Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Se você chegou nesse texto muito provavelmente sente que precisa se libertar de exigências e padrões que te limitam e entristecem, certo? Ao contrário do que sugere o título, o cultivo do amor próprio não tem fórmula mágica. A boa notícia é que o mapa da mina está em nossas mãos.

amor próprio

A real é que não é nada fácil se achar um mulherão da porra, afinal, desde que nascemos somos condicionadas a acreditar que, para sermos felizes, temos que ter o mesmo corte de cabelo, tamanho de cintura ou estilo da modelo das capas das revistas. Demorei mais de 20 anos para entender que é possível ser feliz e realizada sendo eu mesma. Aprendi que o amor próprio não está ligado apenas à beleza e estética e é algo muito mais interessante e profundo do que pensamos.

Já que lá em cima prometi trazer o amor próprio em 5 passos, vou te contar o que de fato foi importante na minha mudança de visão sobre mim:

1. Você não é só um corpo

Não canso de dizer que nosso corpo é o nosso lar. Porém, ele não é a única coisa que importa, certo? Treine seu olhar para enxergar além do que o espelho reflete e pergunte-se: quem eu sou? Essa pergunta é uma provocação interessante, uma vez que te faz lembrar que você veio ao mundo não só para desfilar essa beleza toda, mas também para ser uma profissional realizada, uma mãezona, uma filha incrível, uma parceira e amiga insubstituível, a dona de um dom admirável, ou qualquer outra coisa que você queira ser ou papel que deseje desempenhar.

Infelizmente, estamos acostumadas a nos analisar apenas superficialmente. Quando me descobri em outras áreas da vida, o meu reflexo no espelho ganhou um brilho incrível.

2. Seu corpo não tem defeitos

Me diz onde vem o manual do ser humano porque até hoje não encontrei nenhum. Portanto, não há nada de errado com seu peso, suas celulites, estrias, barriga ou braço grande. Você é o que é e ponto. É claro que, como humanas que somos, sempre queremos melhorar em algo. Contudo, essa melhora não pode ser uma obsessão e deve ser uma escolha sua, caso contrário não faz sentido.

Olhe com mais amor para si mesma e, com o tempo e o mantra diário “eu sou normal, meu corpo é normal”, você vencerá a dificuldade de se olhar livre de julgamentos e preconceitos.

3. Libere as âncoras

Quem nunca teve um parente ou “amigo” que não deixa escapar a oportunidade de fazer comentários que magoam? Faça um detox de gente que só te leva para baixo e cerque-se de pessoas do bem. Essas âncoras podem estar entre a família ou amigos, no ambiente de trabalho ou até mesmo na timeline das suas redes sociais. Manter-se perto delas é como tomar doses homeopáticas de veneno. Liberte-se dessas âncoras.

4. Mude de referências

É natural do ser humano buscar inspirações e referências, mas saber escolhê-las é fundamental no processo de resgate da autoestima e do amor próprio. Portanto, busque se referenciar naquela que tem mais a ver contigo.

5. Xô preconceitos

Por último e não menos importante, desprenda-se dos seus preconceitos. Afinal, eles também te impedem de se ver com mais amor. É fácil? Não. Desde que nascemos aprendemos a apontar o dedo para o outro, mas aos poucos você entenderá que aquele velho dito popular de que o dedo que tu apontas para o outro te devolve outros quatro é muito real. Estar com o coração leve com você mesmo e com o próximo é fundamental.

amor próprio

Talvez você esteja pensando que quem escreve pensa que é fácil cultivar o amor próprio, mas eu te asseguro que eu sei e senti na pele cada uma das inquietações que se passam aí dentro e, com muita força de vontade de sair desse buraco que é o desamor, aos poucos superei cada uma das barreiras que me separavam do meu amor próprio.

Faça isso no seu tempo, exija menos de você e seja mais você. Deixe fluir.

Thamiris Rezende é jornalista e editora do blog Fora dos Rótulos

Imagem: Pexels


E o que vocês responderiam a essa pergunta aqui abaixo, feita por uma de nossas usuárias do Clube Superela?

@ load more