Quais desses temas você mais curte? Vamos fazer uma seleção especial pra você!










O que você procura?

Por que 90 dias?

A regra dos 90 dias é aplicada em diversos âmbitos da vida, e, é muito simples de ser aplicada ao dia a dia, porém exige muita persistência e força de vontade.

De acordo com um estudo publicado no Jornal Europeu de Psicologia social relata que são necessários aproximadamente 66 dias para que um novo comportamento se torne um hábito. A regra dos 90 dias acrescenta mais 24 dias para garantir que o hábito seja mantido.

Durante o período de 66 dias você estará se desacostumando da rotina, isso não significa que você não sentirá falta.

É um período dividido em apenas 3 partes 30-30-30 e você verá como é fácil se tornar uma nova mulher em 90 dias. É um texto sobre deixar ir aquilo que não faz bem. Sobre desapegar e traçar novos objetivos.

Os primeiros 30 dias não serão fáceis. Mas, vamos lá.

Analisando os fatos

Podemos começar com a frase “nenhum relacionamento é perfeito”. Ninguém é perfeito! Seu ex não é e você também não. E quando um relacionamento chega ao fim costumo dizer que a sequência de erros que levou ao término surge de ambas as partes.

E você precisa assinar o atestado “dos seus erros”, compreender que errou de alguma forma, por realmente ter culpa ou por ter “se permitir” passar por certos acontecimentos com a cruel esperança de que ele talvez um dia mudasse e tudo voltasse a ser como era antes. Muitas das vezes o nosso erro é o de apenas “baixar a cabeça” aceitando todas as culpas que não são temos.

“A culpa foi dele”, você também não pode passar a vida inteira remoendo dentro de você sobre tudo o que ele fez de errado. “eu não merecia”, “com outra mulher ele é diferente”, “outra ele trata melhor”, “ela é bem mais jovem”, “ela é linda” – Já está na hora de parar de se culpar e martirizar tanto todo aquele amor que você dedicou a ele. Já está na hora de seguir em frente sem medos e sem culpas do passado. Está na hora de você para de esconder esse teu sorriso lindo, teu jeito encantador, sua beleza.

Não importa quanto tempo durou o seu relacionamento, se teve ou não filhos… Vai doer, vai fazer falta, vai levar parte de você, vai deixar um vazio enorme na cama, na casa, na vida… No coração.

E devemos aprender a lidar com isso, por mais que não estejamos preparadas para o fim devemos nos dedicar a aceitar e seguir em frente depositando esperança de que um dia o amor vai chegar e que dessa vez será para sempre.

Muitas das vezes a dor é mais intensa porque sabemos que o relacionamento não ia dar em nada e mesmo assim nos iludimos, não é o outro que nos ilude, somos nós mesmas, e, ter consciência disso é devastador.

E a tendência é culpar o amor, nos deixamos usar porque amamos… Mas, na verdade é a falta de amor próprio que nos leva a criar ilusões e ver coisas onde não existem. Achamos que se nos dedicarmos ao máximo ao relacionamento o outro “talvez” possa mudar.

Alguns homens mudam e outros não.

Por isso, precisamos saber quando sair de cena, quando abandonar o relacionamento e aceitar que relacionar-se com uma pessoa que não te ama de volta faz mal, faz mal em dobro.

Para este primeiro dia você precisa assumir tudo o que fez de errado. Chore se quiser e se sentir vontade. Relembre fatos, não pule a fase do sofrimento e aprenda a amadurecer com a dor.

Os primeiros 30 dias são para você perdoar e se perdoar, para você deixar ir tudo aquilo que pesa a alma. Muitas pessoas buscam apoio de amigos, familiares e até mesmo religiosos. Pode ser que você precise de algum tipo de “apoio” para evitar que se culpe tanto sobre algo que não dependia somente de você para dar certo.

