Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

O mês de junho começou conturbado para o “tribunal da internet”. Acontece que Najila Trindade Mendes de Souza, modelo, estudante e mulher que acusa Neymar Jr. de estupro, assim como o jogador, estão sendo julgados pela população de forma ferrenha.

Entenda o caso:

Preparamos uma singela linha do tempo para que você não fique perdido(a) durante esse texto. Porém, nela só estão colocados os eventos principais que ocorreram nos últimos dias. Como nosso objetivo é discutir sobre esse alvoroço que os internautas criaram, e como isso reflete o machismo em nossa sociedade, resolvemos te contar só o que você precisa saber pra continuarmos esse bate-papo. Olha só:

mulher acusa neymar

Resumão básico:

Najila sempre teve interesse em Neymar. Os dois, inclusive, já conversam há um tempo. Então sim, Brasil: ela procurou por ele. O jogador, por sua vez, também bastante interessado, enviou à modelo, por meio de seu assessor, uma passagem de ida e volta para Paris. Assim, eles poderiam se conhecer.

No dia 15 de maio, de acordo com Najila, os dois se encontraram pela primeira vez no hotel o qual ela estava hospedada. Ela conta que ele já chegou um pouco agressivo, ansioso. Em entrevista para o SBT, ela conta:

“Fui vítima de estupro”. […] “Fui para o hotel, ele mandou mensagem, disse que ia para uma festa, mas passaria lá para me dar um beijo. Quando chegou lá, estava tudo bem, mas ele estava agressivo, totalmente diferente do cara que eu conheci nas mensagens”. […] “Como eu tinha muita vontade de ficar com ele, tentei manejar a situação. Começamos a trocar carícias, nos beijar e ele me despiu. Até aí, foi tudo consensual. Ele começou a me bater. No início foi ok, mas depois ele começou a me machucar muito. Eu falei ‘para’ e ele falou ‘desculpa, linda'”.

A modelo desabafa que, pouco tempo depois, ela perguntou se ele havia trazido camisinha, e a resposta foi negativa. Najila decidiu, então, que nada aconteceria entre os dois, mas o jogador, de acordo com ela, pareceu não concordar com isso.

“Ele me virou e cometeu o ato. Pedi para ele parar, ele continuou. Enquanto ele cometia o ato, continuou batendo na minha bunda, violentamente”. […] “Falei ‘para, para, não’. Ele não se comunicava muito, ele só agia”.

O Superela não é um tribunal

Depois disso, obviamente, uma série de informações extras foram aparecendo sobre o caso, assim como pronunciamentos de ambos os lados. Neymar, claro, ficou com toda a defesa possível: apoio de seu pai, amigos, colegas de trabalho, jornalistas e por aí vai.

Para se ter ideia, enquanto Najila foi desacreditada pela mídia, que apresentava “provas” de que o objetivo dela era extorquir o jogador, o jogador recebeu: carinho de fãs, entrevistas a seu favor, hashtags dedicadas à sua inocência etc.

Mas a mulher que acusa Neymar não está errada?

Não sabemos, e nem você. Infelizmente, ainda mais nos dias atuais, presenciamos MUITAS pessoas que se aproveitam de determinada situação para se beneficiarem. A mulher que acusa Neymar já está sendo investigada quanto a isso, assim como o jogador. Mas, de coração, nós precisamos dar mais valor a esse termo: IN-VES-TI-GA-DA.

O lado dela

Gostaria que você parasse, por alguns segundos, e refletisse se tudo isso for verdade. A modelo está recebendo “hates” de grande parte do país, que é fã de Neymar (e não à toa, o moço joga muito, e o futebol é o nosso tesouro). Imagina como deve ser difícil se manter forte contra uma personalidade dessas? Imagina a pressão e ameaças que ela não deve estar recebendo (e de fãs mesmo, e não necessariamente de pessoas que trabalham para o atleta)?

Coisas do tipo “ela quem procurou” são grandes exemplos de que a sociedade sempre tende a desacreditar a vítima de um estupro. “Ela estava lá porque quis” não é argumento, gente, mas sim injustiça. Se a versão dela estiver certa, Neymar Jr. tinha que se distanciar e ponto final. Afinal, NÃO É NÃO.

O machismo como vilão

Najila, desde o começo, sequer mostrou quem era. Não estava em busca de fama e sabia o que estava esperando por ela. Aliás, sabia que quem divulgou o nome dela foi o jornalista Datena, durante uma reportagem sobre o ocorrido? E, pasme: ele também já foi acusado de assédio por colegas de trabalho. Viu como tudo, de certa forma, acaba recaindo no machismo.

A gente não tem palavra, crédito. Ela, modelo, “só queria dinheiro”. “Estava com mensalidade de não sei o quê atrasada”. “É louca, já deu facada no ex-marido”. “É piriguete, onde já se viu oferecer o corpo desse jeito?” E POR AÍ VAI.

Aí, ninguém dá o benefício da dúvida.

O lado dele

É claro que não poderíamos deixar de comentar o lado do jogador. Imagine estar na pele dele, ícone mundial, podre de rico, habilidoso, jovem e com um futuro BRILHANTE pela frente. Tornar-se alvo de pessoas interesseiras é apenas uma certeza. Sejam elas “ladras”, ou apenas “maria-chuteiras”.

Com carreira estabelecida, no auge, ele é acusado de um crime gravíssimo: estupro. É claro que isso pode acabar com seus contratos, seu futuro, suas relações etc. Porém, ao contrário de Najila, muitos fãs, assim como amigos e familiares, estão do seu lado. E sim, pode parecer exagero, mas é porque ele é homem.

Cá para nós, verdade seja dita: todo mundo é inocente até que se prove o contrário. O jogador tentou descreditar a moça expondo-a na internet e, bem, conseguiu. Pode ser que essa tenha sido uma estratégia de mestre, que realmente conseguirá inocentá-lo, ou não. Isso, a gente deixa pra justiça.

Por enquanto, precisamos de empatia com os dois.

A mulher que acusa Neymar de estupro foi apelidada de “grávida de Taubaté”. Pra quê, sabe? Do outro lado, o jogador já perdeu alguns contratos de publicidade. Ou seja: a coisa não tá boa para nenhum dos dois.

A crítica que fazemos hoje é a seguinte: não é a primeira vez que uma “celebridade” é acusada de cometer estupro/assédio. E, infelizmente, também não é a primeira vez que ela sai “ilesa” ou “fortemente defendida”. Temos casos em diferentes instâncias como esporte, entretenimento, moda e por aí vai.

O certo a se fazer é: esperar que todos os pontos de vista sejam investigados e estudados. Tentar não ser tão injusto com qualquer um deles e aguardar os julgamentos necessários. E, enquanto isso, não colocar a mão no fogo por NINGUÉM e aceitar que sim, um deles está falando a mentira, mas não se sabe qual é, e PONTO FINAL. Logo, o mais apropriado é FICAR CALADO.

Ok? Ok.

Imagem: divulgação

@ load more