Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Enquanto toda “a internet” fica praticamente obcecada com o mais novo galã do momento, Noah Centineo, meus olhos caminham pra outro lado, sabe? Ok. Esse cara é realmente um pitelzinho e um ótimo ator. Ele merece toda a atenção do mundo. Mas hoje, ao invés de babar nele, PRECISO conversar com cês sobre a carga feminista que Para Todos os Garotos que Já Amei tem.

O enredo do filme, apesar de bobinho e até meio adolescente demais pruma pessoa de 26 anos (shhh, não conta pra ninguém que eu super ignoro isso e assisto High School Musical até hoje), oferece uma perspectiva muuuito feminista de tretas que só quem já se apaixonou no ensino médio (ou seja, TODO MUNDO) consegue entender.

Bora falar de enredo:

As três personagens principais são Lara Jean Covey e suas duas irmãs, Kitty e Margo. Lara Jean, desde nova, sempre escreveu cartas de amor, direcionadas a TODOS OS MENINOS que ela já amou, e guardá-las numa caixinha secreta bem escondidinha no armário. E o motivo disso tudo? Bem.. era a forma que ela encontrava de colocar para fora tudo o que sentia.

Só que, pra variar, essas cartas caem no colo de CADA UM DELES, e aí ferrou foi tudo. Ou será que não? Bem… cê só vai descobrir se parar tudo o que tá fazendo agora e ir lá assistir!

E por que você precisa assistir esse filme, mulher?

Apesar do plot ser mega sedutor (afinal, quenhé que não gosta dum romancezinho adolescente fofo), existem outras coisas a serem percebidas ali, sabe? Durante todo o filme é mostrado, por exemplo, como as três irmãs estão constantemente ajudando umas às outras, seja trançando os cabelos, ou ajudando a lidar com a turbulência emocional que vem com a adolescência. Acontece que “as meninas Covey” sempre tiveram uma à outra.

Para Todos os Garotos que Já Amei tem a protagonista ideal para as meninas de hoje

Além disso, Lara Jean permaneceu firme durante todo o filme, nunca deixando de lado seus princípios e, eventualmente, se apaixonado pelo galã de graça. Mais que isso (ALERTA SPOILER): mesmo hiper apaixonada, ela decide terminar com o rapaz porque julgou que ele não estava sendo honesto sobre suas interações.

Embora essas escolhas possam parecer básicas, muitos filmes e programas de televisão mostram protagonistas femininas que tomam decisões ruins, ou se apaixonam cegamente por um vampiro bem antissocial que brilha no sol. Em Para Todos os Garotos que Já Amei, Lara Jean é uma menina forte e cheia de personalidade, tornando-se um PUTA exemplo pressa geração teen de agora.

Confesso que tenho até um pouquinho de ciumes dessa molecada de hoje, viu? Eu, no mais auge da adolescência, tinha os seguintes modelos de mulher:

Regina George (Meninas Malvadas);

Cher Horowitz (Patricinhas de Beverly Hills);

Betina, Natasha e Angelina (Malhação);

para todos os garotos que já amei

Enquanto isso, as meninas de hoje têm Lara, suas irmãs e uma renca de personagens femininas fodas para se inspirarem por aí! Aiai.

Dominando o mundo

Além disso, algo que posso deixar de comentar é que a diretora desse filme é Susan Johnson, uma mulher. Ter diretores do sexo feminino têm sido um impulso MUITO recente em Hollywood. Porém, esse número ainda é menor do que devia.  Um relatório de 2016-2017 revelou que cerca de 28% dos criadores, escritores, diretores e produtores executivos dos filmes desse período eram mulheres.

No mais, isso não é motivo para deixar de comemorar. Afinal, Para Todos os Garotos que Já Amei não só exibe um extremo empoderamento feminino, como também sai da curva de trocentos outros filmes do mesmo gênero. O fortalecimento e encorajamento entre as mulheres desse filme dá aquela dose BÁSICA de feminismo que TODO longa precisava ter. Ainda mais porque ele tem um público tão jovem, que tem muito ainda o que aprender.

Imagem: Reprodução


O que você responderia a essa pergunta logo abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?

@ load more