Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Eu nunca fui uma pessoa muito consumista, mas também não era do tipo que vivia com duas camisetas e uma calça jeans no armário. Crescendo, minha família era bem de vida e aquele costume de sempre ‘comprar alguma coisinha’ quando ia no shopping. Desde então muita coisa mudou, principalmente o que eu tenho no armário, que acabou virando um guarda-roupa minimalista.

Há uns dois anos eu entrei na onda de fazer o tal do armário-cápsula – um método de autoconhecimento que mexe diretamente com o número de roupas que você tem no armário e os seus hábitos de compras. Entrei de cabeça na ideia e comecei a repensar tudo o que eu tinha e como eu me vestia. O resultado foi um guarda-roupa minimalista e sazonal (ou seja, definido por estação), com um número de peças limitado.

A experiência funcionou por um tempo, mas depois de um ano nessa eu percebi que a coisa perdeu o propósito. Eu mesmo estava em um processo de autoconhecimento muito profundo e olhar para um projeto que, por mais que tivesse essa mesma base, era ainda muito superficial me desmotivou. Então, parei. Recentemente, porém, eu olhei de novo tudo o que eu tinha no meu armário e tirei um monte de coisa de lá. No total, eu fiquei com 53 peças, contando os sapatos.

Não estou dizendo que isso é bom ou ruim, que vai ficar assim para sempre ou não, mas agora, é o que tá rolando por lá. E apesar de não ligar muito pro número, eu aprendi muito com essa limpeza geral e com esse guarda-roupa minimalista.

1.Quanto menos você tem, mais criativa você é

Eu já tinha ouvido falar sobre isso antes: que quanto menos roupas (ou recursos, no geral) você tem, mais criativa você se sente para combinar. Isso é verdade. Eu percebi que estou muito mais ‘criativa’ para brincar com as roupas que eu tenho do que antes (até usei shortinhos com top cropped, coisa que eu nunca fiz antes!). E eu passo mais tempo pensando no que vestir – não com aquela ideia do ‘não tenho o que usar’ na cabeça, mas pensando em experimentar visuais diferentes.

uma gótica é uma gótica ☀

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

2.Você sempre vai usar só o que gosta

Ter um guarda-roupa minimalista me mostrou que, independentemente do número de roupas que você tem no armário, você sempre vai usar só aquelas que mais gosta. A gente tem um padrão, um uniforme, uma ideia na cabeça de que é mais fácil usar sempre a mesma coisa. Então, seja com 50 ou 500 peças no armário, você sempre vai usar só o que mais gosta. Mesmo com menos roupas, eu continuei usando só algumas peças limitadas, e foi um exercício ir além disso.

será que eu gosto de preto?

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

3.Ter referências é muito importante

Antes de fazer essa limpa toda, eu criei uma pasta no meu computador em que salvei muitas referências de moda que eu gostava e que sentia que combinavam comigo. É uma pastinha que eu uso de inspiração sempre que tô meio sem ideia do que vestir. Isso é importante justamente pelo o que eu falei no item acima: a gente sempre cai nos mesmos looks, nas mesmas roupas, nas mesmas combinações.

só assim pra aguentar o calorão

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

4.Ninguém se importa com o que você veste

No fundo, no fundo, a gente morre de medo de usar o que tem vontade porque acha que as pessoas vão ter algo a dizer a respeito ou ficar pensando mil coisas sobre você. E pode até ser que isso aconteça mesmo. Mas a verdade é que em 90% do tempo ninguém se importa com isso. Só você. A gente fica criando mil desculpas e justificativas e problemas que não existem na nossa cabeça, quando na realidade tá todo mundo muito preocupado com os próprios problemas pra pensar muito no que você está vestindo.

branquinho 🌟

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

5.Ter estilo não é se vestir igual a todo mundo

A gente fica olhando essas meninas estilosas no Instagram e pensando ‘puxa, eu queria me vestir igual a elas’. Mas estilo é uma coisa que vem de dentro: representa o que você tá sentindo e quem você é. Não adianta você ter um armário igual ao da fulana se você não quer passar a mesma mensagem que ela. Vai ficar forçado. Ter um guarda-roupa minimalista me ajudou a ver o quanto isso é verdade, e como eu passei a me vestir melhor a partir do momento que pensava nas minhas roupas como uma forma de passar uma mensagem.

 

Ter um guarda-roupa minimalista não é para todo mundo, mas é uma experiência incrível para quem quiser experimentar e ver a moda de uma maneira diferente. Com certeza mudou a minha visão e a minha relação com as roupas, e isso só tem vantagens.

Imagem: Unsplash


@ load more
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