Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Depois de algum tempo observando as pessoas, seus comportamentos e, principalmente, observando a mim mesma, resolvi tentar falar dela de uma forma mais racional. Aquela que, mesmo sem eu querer, continua sendo minha companheira mais fiel, está sempre comigo, independentemente do que eu faça, independentemente de onde eu esteja: a ansiedade.Já descrevi em alguns textos quais sintomas tenho quando estou em crise, mas neste quero tentar falar dos sintomas emocionais.

Uma palavra que deveria ser sinônimo de transtorno de ansiedade é expectativa. Porque o nosso eu racional sabe de todos os riscos ao se criar expectativa com qualquer coisa, mas o nosso eu emocional não.

Pessoas ansiosas vivem o tempo todo criando expectativas sobre si mesmas e, ainda por cima, costumam criar expectativas quanto às pessoas ao redor. E, de verdade, isso fode o nosso emocional – mais do que já costuma ser detonado normalmente.

Pessoas ansiosas quando têm um encontro ou uma reunião, não conseguem dormir. Olham no relógio de cinco em cinco segundos. Enquanto o tempo passa, os mil pensamentos vão se acumulando. A gente pensa no que fizemos ontem, pensa no devemos dizer ou fazer, pensa no amanhã, no ano que vem se vão gostar do nosso trabalho, e muitos mais “se” vão… Pessoas ansiosas quando tem uma prova, se matam de estudar e de lutar contra as auto cobranças, mas é uma luta praticamente invencível. O transtorno de ansiedade, na maioria das vezes, consegue nos cegar e nos faz acreditar que não somos capazes, outras vezes ela só nos faz ter amnésia mesmo. E, por isso, ficamos no chão.

Você não é menor que ninguém por ter transtorno de ansiedade

Voltando ao ponto inicial do texto, falemos então do comportamento das pessoas. Claro que tem quem entenda que ninguém é ansioso porque quer, mas sempre tem aquela turminha que vai te difamar, que vai dizer que é drama; noutras vezes, vai te chamar de incapaz ou de ignorante (como já contamos aqui). E caso você esteja no meio de uma crise, você pode começar a acreditar – e aí sim o seu emocional ficará detonado.

Confesso que já voltei pra casa chorando muitas vezes por terem me ofendido de alguma forma, por terem falado que meus desmaios eram teatro, por terem falado que as crises eram drama, por terem falado que a desatenção era burrice. Já sofri muito com isso. Precisei de muito autoconhecimento para sair do limbo que estava me enfiando ouvindo essas pessoas. Já bastam as minhas auto cobranças para tirar o meu sossego.

Hoje consigo não me deixar atingir por determinados comentários, mas precisei de muita terapia e longos dias silenciosos para então entender que eu sou aquilo que luto para ser e que sou melhor quando consigo vencer minhas crises; e que quando não consigo, não sou pior por isso. Eu não tenho que ter controle às coisas; e quando eu entendi isso, foi que consegui viver dias um pouco mais leves.

RESPIRE!

Caro leitor, se você sofre com qualquer transtorno mental, não se sinta inferior a ninguém, você é tão capaz como todo o resto. Acredite, corra atrás, faça terapia (a gente te indica profissionais aqui). Agora se você acha que ansiedade é drama, te convido a refletir, a estudar, e a parar de romantizar transtornos mentais. Não tem nada de romântico em perder os sentidos. Não tem nada de romântico em ter taquicardia a cada possível ameaça.

Não tem nada de romântico em ter bloqueio total na hora de uma reunião ou prova. Não tem nada de romântico em desmaiar, “atrapalhando” a multidão. Não tem nada de romântico em sentir tanta dor no peito e chegar a achar que vai enfartar. Não tem nada de romântico, pode acreditar.

Imagem: Pinterest

@ load more