Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Ao falar em formas de abuso, o que vem primeiro à mente: violência doméstica? Estupro? Perseguição? Submissão?… Mas o que pode estar além daquilo que já é repercutido? Alguns comportamentos julgados como “inofensivos” podem representar um peso enorme na vida de uma mulher, tirando sua força e sua capacidade de crescimento pessoal. O abuso psicológico tem grande impacto na autoestima. A vítima passa a acreditar em tudo que o outro diz, seja ele um parceiro, um chefe ou um colega. Como consequência, ela se sente diminuída, desinteressante, incapaz e até mesmo desprovida de valor.

O erro cometido por aquelas que não sofreram nenhum tipo de abuso psicológico – seja no âmbito profissional ou pessoal – é achar que esse comportamento é claro demais para passar despercebido pelas vítimas. Porém, não é bem assim! Devido ao controle excessivo e à manipulação a que é submetida, a vítima tem roubada a sua capacidade de agir de acordo com seus interesses.

Algumas mulheres levam tempo para perceber que vivenciam – ou vivenciaram – uma experiência abusiva. Normalmente, é muito difícil ver a real gravidade da situação quando se está dentro dela. Elas se prendem a uma falsa ideia de que “ele não faz de propósito” ou “não é abuso, é só o jeito dele”. Somado a isso, a falta de informações sobre os diferentes tipos de comportamentos abusivos dificultam ainda mais a visualização do problema. Saiba mais sobre o tema abaixo.

Como identificar os tipos de comportamentos abusivos

Estou cansada disso.

Tipos de comportamentos abusivos

Gaslighting

Um dos mais agressivos abusos psicológicos, o gaslighting é caracterizado por uma violência emocional por meio da manipulação, que faz com que a mulher acredite que é louca e/ou incapaz. Isso faz com que a vítima duvide de seu senso de realidade, das próprias memórias, da percepção, do raciocínio e da sanidade. Entre as frases comuns de serem escutadas nessas situações estão: “você está exagerando”, “você é sensível demais” e “você é louca”.

Segundo dados do site Abuse and Relationships, a base da violência doméstica contra a mulher está no ato de transferir toda a responsabilidade por suas ações e sentimentos para a parceira. Com isso, o controle é exercido de forma disfarçada, fazendo com que a vítima pense que o agressor está apenas tentando ajudar e apontar falhas no relacionamento.

Mansplaining

“Você não entende, deixa que eu te explico”… Essa é uma das frases que melhor ilustram o mansplaining, quando um homem age como se a mulher não fosse capaz de entender um assunto (seja ele o mais banal possível). Ele, então, dedica seu tempo a explicar o tema, mas a verdadeira intenção é desmerecer o conhecimento da mulher, diminuindo sua confiança, respeito e autoridade sobre o que está falando.

Como identificar os tipos de comportamentos abusivos 2

Manterrupting

Muito comum no ambiente de trabalho, essa forma de controle acontece quando uma mulher não consegue se expressar porque é constantemente interrompida por um colega de trabalho, chefe ou cliente. Com isso, não conclui suas frases e nem desenvolve suas ideias. Essa situação acontece, principalmente, pelo intuito do homem de achar que sabe mais e/ou acreditar que o que a mulher vai falar não é válido.

Bropriating

Também ligado à vida profissional, o bropriating é quando um homem se apropria de uma ideia elaborada por uma mulher, levando todo crédito por isso. Esse comportamento é recorrente em diversas áreas do mercado de trabalho e se relaciona à desvalorização do senso criativo da mulher. De acordo com Sheryl Sandberg, Diretora de Operações do Facebook, isso ajuda a explicar porque existem tão poucas mulheres nas lideranças das empresas, já que muitos projetos desenvolvidos por elas servem como impulso para o crescimento de colegas homens.

Como identificar os tipos de comportamentos abusivos 3

E tudo isso foi minha ideia. Minha ideia!

O caminho para a solução

Todo e qualquer comportamento abusivo traz consequências para a vida da mulher. Ela passa a se colocar ainda mais para baixo e se sentir assim em outras áreas da vida. Pode ficar desanimada, se afastar de suas amizades e não produzir tanto no trabalho por se sentir incapaz. Em casos de relacionamentos, a mulher fica mais enfraquecida por vivenciar um abuso vindo de um homem de confiança. Com isso, passa a acreditar ou, no mínimo, se questionar sobre a veracidade dessas acusações.

Para tentar fugir de homens com esse perfil, o ideal é que a mulher busque sempre se fortalecer ao máximo. É preciso que ela acredite muito em si mesma para poder se afastar logo no primeiro ato abusivo. Ela tem que aprender a se blindar, seja no trabalho ou no relacionamento. Trabalhar a autoestima é fundamental, já que as principais vítimas desse tipo de comportamento são mulheres que estão mais fragilizadas e/ou passando por uma situação difícil. É a combinação perfeita: o abusador e a enfraquecida.

E não adianta colocar a solução na mão do outro. Quando o homem já tem um perfil dominador e/ou manipulador, o certo é cortá-lo da sua vida e se mostrar indiferente a qualquer tipo de acusação. Não há o que argumentar porque não temos como mudar o outro. A melhor maneira de se fortalecer é montar uma rede de apoio com pessoas que querem sua felicidade e bem-estar, como amigos e familiares. Como forma de exercício, essa mulher precisa validar tudo de bom que ela tem e que já foi capaz de realizar. Avaliar todas as qualidades e habilidades que reforçam suas características positivas.

Imagem principal: Kaye Blegvad


@ load more
Os melhores conteúdos do Superela.
Um único email por semana.
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤
Vamos ser amigas? :)
Queremos te enviar OS MELHORES
conteúdos do Superela.
Você vai adorar! ❤