Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Em algum momento da vida, você se deparou com alguém ou até mesmo vivenciou um amor de caixinha. Saber identificar esse tipo de “amor” é crucial para não se envolver em uma coisa que atravessa essa linha tênue entre a reciprocidade e sua vida pessoal. Mas, primeiro, vamos conceituar com um bom AureliAna da vida.

Amores de caixinhas são aqueles em que uma das partes – ou ambas – abrem mão de sua essência para uma melhor convivência no relacionamento. É quando você ou seu parceiro se diminui na tentativa de caber na vida um do outro. Normalmente ocorre quando você acredita que, para estar ali ao lado daquela pessoa, sacrifícios podem e devem ser feitos, já que um dia talvez, e apenas talvez, você consiga alcançar a plenitude junto com aquele seu amor.

Primeiramente, precisamos desmistificar algumas coisas e se porventura você conseguiu chegar nesta página, preste bastante atenção, certo?

Para estar junto você não necessita se auto sacrificar, nem cobrar isso de seu parceiro.

Preciso que você, cara leitora, entenda que não estou afirmando que um relacionamento não muda as pessoas.

Relacionamentos mudam sim a sua perspectiva de ver o mundo, e cada pessoa que passa por você, seja alguém que te pergunte as horas na rua e agradeça com um sorriso ou alguém beije sua testa antes de dormir, estará deixando uma marca em sua alma que nunca se apagará.

Mudanças ocorrem todos os dias, quando se escolhe usar uma jaqueta preta ou meias coloridas só porque achou interessante. Mudanças fazem a vida ter sentido e nos dá a chance de viver coisas novas. Mas, mudar não requer imposições, muito menos promessas além de suas próprias.

Não se abre mão de usar suas roupas porque alguém além de você acha que não deve. Não se abre mão de escutar aquela música porque alguém do teu lado não curte. Questões assim são resolvidas com base na sua consciência, e não do que pensam de você. Não se deve arrancar dois braços porque alguém acha isso conveniente se isso apenas te fará sofrer.

Existem situações dentro de um relacionamento que, de fato, mudam apenas pela passagem do tempo, e não por cobranças. Coisas assim, podem fortalecer o vínculo. Forçando a barra, a única que coisa que te rende é um desgaste a longo prazo, que te faz encontrar uma zona de conforto até o dia em que você vai se olhar e perguntar em qual momento se perdeu.

Para estar junto você não necessita se forçar a encaixar no mundo de outro.

Indo direto ao ponto, sabe aquela mania de querer saber o que fulaninho gosta para tentar introduzir esse assunto “x” em uma conversa? Esqueça isso, pelo amor.

Uma coisa é você se interessar por futebol e, por coincidência – leia novamente a frase e entenda que o significado de coincidência não é algo induzido – a pessoa ao seu lado também gosta. É uma sensação incrível compartilhar de uma mesma coisa. Mas fingir isso só para chamar a atenção é totalmente injusto com ela e principalmente com você.

Uma vez, gostei de um rapaz que adorava visitar cafés, falar sobre a economia, em como deseja morar fora… Sempre gostei da ideia dos cafés por causa do chocolate quente, mas todo o resto só me fazia pensar no quanto valeria investir em alguém que simplesmente não condiz com o que eu sou. Se eu gostava de sentar em um chão qualquer pra conversar sobre trivialidades, conversar de um jeito mais leve, ele parecia que dormia e levantava de paletó pronto para debates altamente reflexivos, o que – repito – não é algo ruim, mas não se enquadrava comigo. Não estava disposta a abrir partes de mim para entrar no mundo dele e não o deixaria se forçar a isso também.

Eu vibro com um gol, choro quando vejo um casal feliz na rua, e só falto explodir de raiva quando vejo uma injustiça. Sou uma criança quando se trata dos meus amigos, e uma mulher que facilmente defende suas opiniões quando está de frente a um debate. Adoro filmes de romance, e só assisto algum de terror se perder uma aposta. Tenho vários medos e receios que guardo apenas para mim, e ofereço a porta da frente a qualquer um que não saiba respeitar os meus limites. Tenho em mente por A + B que, uma pessoa que não entenda isso, ou não me aceite pelo que sou, não merece entrar na minha vida. Faça isso também.

Para estar junto, precisa-se entender que você tem uma vida e que ela não depende de outro

Tradução: Cara, pare

Antes de entrar em qualquer relacionamento, por favor, coloque de uma vez por todas uma coisa: você tem uma vida, e ela não deve simplesmente ser ignorada em prol de dois. Você tem uma data de nascimento sua, que vem antes de qualquer comemoração de mês ou ano junto a alguém. Tem seus gostos, suas opiniões, suas vontades e elas devem ser mantidas independentemente de quem está ao seu lado.

Da mesma forma que seja assim com seu parceiro. Não procure alguém apenas pelas mesmas ideias, procure alguém pelo qual valha a pena conversar, saber que sempre haverá algo novo ou surpreendente na volta para casa. Alguém que fará de tudo para manter esse seu sorriso perdido no canto da boca, mas que não abrirá mãos de uma boa discussão se for o caso. Relacionamento é equilíbrio, não conformismo ou reducionismo.

Não procure por pessoas que te façam se sentir apenas seguras. Procure por pessoas que você possa segurar a mão e confiar a estar presente em todos os riscos. Seja você e cobre isso de quem quer que esteja ao seu lado. Garanto a você que a última coisa no mundo que quero, ou desejo para alguém é ter um fantoche ao lado.

Imagem: Pexels

@ load more