do macho alfa 4

Meu pai, por um outro lado, aprendeu comigo a desmanchar essa máscara de masculinidade. Aprendeu a se amolecer e até a ter mais facilidade de demonstrar afeto e seus sentimentos. Consequentemente ele se tornou mais feliz.

Às vezes a gente morre engasgado com as coisas que temos medo de expressar. Homem, não deixe que essa máscara de masculinidade esconda quem você realmente é. Não existe o “macho alfa”, mas sim pessoas com características próprias e únicas.

Imagem Principal: Kevin C. Cox/Getty Images

@ load more