Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Oi maravilhosas, tutopom? Faz tempo que não escrevo aqui, me faltava inspiração, talvez. Mas me peguei esses dias pensando sobre a lei do Karma, sabe? Aquela que diz que colhemos o que plantamos. Ora bolas, se assim fosse, não teria tanta gente filha da puta (com todo respeito às putas) se dando bem.

Não sei vocês, mas eu já sofri muito me culpando por erros do passado, inclusive, aceitando bem as tragédias da vida. E tudo sempre com a crença de que estava pagando pelos meus atos.

Foi quando eu percebi que a culpa é uma mochila bem pesada e com uma bagagem desnecessária.

culpa

Você já tentou subir uma montanha com uma mochila pesada nas costas? É desconfortável, né? E quando você percebe que o que tem dentro não tem mais utilidade, sente que fez um esforço desnecessário e que poderia ter se livrado de algo para ter uma caminhada mais confortável.

Não digo que devemos simplesmente ignorar nossos erros. Errar, entender que errou e ter consciência para não repetir é sinal de inteligência. Errar é quase uma etapa evolutiva do ser humano. A gente até deveria aprender assim na escola: “o ser humano nasce, cresce, erra pra caralho e morre”.

Então, se você já entendeu que errou e que não deve mais seguir por aquele caminho, parabéns! Se não aprendeu com os erros, volte três casas e tente novamente.

Não deixe, de jeito nenhum, por hipótese alguma, que a culpa consuma sua vida e nem fique esperando o retorno das coisas, sejam as boas ou as ruins.

Entenda que a as “coisas” não voltam. A terra é redonda, o mundo dá voltas sim, mas não significa que as coisas vão voltar pra você porque a vida segue. Os desafios que virão sempre serão novos, as pessoas também. Você será novo no próximo giro.

E com tudo isso, só tem uma coisa que eu acredito acima de qualquer lei: você deve fazer o bem e amar as pessoas, independentemente de qualquer possível retorno. Você DEVE fazer o bem sem um motivo especifico, sem esperar uma recompensa do Universo, ou de Deus, ou de Buda, ou do Batman, ou de qualquer outra divindade que você acredita.

Da mesma forma, você não deve fazer mal a outra pessoa, e o motivo de você não fazer mal não deveria ser medo de um retorno, e sim a consciência do que é certo.

O que às vezes a gente chama de Karma, colheita ou retorno, é apenas MUDANÇA, porque essa sim é real e vai estar presente em sua vida até o final.

Já disse Heráclito, “Nada é permanente, exceto a mudança”. Talvez o fato de não aceitarmos tão bem as mudanças em nossas vidas faz com que transformemos as mudanças em penitência.

Você não perdeu algo ou ganhou por karma. Você perdeu ou ganhou porque a mudança natural da vida aconteceu. Você só sofre quando não aceita as mudanças. Não aceitar as mudanças é como nadar contra a maré. É dispensar um esforço imenso e não conseguir sair do lugar.

Te convido a entrar para uma “seita”, “aceita que dói menos”, aceitar as mudanças, se perdoar pelos erros do passado, largar a mochila da culpa e seguir em frente.

culpa

Por fim, eu desejo que, mesmo que você descubra que as coisas não voltam, você resolva mesmo assim fazer o bem.

Imagem: Pexels


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo sobre culpa, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?

@ load more