O fato é que ninguém sobrevive aos primeiros trinta dias em total solidão. Lógico que há momentos em que desejamos estar a sós com a nossa dor, temos medo de ser criticadas e de não poder chorar até cair no sono, ou comer sozinha uma panela de brigadeiro.

Há momentos em que necessitamos estar sós, mas não por um longo período (isso não faz bem para ninguém). Seria bom se dividisse os trinta dias em 15 e 15.

Os primeiros quinze dias divida entre você e outras companhias. Ouça conselhos, permita-se falar sobre o término do relacionamento, fale mal, fale bem… Apenas desabafe sem se importar com o que podem pensar a seu respeito. Não se permita ouvir criticas destrutivas de modo algum por mais que você tenha culpa.

O que passou, passou e esse é o seu momento de seguir em frente e se libertar do peso do passado. Quanto mais você se culpar pior será para aceitar o fim. Você precisa de colo. Tudo o que vai desejar é ser escutada, ainda não está pronta para ouvir reclamações sobre “os moles” que você deu para ele ou sobre as coisas que você fez de errado.

Esta fase é a sua fase e de mais ninguém!

Fase para você chorar e começar a se sentir bem. Procure boas companhias, pessoas que podem te abraçar com força. Vá ao cinema, visite parentes que não vê há um bom tempo.

Compre uma flor para cuidar ou adote um animalzinho (prefiro sempre um animalzinho). Se você tiver um cãozinho ou um gatinho ele vai te pedir colo, carinho, vai precisar de você e dos seus cuidados. Esta fase em que começamos a nos libertar da ausência do outro nos sentimos muitas das vezes solitárias e incapazes de conseguir desenvolver um relacionamento a longo prazo.

O término de um relacionamento independentemente do seu tempo de duração abre um enorme buraco de incapacidade. Por isso, precisamos nos sentir capazes. Capaz de conseguir um emprego, de desenvolver uma nova rotina, de levar as crianças para a escola e de perder o medo de subir na escada para trocar a lâmpada da sala.

E os outros quinze dias você vai começar a mudar sua rotina. Isso serve também para os móveis. Se der troque de lugar, pinte as paredes, faça na casa coisas que ele reprovaria se estivesse presente.

Corte os cabelos, pinte, dê uma repaginada no seu guarda-roupa. Estes quinze dias são para você começar a viver a vida que realmente gostaria, agora você só precisa se agradar. No trigésimo dia dê-se um presente, pode ser o que você quiser. Um passeio, roupas, acessórios, qualquer coisa. Você merece!

Mas, de nada vai adiantar todo o aprendizado se você não evitar as recaídas

Quem nunca teve uma recaída?  É normal quando estamos apaixonadas e amamos… Mas, várias recaídas é falta de amor próprio (ou de vergonha na cara). Você assina uma autorização de uso e descarte.

Todas as vezes que volta para casa ou que ele vai embora você se sente usada, humilhada e traída. Chora debaixo do chuveiro enquanto seu amor próprio desce ralo abaixo.

Você nem é capaz de encarar seu reflexo diante do espelho, você se envergonha de ter cedido mais uma vez e por saber que seria como antes. Você sabe que ele não vai te procurar amanhã, nem depois. Vai ficar novamente aguardando um “oi sumida”.

Você precisa cair na real que é o sexo fácil e sem gastos dele. Sendo fácil o tempo todo ele não vai se tocar que você é a mulher da vida dele. Aí você passa dias a fio analisando onde errou e o que fez de errado desta vez. Será que não foi boa o suficiente na cama? Ou será que falou alguma besteira?

Então vai se torturar uma semana inteira com aquele aperto no peito junto da sensação de pior mulher do mundo, a mulher que ninguém leva a sério depois da cama.

Quando você passa a se valorizar até o babaca que aparecia a cada quinze dias vai perceber.

Espero que você tenha um bom recomeço, seja qual for o caminho escolhido. Haja com maturidade, mas não abra mão do seu amor próprio.

@ load more